Here, There and Everywhere – os dilemas de uma “esquerda pragmática”

E finalmente chega a vez de Hillary. A pré-candidatura esperada, tentada, adiada e cozinhada por tantos anos, apresentou-se alguns dias atrás. Sem muito alarde, com um vídeo na rede seguido por uma agenda de viagens para encontros e diálogos com a sociedade americana.

por Nina Madsen, de Washington, DC, do  Nota de Rodapé 

Logo que cheguei por aqui, os noticiários exploravam, à exaustão, a história da conta de e-mail – em algum momento, no início da gestão Obama, Hillary tomou a estranha decisão de usar apenas uma conta de e-mail, a sua pessoal, para administrar mensagens oficiais e mundanas. Seria um ato de ingenuidade atroz, não tivesse vindo dela, de dentro da Casa Branca.

Mas o fato é que a história veio a público e virou um pequeno escândalo, com alto potencial desestabilizador. Para meus olhos, tinha pinta de sangria de pré-candidata. Mas não colou e ela seguiu, como se, agora, nada nem ninguém pudesse detê-la. E a pré-candidatura se anuncia quase que definitiva pelo Partido Democrata. Nenhuma outra se emparelha, não há real disputa no horizonte.

Fato praticamente consumado, começa assim o primeiro ato.

À esquerda de Hillary, as pedras vem com força. “O menos pior de dois males” [uma referência a ela e ao Republicano Rand Paul] e “cínica oportunista” foram duas que catei dia desses ouvindo o rádio. As comparações com Margaret Thatcher abundam e, francamente, só fazem denunciar a absurda escassez de referências femininas nos altos postos de liderança política mundo afora. Todas se parecem com Thatcher, uma incrível coincidência…

Acusam Hillary de estar à direita de Obama, e de representar uma ala do Partido Democrata mais aberta ao livre mercado (como se houvesse alguma força política realmente opositora a ele por essas bandas…) e até algumas bandeiras republicanas, como a revisão do “ObamaCare”, por exemplo. As defesas são mais tímidas e contidas que os ataques. Não negam esse posicionamento da candidata, mas o definem como o necessário pragmatismo que os tempos atuais exigem. Soa familiar?

Os mais esperançosos afirmam que surpresas podem aparecer pelo caminho. Um artigo da revista The New Yorker (veja aqui), por exemplo, menciona a possibilidade de um programa político desenvolvido a partir dos insumos de um amplo e denso relatório do Center for American Progress (CAP) sobre a situação geral das desigualdades do país. Trata-se de um documento que apresenta propostas como o aumento do salário mínimo e o fortalecimento de sindicatos como caminhos a serem adotados.

E há as que defendem sua candidatura pela oportunidade da conquista histórica de se ter uma mulher à frente da Casa Branca. Sabemos bem que, em se tratando do avanço de uma agenda política feminista e progressista, não basta com mais mulheres no poder se essas mulheres não se comprometem com essa agenda. Mas a promessa de Hillary é a de fazer da “igualdade de gênero” uma bandeira central de sua campanha. A ver.

Hillary não desperta paixões, não se destaca, como Obama, pela carismática e irresistível eloqüência discursiva. Sim, Obama é o cara e Hillary parece saber bem que não cabe a ela disputar esse lugar. O que não significa a ausência, entre os dois, de disputas de outras naturezas. Hillary não esconde discordâncias em relação a algumas das escolhas feitas por Obama, ainda que não tenha começado a explicitá-las publicamente.

E esse é um dado interessante. Ela é a continuidade, mas é também mudança (se para melhor, não sei…). Ela tem um projeto político coerente com o projeto mais amplo de seu partido, mas tem uma abordagem própria, com prioridades e escolhas particulares.

Difícil não comparar a dobradinha Obama-Hillary com a nossa, Lula-Dilma.

A trajetória dessas duas experiências tem um desenho político bastante parecido. Lula e Obama tiveram primeiros mandatos inicialmente comprometidos com mudanças à esquerda, com uma grande aproximação de cada governo de setores historicamente discriminados da sociedade. Seguidos por segundos mandatos marcados, na ala da esquerda, por muita desilusão da parte de alguns, e um crescente pragmatismo da parte de outros. Na ala à direita, um rancor crescente, que perdeu freios e limites. Se no Brasil, Lula despertou a fúria do elitismo rançoso, nos EUA, Obama desperta um esdrúxulo racismo xenófobo.

