Governo paulista admite irregularidades na aplicação e gestão dos recursos do SUS

A Secretaria Estadual da Saúde admitiu que não aplica na área da saúde o percentual mínimo de 12% determinado pela Constituição e nem gerencia o dinheiro enviado para a saúde pelo Governo Federal, que é recolhido no caixa único do Estado.

“Não aplica, não tem conta de crédito desses recursos, não movimenta conta específica, e ainda utiliza dinheiro da União como contrapartida própria, ou seja, repassa dinheiro da União para os municípios como se fosse seu”, informou a procuradora federal Rose Santa Rosa ao deputado estadual Fausto Figueira (PT), em reunião na tarde de quinta-feira, dai 13, no prédio do Ministério Público de São Paulo, na Capital. Também participaram do encontro o promotor de Justiça de Direitos Humanos, Arthur Pinto Filho, o deputado Adriano Diogo (PT) e Alfio Paglia, assessor do deputado Luiz Carlos Gondim (PPS).

A confirmação do Governo foi em resposta ao questionamento feito pelo Ministério Público Estadual e pela Procuradoria da República, após tomarem conhecimento de irregularidades na aplicação e gestão de recursos do SUS no Estado de São Paulo. O governo paulista investiu, inclusive, parte desse dinheiro (milhões de reais) no mercado financeiro, conforme apurou auditoria federal.

A Comissão de Saúde e Higiene da Assembleia Legislativa, presidida por Fausto Figueira, irá representar junto ao Ministério Público Estadual e à Procuradoria da República para que cobrem do Governo de São Paulo o cumprimento da lei. Quanto ao desvio de dinheiro da saúde pública para aplicação no mercado financeiro, constatado em auditoria nos anos de 2006 e 2007, as autoridades solicitaram ao Departamento Nacional de Auditorias do Sistema Único de Saúde (Denasus), órgão do Ministério da Saúde, os dados de 2008 e 2009 para decidirem que ação tomar.

“Eles alegam falta de dinheiro para compra de remédios mais complexos e fecham o ano com R$ 78 milhões em aplicação financeira”, confronta a procuradora, que acredita que tudo isso vem acontecendo pela inércia do Conselho Estadual de Saúde em São Paulo, que é presidido pelo secretário estadual da saúde. “O conselho não funciona”, constatou Rose Santa Rosa, que esteve pessoalmente em uma reunião sem dizer quem era para ver o que acontecia.

As autoridades informaram a Fausto Figueira que a Secretaria de Estado da Saúde não tinha dados para responder ao questionamento sobre a aplicação dos recursos, “tiveram que juntar relatórios financeiros da Secretaria da Fazenda. Confessaram que não gastam o que é determinado, mas alegam que não estão desrespeitando a lei”. As autoridades vão inicialmente tentar uma negociação, antes de adotar medidas judiciais.

“O Governo de São Paulo usa a desculpa que não tem lei e por isso não controla, e que não controla porque não tem lei”, disse Fausto, que apresentou projeto de lei complementar (clique aqui para ler) na Assembleia Legislativa dispondo sobre as normas de fiscalização, avaliação e controle das despesas com saúde no Estado de São Paulo. O objetivo é normatizar em nosso estado a emenda constitucional nº 29/00, que obriga a aplicação em saúde de 12% da receita líquida de todos os impostos estaduais.

Os fatos – O Denasus apurou que o governo paulista deixou de aplicar na saúde, apenas nos exercícios de 2006 e 2007, um total de 2,1 bilhões de reais. Destes, 1 bilhão em 2006 e 1,1 bilhão, em 2007.

Dos R$ 77,8 milhões do SUS aplicados no mercado financeiro paulista, 39,1 milhões deveriam ter sido destinados a programas de assistência farmacêutica, 12,2 milhões a programas de gestão, 15,7 milhões à vigilância epidemiológica e 7,7 milhões ao combate a DST/Aids, entre outros programas.

O Denasus constatou ainda que tanto os recursos do tesouro estadual destinados à saúde como os recursos repassados pelo Ministério da Saúde são movimentados na Conta Única do Estado, mantida no banco Nossa Caixa S/A e controlada pela Secretaria do Estado da Fazenda. A legislação em vigor estabelece que esses recursos devem ser depositados em um Fundo de Saúde e geridos pela Secretaria de Estado da Saúde.

Entre outros desvios, o Governo de São Paulo contabilizou na conta da saúde gastos em saneamento básico, alimentação de presidiários, aposentadorias e o programa social Viva Leite.

Fonte:Fausto Figueira

+ sobre o tema

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e...

para lembrar

Manaus vê boom de enterros, que triplicam e chegam a 82 por dia

Com o sistema público de saúde em colapso devido...

Obama ‘perdoa’ peru e o livra do forno à véspera de Ação de Graças

Presidente cumpriu tradição na Casa Branca com as filhas,...

Individualismo e preconceito não podem prevalecer em mandatos coletivos

A Mandata Ativista, que foi eleita em 2018 para...

Dublê de Ogum! – Por Cidinha da Silva

Por Cidinha da Silva Tudo começou com uma brincadeira quando...

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a tramitação em regime de urgência do projeto de lei que equipara aborto acima de 22 semanas...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste ano, foram feitas 7.887 denúncias de estupro de vulnerável ao serviço Disque Direitos Humanos (Disque...

‘Criança não é mãe’: manifestantes em todo o Brasil protestam contra PL da Gravidez Infantil

Diversas cidades do país receberam na noite desta quinta-feira (13) atos de movimentos feministas contra o projeto de lei que equipara aborto a homicídio,...
-+=