Futebol de letra

Gosto de futebol bem jogado. Futebol simples que resulta em bola na rede. Para a bola atingir a meta é preciso apresentar técnica, arte, cabeça fria e coração quente. Igual quando leio ou escrevo um texto. Ele também corre em direção ao gol – esse átimo de explosão funda e ruidosa. Não é fácil concluir. Exige muitos anteriores: o treino, o passe, o drible, o insight.

Por  Fernanda Pompeu Do Yahoo

Nunca se sabe exatamente como a partida terminará. Ganhar, perder, empatar. Salvo nos jogos mais importantes, no qual o empate está fora de questão. Bem melhor quando inexiste a possibilidade dotudo igual, do elas por elas. Se o empate acontece na página, a sensação é fraca, sem sal. O recado pode ter sido dado, mas não deixou nenhuma marca.

Jogo memorável é aquele que planta a imagem de um lance na nossa cachola. Um romance de 400 páginas será memorável, se o leitor guardar uma frase, um diálogo, uma descrição. Ou até mesmo – seja no jogo, seja na página – se apropriar de uma impressão. Essência da partida ou do livro gravada na nossa memorioteca

O excitante que lembro da Copa de 1970 não são exatamente os gols, mas o Edifício Moema, em Niterói, tremendo. Depois da final, a multidão em êxtase na praia de Icaraí. Parecida memória tenho da leitura do Madame Bovary, de Gustave Flaubert. Não recordo da trama nem dos diálogos. Ficou foi a Ema Bovary se entregando aos sonhos de viver outras vidas, por meio da leitura de romances.

Também recordo de um Brasil x Argentina, sei lá de que ano, em que pensei: Isso é um jogaço, isso é um balé no gramado. Igual é minha recordação da poesia de Carlos Drummond de Andrade, mesmo quando não lembro de seus grandes poemas, tenho na pele a gaiatice dos versos: Se eu me chamasse Raimundo, seria uma rima, não seria uma solução.

Futebol é bola na rede, texto é flechada no coração. Para os dois é preciso domínio técnico, treino, compromisso e alma. Mas não só isso. É necessário também esquecer para ousar lances e textos novos. Fiz a minha parte quando me desfiz da sombra dos mestres. Foi o momento em que decidi escrever do meu jeito, com meus defeitos!

No gramado deve rolar algo semelhante. Não se trata de tentar ser um segundo Garrincha, Pelé, Maradona e outros monstros. O jogador tem que conduzir nos pés sua própria história. O escritor, o leitor idem. Respeitar o que somos é o bom caminho para o golaço nas redes e nas imaginações.

+ sobre o tema

EUA se abstêm pela primeira vez em voto na ONU contra embargo a Cuba

Pela primeira vez, os Estados Unidos se abstiveram de...

Leonardo Boff: Dez lições da crise brasileira

Toda crise acrisola, purifica e faz madurar. Que lições...

Abolicionismo do século 21

Por: Edson França Completamos no dia 13 de...

Cornel West: Goodbye, American neoliberalism. A new era is here

Trump’s election was enabled by the policies that overlooked...

para lembrar

Desvelar-se – Por: Fernanda Pompeu

Tirar o véu que nos protege. Mostrar-se para o que...

Trocando de janela

A maioria de nós acredita que mudar é bom....

Mar Amar

Mar Amar Pezinhos na areia fofa e molhada de água salgada...

Papo de manos

– Aí, o que vai rolar hoje à noite? Por Fernanda...

Fátima Oliveira dos 1000 Legados

Temos trabalho e prazer para muitas gerações Por Fernanda Pompeu em seu blog  Em 2005, tive a honra e o prazer de entrevistar a médica Fátima Oliveira (1953-2017)....

A vida é raçuda

Alvorada Acordar cedo é fonte de sofrimento para Celina Macunis. Toda vez que é obrigada a sair da cama antes das 10, vivencia a espantosa...

Luiza Bairros (1953-2016)

Morreu no 12 de julho 2016 a grande Luiza Bairros. Ela foi de tudo: ativista, professora, ministra. Gaúcha e baiana. O texto que segue...
-+=