E eis que a esses homens, seguem-se duas mulheres “fortes”, pouco carismáticas e reconhecidamente pragmáticas. Com uma importante diferença. No Brasil, o caminho rumo à Presidência de Dilma Roussef parece ter sido bem menos traçado por ela ou por sua trajetória política, do que pelo partido e pelo próprio Lula. Hillary Clinton, ao contrário, tornou público e notório esse desejo antigo em sua disputa com o próprio Obama pela candidatura do Partido Democrata em 2008.

Enquanto Dilma se elegeu, lá em 2010, com o discurso da continuidade direta do projeto de Lula; Hillary não esconde que seu projeto tem diferenças com o de Obama.

O que será a campanha de Hillary, ainda estamos por descobrir. Os Republicanos parecem ter aprendido algumas coisas com as derrotas para Obama em 2008 e 2012. As pré-candidaturas anunciadas até aqui parecem representar desafios importantes aos planos da democrata, ainda que sua vitória já ande sendo cantada por alguns. Rand Paul, de um lado, e os meninos da Florida – Marco Rubio e Jeb Bush – de outro, são, sem dúvida, adversários relevantes.

E ficamos à espera dos próximos atos – como construirá e apresentará seu programa e sua campanha, a democrata? Até onde prevalecerá o pragmatismo de uma esquerda cada vez mais recuada em seus projetos de mudança, e em que medida será capaz de responder a uma agenda realmente capaz de promover justiça social em um país encurralado por suas desigualdades?

E se fica alguma lição do pragmatismo à brasileira, é que sem limites explicitamente demarcados, sem princípios e compromissos dos quais não abrir mão, ele inevitavelmente desemboca no isolamento e na perda de direção política. Uma combinação perigosa, como bem podemos atestar.

* * * * * *

Nina Madsen. Escreve por gosto e necessidade desde que se lembra. Formada em Letras, caminhou pelos campos da educação até que se fez feminista e socióloga, por azar ou sorte. Desde janeiro de 2015, vive em Washington, DC – novo cenário de aventuras e leituras pelo avesso do mundo.

+ sobre o tema

Metade das crianças violentadas foi agredida mais de uma vez

O Brasil registrou 58,3 mil casos de estupro de crianças e...

SP enquadrou 31 mil negros como traficantes em situações similares às de brancos usuários

Para a polícia de São Paulo, a diferença entre um traficante e...

STF retoma julgamento sobre descriminalização do porte de drogas

O Supremo Tribunal Federal (STF) retoma nesta quinta-feira (20)...

STF começa a julgar nesta terça (18) supostos mandantes da morte de Marielle

O Supremo Tribunal Federal (STF) inicia, na tarde desta...

para lembrar

A política do comum contra a pobreza da politica

O que se anuncia para 2018 é a disputa...

Bandeira de mello: FHC pós a raposa no galinheiro

Um dos principais juristas do País, o professor Celso...

Brasil cai nove posições em ranking de igualdade entre sexos

  O Brasil caiu nove posições no ranking global de...

Eleições 2010 contarão com mais de 130 milhões de eleitores

A corrida presidencial ganha fôlego com a formalização das...

PL antiaborto viola padrões internacionais e ameaça vida, diz perita da ONU

O PL antiaborto viola padrões internacionais de direitos humanos e, se aprovado, representaria uma ameaça para a vida principalmente das mulheres mais pobres do...

Prefeitura de São José dos Campos retira obra sobre mulheres cientistas das escolas

A prefeitura de São José dos Campos (SP) recolheu a obra Mulheres Sonhadoras, Mulheres Cientistas, composta por dois livros, das escolas e bibliotecas do município. Escritos por...

A direita parlamentar parece ter perdido sua bússola moral

Com o objetivo de adular a extrema direita e constranger o governo, o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira, facilitou a aprovação de...
-+=