segunda-feira, setembro 20, 2021
InícioÁfrica e sua diásporaAfro-brasileirosFrancisco Nascimento - O Dragão do Mar

Francisco Nascimento – O Dragão do Mar

Francisco José do Nascimento, Dragão do Mar do Ceará, Carinho com Gentileza.
FRANCISCO JOSÉ DO NASCIMENTO
DRAGÃO DO MAR DO CEARÁ

Uma História muito linda, do combate ao cativeiro
Gente da garra infinda, o bem aventurado Brasileiro.
No Humano todo momento, o Divino faz se manifestar.
Francisco José do Nascimento, Dragão do Mar do Ceará.

Natural de Canoa Quebrada, de família de Pescadores.
Gente Cristã determinada, gente de sonhos e de amores.
Misericórdia no sentimento, e que nunca fizeram negar.
Francisco José do Nascimento, Dragão do Mar do Ceará.

Mãe Matilde Rendeira. e pai na Amazônia em Seringal.
Uma família Guerreira, batalhando condição mais igual.
Suportando seu padecimento, e sempre firme a trabalhar.
Francisco José do Nascimento, Dragão do Mar do Ceará.

Trabalho desde menino, auxiliava no Navio Tubarão.
Passou a Prático por seu tino, construía a sua formação,
Pratico Mor por merecimento, na barra e porto a labutar.
Francisco José do Nascimento, Dragão do Mar do Ceará.

Jovem de todo amor e Nobreza, cumpridor do seu dever.
Conhecido em toda Fortaleza, aos 20 anos aprendeu a ler.
Expressava Paz e contentamento, tinha Amor no partilhar
Francisco José do Nascimento, Dragão do Mar do Ceará.

Secas fortes assolaram, e desorganizaram a produção.
Fome varíola e cólera mataram, um quarto da população.
Chico da Matilde neste tempo, vai João Cordeiro encontrar.
Francisco José do Nascimento, Dragão do Mar do Ceará.

Surgem laços de Amizade, vão no abolicionismo florescer.
E muita Nobreza e Amizade, fazendo a vida a pena valer.
Patriotismo e entendimento, fazendo a História se elevar.
Francisco José do Nascimento, Dragão do Mar do Ceará.

Tem Sociedade Abolicionista, e João Cordeiro a dirigir.
Formam Amizade Humanista. Anti-Escravista a persistir.
Com coragem e desprendimento, pra Deus e Brasil honrar.
Francisco José do Nascimento, Dragão do Mar do Ceará.

Os Poderosos nessa dificuldade, querem escravos vender
O que seria uma indignidade, povo e escravos iriam perder.
Com a Liberdade como sacramente, fez todo o porto parar.
Francisco José do Nascimento, Dragão do Mar do Ceará.

Um momento de decisão, com a própria vida arriscada.
De peito aberto e coração, por amor a raça escravizada.
Sem medo do risco de banimento, capaz de a vida ofertar.
Francisco José do Nascimento, Dragão do Mar do Ceará.

Ameaçado com perseguições, com uma ação judicial.
Foi acusado de sedição, de inimigo da Ordem Social.
Ficaram firmes no Intento, de a escravidão não passar
Francisco José do Nascimento, Dragão do Mar do Ceará.

Os Senhores acabaram concordando, e houve a liberdade.
Ao Dragão do Mar exaltando, por sua heróica dignidade.
Foi tamanho o contentamento, e a Liberdade pra desfrutar.
Francisco José do Nascimento, Dragão do Mar do Ceará.

Liderou movimento praieiro, para desmontar a escravidão
Não carregar pros navio negreiro, e criminalizar esta ação.
Perdeu emprego no momento, que teve de dez anos suportar.
Francisco José do Nascimento, Dragão do Mar do Ceará.

Condutor de Botes catraieiro, Chico Matilde mais que Leão.
O Extraordinário Guerreiro, por um povo e sua Libertação.
Ao seu lado o firmamento, todas as forças a o impulsionar.
Francisco José do Nascimento, Dragão do Mar do Ceará.

