“Fiquei totalmente paralisada”, afirma garçonete vítima de lesbofobia em restaurante de BH

“Quando fui pegar a garrafa de cerveja na mesa do casal, o homem tomou da minha mão e disse que não queria que eu o atendesse. Ele estava descontrolado e disse ‘saia da minha mesa’. Eu fiquei totalmente paralisada”. Assim a garçonete Juliana Aparecida Ribeiro da Silva, de 33 anos, vítima de lesbofobia descreve o ato homofobico sofrido por ela na noite de sexta-feira, enquanto trabalhava no Restaurante Chopp da Fábrica, em Belo Horizonte.

Por Tatiana Lagôa, do Hoje em Dia 

Reprodução Facebook

Ela conta que foi chamada pelo menos dez vezes de sapatão pelo casal antes deles se negarem a ser atendidos pela jovem. “Quando eu ouvia eles gritando ‘sapatão’, pensava que era outro assunto. Nem imaginava que pudesse ser comigo”, conta.

Após ouvir dos clientes que não queriam ser atendidos por uma “sapatão”, a profissional pediu ao gerente para que pudesse ficar por um tempo no segundo andar do estabelecimento. O objetivo era esperar a saída dos dois para depois voltar ao posto de trabalho.

“Eu não queria fazer nenhum tipo de bagunça porque gosto de trabalhar lá. O restaurante não tem culpa de ter chegado clientes com essa visão. Preferi me recolher. Mas me senti muito mal. Principalmente quando notei a proporção que tomou e vi a gravidade do que estava envolvida”, relata.

Casada há um ano e meio com uma moça que também trabalha como garçonete, Juliana se diz assustada com o quanto as pessoas estão ficando intolerantes. Apesar de já ter sido ofendida outras vezes na rua, é a primeira que é vítima de preconceito em ambiente de trabalho. “Eu ando nas ruas e as pessoas me julgam pela minha aparência. Mas no trabalho eu nem imaginava. Fiquei sem reação e só conseguia pensar ‘não acredito que isso esteja acontecendo’”, relata.

Enquanto ela não sabia o que fazer, outros clientes incomodados com a homofobia presenciada chamaram a polícia e expulsaram o casal do estabelecimento aos gritos. Quando a polícia chegou, eles já tinham ido embora.

O proprietário do restaurante, Bruno Delli Zotti, lamentou o ocorrido em nota na internet. E à reportagem, disse que a atitude preconceituosa não condiz com a visão do estabelecimento. “Nossos profissionais são escolhidos apenas pela competência e mais nada”, afirma.

 

+ sobre o tema

10 Opiniões chocantes sobre estupro

ONU: uma em cada dez jovens foi vítima de...

A História de Luísa – Tornar-se Negro – Cap. V

A História de Luísa - Resumo - cap. V -...

Suprema corte americana aprova o casamento gay em todo o país

A Suprema Corte americana aprovou por cinco votos a...

para lembrar

Representatividade negra, sim! Karol Conka é estrela de nova campanha da Avon

Parece que a Avon tem compreendido as reivindicações dos brasileiros por...

O clube dos encoxadores

O que passa pela cabeça dos caras que atacam...

Debates sobre racismo e violência marcam Dia da Mulher Negra

Mulheres negras da América Latina e do Caribe realizam...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=