Homem é esfaqueado após briga por racismo

 

“Ele disse que a empresa não ia para frente porque contratava pretos”. Parece absurdo, porém, em pleno 2014, essa foi a ofensa que uma operadora de caixa na região central de Bauru ouviu na noite desta sexta-feira (4). Após ofender a funcionária, José Severino da Silva, 43 anos, ainda esfaqueou Dirceu Pereira Gonçalves, 35 anos, que foi tirar satisfações após ouvir o ato racista.

 

O crime ocorreu dentro de um estabelecimento, localizado na rua Treze de Maio. Descontente com a demora na fila, o jardineiro José Severino começou a ofender a funcionária, de 22 anos, que teve a identidade preservada pela reportagem.

Diante dos xingamentos racistas, outros funcionários e também clientes se indignaram e foram tirar satisfação com o homem. Ele conta que deixou as compras e tentou ir embora do estabelecimento, contudo, foi parado por seguranças do local.

Foi quando, de acordo com a Polícia Militar (PM), a discussão se tornou ainda mais intensa com o cliente Dirceu Gonçalves. Em determinado momento, o jardineiro tirou um punhal de poucos centímetros e atingiu o homem no peito, próximo ao coração.

Por sorte, era próximo ao horário de fechamento e havia poucos clientes no estabelecimento comercial. A vítima foi socorrida pela Unidade Resgate (UR) do Corpo de Bombeiros e encaminhado ao Pronto-Socorro Central (PSC).

O jardineiro José Severino da Silva foi preso ainda dentro do local, pela Força Tática da PM. Ele foi conduzido à Central de Polícia Judiciária (CPJ), onde, até o momento,o caso ainda não havia sido registrado.

Vítima

Informações preliminares da PM davam conta de que a vítima estava em estado grave quando foi socorrido. 
Contudo, a reportagem apurou que, pouco após ter sido levado ao PSC e ter recebido atendimento, Dirceu Gonçalves deixou a unidade hospitalar. Ele não teria recebido alta dos médicos.
 
Por volta das 22h, o policiamento foi até a residência da vítima, porém, ela não foi localizado. Não se sabia mais qual era seu estado de saúde. 
 

Homem é esfaqueado após briga por racismo

 

Eu arrependo de ter xingado, mas não da facada’

Sentado no chão da Polícia Civil, José Severino da Silva parecia sequer ter noção do que havia acabado de fazer ontem à noite. 

Ele se dizia homem honesto e contou que havia ido comprar pão com mortadela no lugar. O jardineiro, que veio de Alagoas, disse estar arrependido somente do ato de racismo e alegou ter sido agredido primeiro.
 
Jornal da Cidade – Você xingou ela mesmo?
José Severino – Xinguei de preta. ‘Tava’ demorando muito. Uma meia hora já. Eu disse que ‘tava’ demorando porque ela era morena.
 
JC – Mas você disse ‘morena’?
José – Na verdade, eu disse preta mesmo.
 
JC – E o que aconteceu logo depois?
José – Ela ficou ofendida, né? O cara que estava atrás de mim também. Quando o povo ficou bravo, eu até falei que não ia comprar mais nada e ia embora. Deixei minhas compras ali em cima e quis ir embora. Mas aí não deixaram.
 
JC – E o que você estava comprando
José – Mortadela e três ‘pãozinho’
 
JC – E aí?
José – Aí que já tinha um segurança na minha frente. E chegou esse cara e me deu um soco no olho. Aí eu tirei a faquinha que eu uso e acertei ele.
 
JC – E pra que o senhor usa essa faquinha?
José – Uso pra cortar as plantinhas. Sou jardineiro. Sou trabalhador. Sou honesto. Num tenho passagem.
 
JC – O senhor bebeu algo?
José – Não. Nada, nada.
 
JC – E o senhor está arrependido?
José – Tô arrependido de ter xingado a moça. 
 
JC – E da facada?
José – Não. Ele que veio pra cima, né? Eu arrependo de ter xingado, mas não da facada.
 
JC – E se ele morresse?
José – Mas e se ele tivesse me cegado com o soco?
 
JC – E se o senhor for preso?
José – Fazer o quê? Mas não xingo mais. 
 
 
 
 
 
 
 
Fonte: JCNET

 

+ sobre o tema

53,5% dos negros brasileiros já estão na classe média

Pesquisa do economista da FGV Marcelo Neri também mostra...

Conferência Nacional de Saúde – Mobilização alcança 75% dos municípios brasileiros

Em 2011, a Conferência Nacional Saúde reforça conquistas ao...

Casamento no Candomblé ao som de tambores africanos

POR ELI ANTONELLI Casamentos nos espaços sagrados das...

Em livro, pesquisadores desmistificam suposta ausência de negros na Amazônia

por Monica Prestes Obra produzida por 13 pesquisadores relata...

para lembrar

Série de fotos histórica escancara o racismo nos EUA da década de 1950

Se o ano de 1956 pode hoje parecer distante...

Presidente de clube é condenado por racismo

-Fonte: Jornal de Uberaba - Presidente de um clube...

Ator global vai à polícia após filha ser alvo de racismo

Do Pragmatismo PoliticoAtor Bruno Gagliasso prestou queixa na Delegacia...

Racismo e opressão no governo italiano

Por Marina Fuser*   Novos escândalos colocam o primeiro-ministro italiano de...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=