Hillary pressiona Kinshasa a acabar com as violências sexuais contra mulheres

GOMA, 11 Ago 2009 (AFP) – A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, ardente defensora dos direitos da mulher, pediu nesta terça-feira em Goma, leste da República Democrática do Congo (RDC), que o presidente Joseph Kabila detenha e condene os militares responsáveis por violências sexuais.

 

Fonte: G1

 

A chanceler chegou na véspera na capital Kinshasa, quarta etapa de seu giro por sete países da África, e foi nesta terça-feira para Goma, no leste do país, onde prometeu ajuda americana.

 

Esta região está desestabilizada por rebeldes hutus ruandeses das Forças democráticas de libertação do Ruanda (FDLR) e ugandeses do Exército de resistência do senhor (LRA).

 

Os rebeldes e também soldados do exército regular (FARDC) cometem regularmente violências contra os civis, em particular contra as mulheres, vítimas de estupro, utilizada como arma de guerra.

 

Segundo a ONU, ao menos 200.000 mulheres foram estupradas desde 1996 no leste da RDC, destruída por cinco anos de guerra regional (1998-2003) e de guerra civil (2004-2009).

 

A secretária de Estado indicou ter tido uma discussão muito franca com o presidente Kabila sobre as violências sexuais. Ela também pediu que o governo detenha os oficiais FARDC responsáveis por este tipo de abuso.

 

“Acreditamos que não deve haver impunidade para os crimes sexuais, que deve haver detenções, perseguições e condenações”, declarou Hillary Clinton.

 

A conversa com o chefe de Estado aconteceu numa tenda em torno da residência do governador da província do Norte-Kivu (Goma).

 

Hillary também anunciou um financiamento de 17 milhões de dólares para ajudar a combater as violências sexuais. Este dinheiro será redistribuído às ONG locais, servirá para a formação de mulheres policiais, e à ajuda médica e psicológica para cerca de 10.000 vítimas.

 

Especialistas americanos na África vão também aconselhar sobre como reduzir o número de estupros. “Diante de uma crueldade como esta, as pessoas de boa vontade devem reagir”, afirmou a chefe da diplomacia americana.

 

Em visita a um campo perto de Goma, onde estão reunidos quase 20.000 desabrigados, ela trocou algumas palavras com uma jovem mãe de seis crianças. “Eu encontrei o presidente Kabila. Eu disse a ele que queremos acabar com as violências para que vocês possam voltar para casa”, disse Hillary Clinton a ela.

 

“Os Estados Unidos estão prontos a ajudar para profissionalizar o exército congolês”, acrescentou.

 

A secretária de Estado embarcou no fim da tarde rumo a Kinshasa, onde ficará até o início da noite. Em seguida, vai para a Nigéria, quinta etapa de seu périplo africano.

 

Este é o primeiro giro de Hillary Clinton à África desde que assumiu suas funções, em janeiro, após a visita em julho a Gana do presidente americano, Barack Obama. Ele pediu à secretária de Estado que lute no combate às práticas antidemocráticas, a corrupção, os conflitos e as doenças.

 

Esta viagem, que inclui sete países, já levou Hillary Clinton ao Quênia, África do Sul, Angola e RDC. Depois do Nigéria, a chefe da diplomacia americana deve ainda ir para a Libéria e Cabo Verde.

 

Matéria original: Hillary pressiona Kinshasa a acabar com as violências sexuais contra mulheres

+ sobre o tema

A Lei Maria da Penha e os direitos humanos da mulher no contexto internacional

O artigo consiste em um estudo sobre a internacionalização...

Coordenador do núcleo LGBT da campanha de Marina deixa o cargo

PAULO. O coordenador do núcleo LGBT da campanha presidencial...

Campanha alerta mulheres sobre importância do diagnóstico precoce do câncer de mama

Brasília - O Ministério da Saúde lançou hoje (1º)...

para lembrar

Mulheres vítimas de violência poderão ter proteção imediata

A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (21) um projeto...

“Feminismo negro não exclui, amplia”: Djamila Ribeiro debate ativismos a convite da França

Em entrevista exclusiva à RFI, em Paris, Djamila Ribeiro recupera momentos...

TSE analisa recursos e tempo de TV para candidatas negras

Consulta pede que metade dos 30% do fundo eleitoral...

Homenagem a Marielle de um coronel da PM do Rio: Os sinos dobram por ti

Robson Rodrigues, um dos mais respeitados coronéis da Polícia...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=