Frente de alunxs do colégio PedroII discute gênero, etinicidade, politica e sociedade

Desde sempre tive uma admiração muito grande pelo Colégio Pedro II, lugar que sempre quis estudar.

Enviado para o Portal Geledés

A instituição, desde sua criação, pretendia através da formação de uma elite nacional formar uma gama de políticos e intelectuais da alta administração pública. E essa proposta educacional reverbera até hoje no ensino e ações do CPII. A exemplo temos a adoção do “X” para suprimir gênero em termos, como já era utilizado nos movimentos feministas e LGBTs. A iniciativa incrível é uma das concretizações das implementações dos planos de estudos determinados desde a fundação.
Outra inciativa foi o evento « Fela Kuti: Afrobeat e a Resistência Negra », promovido pelo Grêmio CPII Humaitá junto a professores e a Frente de Negrxs Lélia Gonzalez (frente negrx de alunxs da unidade) e é um desdobramento da mobilização dxs alunxs a favor de um estudante que sofreu racismo durante uma partida de futebol na escola.

Estive lá na semana passada, quinta-feira 17/09, por indicação de Iara Cassano. Na primeira mesa estava Pedro Rajão, produtor cultural e diretor do documentário Anikulapo. No intervalo entre uma mesa e outra, compartilhei com xs estudantes uma oficina de turbantes e ali conversamos muito sobre apropriação cultural, autoestima e belezas. Foi lindo ver o interesse e atenção dx meninxs empenhadxs a descobrirem os outros “eus”. Como é sensível elxs se tocarem e se permitirem tocar pelo outro, se admirarem… e admirarem o outro. Estavam radiantes. Num segundo momento foi chegada a hora da mesa onde palestramos eu e a antropóloga Nathalia Oliveira.

O tema foi: “A luta política de Fela Kuti: pan-africanismo, antiautoritarismo e resistência negra.” Pensar na luta política de Fela é entender de onde veio, por onde se desdobrou, por qual caminho se deu e por quais se mantém: Funmilayo, mae de Fela, lutou pelos direitos de mulheres na Nigéria e em África e primeira mulher negra a dirigir um carro no país. Sandra Smith (Isidore), Panteras Negras, influenciou a luta apresentando o movimento Black Power, Malcom X e outros pensadores negros. The Queens, se tornaram parceiras de Fela em corpo pleno e faziam o Afrobeat cumprir seu papel político, espiritual, resistencial e transcendental. Mulheres de Kalakuta, nao sei dizer quantas eram, quem eram, mas se estavam ali é porque eram.

E foi sentindo-se em casa, sem ambições acadêmicas, que a mesa se fez. Uma relação horizontal que nos permitiu pensar sobre o movimento Afrobeat que existe no funk, no sambam nas culturas populares e no protagonismo feminino que os acompanha. É impagável observar que tudo aquilo que pretendia ser um canal de informação, se verte em troca voluntária e fortalecimento da educação.

NOTA : A Reitoria do Colégio Pedro II emitiu Nota Pública destinada à comunidade escolar e à sociedade em geral acerca do o uso da letra “x” para suprimir a designação de gênero em substantivos.

 

Gessica Justino
Bailarina e pesquisadora de em cultura popular. É educadora no Projeto Afrobetizar. Gessica é também produtora do Coletivo Obá.

Fotos enviadas ao Portal Geledés.

 

** Este artigo é de autoria de colaboradores ou articulistas do PORTAL GELEDÉS e não representa ideias ou opiniões do veículo. Portal Geledés oferece espaço para vozes diversas da esfera pública, garantindo assim a pluralidade do debate na sociedade.

 

 

+ sobre o tema

Conae SP: Delegados criticam falta de tempo para discussão em etapas municipais e intermunicipais

Em segunda cobertura especial sobre a Conae, o Observatório...

Crítica: Marilena Chaui terá sua obra publicada em nove volumes

  Os "Escritos de Marilena Chaui" começam agora a ser...

Violência é o maior problema para pais, alunos e professores da escola pública

Pesquisa conclui que, no estado de São Paulo, progressão...

para lembrar

Estudante da USP é eleita presidente da UNE

Filiada ao PCdoB, Virgínia Barros quer aumentar a pressão...

Menino chamado de ‘Félix’ por professora vai mudar de escola

A mãe do menino de 11 anos que foi...

USP, UFSC e VEDUCA lançam 1º MBA on-line e gratuito

A USP (Universidade de São Paulo), a UFSC (Universidade...

UFRB abre concurso para contratar mais de 60 professores

A Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB) está...
spot_imgspot_img

Estudo mostra que escolas com mais alunos negros têm piores estruturas

As escolas públicas de educação básica com alunos majoritariamente negros têm piores infraestruturas de ensino comparadas a unidades educacionais com maioria de estudantes brancos....

Educação antirracista é fundamental

A inclusão da história e da cultura afro-brasileira nos currículos das escolas públicas e privadas do país é obrigatória (Lei 10.639) há 21 anos. Uma...

Faculdade de Educação da UFRJ tem primeira mulher negra como diretora

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) tem a primeira mulher negra como diretora. A professora Ana...
-+=