Grito pelo fim do racismo e lesbofobia: 2ª Virada Feminista

O horário de almoço de inúmeras pessoas que trabalham e circulam pelo Setor Comercial Sul, no centro de Brasília, foi agitado. Feministas de diversos movimentos organizados e feministas autônomas participaram do Grito pelo fim do Racismo e Lesbofobia. A manifestação teve o objetivo de chamar a atenção e convocar a população a reagir a todos os tipos de violência contra a mulher.

De acordo com Guacira Oliveira, da coordenação da Articulação das Mulheres Brasileiras (AMB), a ideia era chamar a população para dar um basta na violência contra as mulheres “precisamos de uma reação, e isso é o papel de toda a sociedade”, disse.

silencio cumplice guacira

O evento contou com as performances das atrizes Tina Carvalho, fantasiada de palhaça Marmota e de Anna Prado, que incorporou sua personagem “Annarkista de Cristo” e recitou poesias aos transeuntes. A DJ mais badalada na cena lésbica da capital, Pati Merenda, discotecou em plena praça e atraiu os olhares e ouvidos dos pedestres. Depois da concentração, as manifestantes caminharam até o restaurante onde duas jovens foram espancadas por lesbofobia.

A produtora cultural e “artivista” Nadja Dulci acredita que esta mistura de arte e protesto pode ser muito bem sucedida, “a ideia de misturar arte e protesto foi uma maneira que encontramos de sensibilizar as pessoas, disputar o imaginário, visto que as mulheres artistas, ativistas feministas, refletem, através de suas criações, o que acontece no mundo, tanto as opressões vividas como as belezas de ser mulher”, afirmou.

Apesar de ser uma pauta polêmica, o ato foi bem recebido pela população, “as pessoas se mostraram curiosas e abertas à manifestação e às questões que levantamos pro debate” contou Nadja.

MEMÓRIA:
No dia 25/02, duas mulheres foram agredidas após serem xingadas por Wilian Alves do Carmo, 26 anos, que as perseguiu e as espancou, no Setor Comercial Sul, em pleno horário de almoço. Uma delas teve o osso da perna esquerda quebrado e a outra teve que passar por uma cirurgia, pois fraturou o braço. A jovem disse que apesar da violência ter acontecido num local com grande trânsito de pessoas, ninguém tentou impedir as agressões.

geral2

Para Dulci, a omissão em reagir à violência vem por parte da nossa cultura machista que muitas vezes, banaliza a violência contra a mulher. “A mulher é vista como culpada, mesmo quando está na condição de vítima. Outro ponto que podemos levantar para essa falta de ação das pessoas é que a reflexão crítica sobre o que acontece à nossa volta ainda está em curso. Por isso estamos em protesto nas ruas, para compartilhar nossas lutas e despertar os desejos de pensar coletivamente”, refletiu.

Na madrugada do dia 28/02, ainda na mesma semana, quatro jovens, com idade entre 18 e 22 anos, foram agredidas no Balaio Café, 201 Norte, os agressores gritavam: “lepra da sociedade, puta neguinha, sapatona e vocês têm que morrer”.

E o mais chocante: enquanto as vítimas e agressores aguardavam para dar o depoimento e tentar fazer o Boletim de Ocorrência, na Delegacia Especializada em Atendimento à Mulher (DEAM), os dois principais agressores riam e debochavam delas. Eles foram liberados após o depoimento.

Fonte: CFEMEA

+ sobre o tema

Uruguai: governo diz que número de abortos diminuiu após descriminalização

Segundo o governo, os dados preliminares apontam entre 300...

Nota da CNAIDS ao Ministro Alexandre Padilha

AoExmo. Sr.Alexandre PadilhaMinistro de Estado da Saúde - Ministério...

GO: ex-pastor é preso por estupro e cárcere privado da mulher por 6 anos

Um ex-pastor evangélico de 45 anos foi preso na...

Carta Aberta contra a chamada para a II Conferência Municipal de Promoção da Igualdade Racial

Vimos manifestar publicamente à sociedade curitibana, assim como ao...

para lembrar

Sessão extraordinária na Câmara vai colocar em votação 7 projetos de Marielle

Na próxima quarta-feira (2) será realizada uma sessão extraordinária...

Mulheres ainda se dividem entre a casa e o trabalho, aponta o IBGE

Mesmo cada vez mais inseridas no mercado de trabalho,...

#GeledésnoDebate: “Não houve respaldo legal para a esterilização de Janaína”

#SomostodasJanaína# Por Kátia Mello Janaína Aparecida Quirino, 36 anos, moradora em...

Mulheres agredidas por PM serão indenizadas no Rio

Ele as xingou, atacou com cabo de vassoura e...
spot_imgspot_img

Homens ganhavam, em 2021, 16,3% a mais que mulheres, diz pesquisa

Os homens eram maioria entre os empregados por empresas e também tinham uma média salarial 16,3% maior que as mulheres em 2021, indica a...

Escolhas desiguais e o papel dos modelos sociais

Modelos femininos em áreas dominadas por homens afetam as escolhas das mulheres? Um estudo realizado em uma universidade americana procurou fornecer suporte empírico para...

Ministério da Gestão lança Observatório sobre servidores federais

O Ministério da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos (MGI) lança oficialmente. nesta terça-feira (28/3) o Observatório de Pessoal, um portal de pesquisa de...
-+=