O Ceará aboliu a Escravidão, quatro anos antes do Brasil.
Francisco foi o Herói da Abolição, amor igual nunca se viu.
Esta em todo pensamento, e em oração a Deus no Louvar.
Francisco José do Nascimento, Dragão do Mar do Ceará.

A república é proclamada, no Ceará Cordeiro é presidente.
A Patente de Dragão é restaurada, com Justiça comovente.
E tudo se deu a Contento, vamos sempre em poesia exaltar.
Francisco José do Nascimento, Dragão do Mar do Ceará.

Autores: Azuir Filho e Turmas: do Social da Unicamp e, de Amigos de Rocha Miranda,
Rio, RJ e, de Mosqueiro, Belém, PA.

Poesia de Homenagem a Francisco José do Nascimento, o Chico da Matilde o Dragão do Mar, Herói do Ceará que conduziu o movimento que fez a paralisação do porto de Fortaleza em 1884 que impediu aos Dominadores, de exportarem Escravos do Ceara para o Sul do Brasil. E, com o Movimento vitorioso, Paralisando todo o porto, tiveram de lhes conceder a Liberdade, e no Ceará é Proclamado o fim da Escravidão, quatro anos antes do fim da escravidão no Brasil, que foi em 1888 e, que um ano depois chegou ao fim do Império. A Ação do Herói Dragão do Mar do Ceará desencadeou um movimento que mudou o Brasil, com o fim da escravidão e o Nascimento da República. Francisco José do Nascimento, Dragão do Mar do Ceará.

 

DIREITOS RECONHECIDOS E AGRADECIDOS
F1 http://www.portalcanoaquebrada.com.br/canoa_quebrada
http://www.portalcanoaquebrada.com.br/canoa_quebrada_cultura_historia/francisco_jose_do_nascimento.jpg

F2 http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/7/76/DragaodoMar.gif
F3 http://www.enciclopedianordeste.com.br/imagens/biografias/788.jpg
F4 http://i.pbase.com/o6/11/141711/1/75142391.i48BdUMC.Fortaleza_Estatua_IracemaII0011.jpg
i.pbase.com/o6/11/141711/1/75142391.i48BdUMC.Fortaleza_Estatua_IracemaII0011
F5 http://i70.photobucket.com/albums/i88/WillCorreia/fortalezanovas18.jpg

sobre a obra

Obra de louvor ao Dragão do Mar, o Chico da Matilde, Herói do Ceará decisivo na Abolição da Escravatura no Ceara, quatro anos antes que no Brasil, influenciando no próprio término da Escravidão no Brasil. Desde menino Trabalhou no Porto de Fortaleza, levava recados e fazia pequenos serviços até que ficou sendo Ajudante do Prático e tornar-se Prático também. Num Período de seca e miséria no Ceará, os dominadores vão aproveitar e exportar os Escravos para o Sul, Chico faz um Movimento vitorioso e consegue parar o Porto de Fortaleza. Tentam de tudo e não conseguindo nada, libertam os escravos, quatro anos antes da Lei Áurea, Chico ganha o titulo de Dragão do Mar e recupera seu emprego, perdido a dez anos atrás. É um Herói não só do Ceará mas também do Brasil. Porque quem combateu a Escravidão além de Herói do Brasil, é também herói de toda Humanidade.

PARA SABER MAIS

Francisco do Nascimento, o Dragão do Mar, é um afro-descendente relacionado no ensaio “O negro na formação cultural do Brasi. Tentativa de nominata e iconografia”, de autoria de Carlos Eugênio Marcondes de Moura. In Araújo, Emanoel (org.). A mão afro-brasileira. Significado da contribuição artística e histórica. São Paulo, Tenenge, 1988, p. 381-382

Foto em destaque: Reprodução/ O Povo

 

 

 

RELATED ARTICLES