Grupo protesta contra ato de racismo no supermercado Dia

Mulher negra foi acusada por segurança do estabelecimento de ter roubado pacote com peixe congelado

Do A Cidadeon

Foto: Luciano Claudino/código19

O grupo ativista Feminismo Negro Interseccional Campinas – Coletivo Lélia Gonzalez protestou na noite desta quinta-feira (7) contra um suposto ato de racismo praticado por um funcionário do supermercado Dia na Rua Delfino Cintra, centro de Campinas.

Segundo a denúncia do grupo, o ato foi cometido no último dia 24 de maio. Rosana Meneses, que integra o coletivo, foi abordada por um segurança do supermercado após deixar o estabelecimento, e foi acusada por ele de ter roubado uma bandeija de peixe congelado.

Rosana diz que apenas consultou o preço do produto, mas como achou caro, decidiu não comprar e devolveu o pacote à geladeira do supermercado.

O segurança disse que as câmeras de monitoramento teriam comprovado o roubo. Ele a conduziu de volta ao supermercado, e a vítima chamou advogados ligados ao grupo antirracista. Quando eles chegaram, foram informados que não seria possível dar a identificação do segurança.

Os funcionários disseram ainda que a segurança é feita por uma empresa terceirizada.

Rosana e o grupo Feminismo Negro classificam o ato como racismo. Um boletim de ocorrência foi registrado no 1º Distrito Policial como injúria racial.

No protesto desta noite, cerca de 50 manifestantes seguraram cartazes em frente ao Dia da Delfino Cintra e pediram o boicote da rede. A unidade fechou as portas antes do fim do expediente.

OUTRO LADO 

Em nota, a Rede Dia disse que está apurando o caso e informa que já notificou o franqueado proprietário da loja.

“O Dia repudia comportamentos discriminatórios de quaisquer naturezas e, com relação ao caso em questão, já solicitou ao franqueado que empresa de segurança que presta serviços à loja realize o afastamento do profissional até que o fato seja esclarecido, o que foi prontamente atendido”, disse.

A empresa afirmou ainda que “preza por relações respeitosas com todos os públicos com os quais se relaciona, em especial seus clientes, e, por isso, realiza treinamentos frequentes com as equipes de atendimento das lojas e aos parceiros de negócios”.

+ sobre o tema

Neymar prefere não rebater ofensas racistas na Espanha: ‘Só jogo futebol’

Atacante foi vítima de discriminação em clássico de Barcelona Do...

Cotas, sozinhas, não acabam com a desigualdade

Há uma demanda crescente para que as universidades de...

Violência Racial: Quando falei que ia ligar para polícia ele me deu um tapa na cara

Uma funcionária do supermercado Carrefour Dom Pedro I acusou...

para lembrar

spot_imgspot_img

O papel de uma líder branca na luta antirracista nas organizações 

Há algum tempo, tenho trazido o termo “antirracista” para o meu vocabulário e também para o meu dia a dia: fora e dentro do...

Mortes pela polícia têm pouca transparência, diz representante da ONU

A falta de transparência e investigação nas mortes causadas pela polícia no Brasil foi criticada pelo representante regional para o Escritório do Alto Comissariado...

Presos por racismo

A dúvida emergiu da condenação, pela Justiça espanhola, de três torcedores do Valencia por insultos racistas contra Vini Jr., craque do Real Madrid e da seleção brasileira. O trio...
-+=