Fotógrafa Jess Dugan explora vulnerabilidade e as variadas formas da identidade masculina em novo livro

Um novo livro de fotos acaba de ser lançado e ele examina o poder da identidade, desejo e conexão por meio da arte do retrato em 2015.

Por James Michael Nichols Do Brasil Post

Every Breath We Drew (“Toda Respiração que Desenhamos”, em tradução livre) é uma coleção impressionante de imagens da fotógrafa Jess Dugan, que buscou elementos que evidenciassem, em suas palavras, uma forma de “masculinidade delicada”.

Por meio de seu trabalho, Dugan confunde a noção tradicional de masculinidade ao fotografar indivíduos em ambientes íntimos vivenciando trocas significativas.

O projeto, em muitos aspectos, é pessoal para Dugan, que o chama de “um grande autorretrato” e revela que queria definir o que a masculinidade significa para ela, sem considerar as expectativas da sociedade.

“Estou interessada em uma versão de masculinidade que é mais expansiva e mais vulnerável que aquela normalmente representada na cultura convencional”, disse Dugan ao The Huffington Post.

Veja abaixo algumas imagens de Every Breath We Drew, bem como uma entrevista com Dugan.

slide_455294_6113942_free

The Huffington Post: Por que decidiu embarcar nesse projeto?
Comecei a tirar essas fotos em 2011, depois de me mudar de Boston para Chicago. Meu trabalho anterior focava em questões de gênero e sexualidade, especialmente dentro da comunidade transgênera feminino-para-masculino, e eu pensava bastante na ideia de masculinidade a nível pessoal e cultural.
Quanto mais eu pensava nessa ideia, mais indefinida e maleável ela parecia ser. Eu também estava sozinha em uma nova cidade, descobrindo onde me encaixava e com quem tinha uma conexão.
Usando a investigação da masculinidade como ponto de partida, o tema das minhas fotos acabou sendo a interseção de uma identidade pessoal com uma necessidade de intimidade e conexão com outros.

slide_455294_6113944_freeBetsy

GENEROSHunter e Jeffry

generos1

Qual a narrativa predominante em torno da masculinidade que você explora através dessas fotos?
As pessoas que eu tinha vontade de fotografar expressam um tipo delicado de masculinidade, sejam elas homens ou mulheres, gays ou héteros. Estou interessada em uma versão de masculinidade que é mais expansiva e mais vulnerável que aquela normalmente representada na cultura convencional.

slide_455294_6113950_free

generos2

ggggg

The Huffington Post: Esse projeto é pessoal? Em que aspecto?
Com certeza. Em muitos aspectos, penso nesse projeto como um grande autorretrato.
Como alguém que teve que definir de forma consciente minha própria versão de masculinidade em contraste com o que a sociedade esperava de mim, eu fui atraída para pessoas que incorporavam uma autenticidade e conforto similares dentro de si mesmas.
A combinação de força e vulnerabilidade, presente em tantas dessas imagens, é algo que especialmente sempre me atraiu. As pessoas que escolhi fotografar frequentemente tinham qualidades que vi refletidas em mim mesma ou que eu desejava emular.
As fotos não são documentos objetivos de indivíduos, e sim registros subjetivos de um momento que aconteceu entre mim e eles.

ggfffgffffff

mmmm

slide_455294_6113960_free

O que você deseja que o público leve desse projeto?
Antes de tudo, quero que o público se sinta conectado às pessoas nas fotos. Sempre coloco o público em uma posição de intimidade com o elemento da foto — em seu quarto ou sentado na mesa da cozinha — e espero que essa intimidade permita que uma troca significativa aconteça.
Também quero que o público questione suas próprias suposições sobre gênero e sexualidade, começando a questionar coisas que possa ter assumido anteriormente como objetivas ou claramente definidas.
As fotos são em última análise sobre a necessidade que todos nós temos de sermos vistos, aceitos e desejados como somos realmente.

ooooop

nbnbnb

 

+ sobre o tema

Susan Rice – Desafios e oportunidades para as mulheres afrodescendentes – 16-04 Rio de Janeiro

Superintendente Marcelo Dias apresentará políticas desenvolvidas pelo Estado em...

UNIFEM se solidariza com as mulheres que estão denunciando agressões sexuais

A revelação pública da série de crimes sexuais atribuídos...

Mulher, imigrante e explorada: estudo retrata trabalho doméstico nos EUA

Porta de entrada da economia americana para muitos imigrantes,...

Michele Crispim é a grande vencedora do ‘MasterChef Brasil 2017’

De um lado, a carioca radicada em São Paulo,...

para lembrar

Homofobia: até quando?

Em 2014, a cada 27 horas, um homossexual morreu...

Curso Latino-Americano Mulheres Negras e Dignidade Humana – 17 a29 de janeiro

Curso Latino-Americano Mulheres Negras e Dignidade Humana - 17...

Mercado de trabalho para pessoas trans, realidade ou utopia no Brasil?

Não seriam estas oportunidades de marcar um posicionamento positivo...

Fátima Oliveira: Bandidos da paternidade acobertados pela Justiça

Foto - arquivo pessoal Silene Nogueira Araújo e Rosemary de...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=