IGUALDADE RACIAL

Por: Flávia da Silva Clemente e Márcia da Silva Clemente

 

 

 

Quanto tempo mais temos de esperar? Quanto tempo mais temos que sofrer com o preconceito, a intolerância e o desrespeito? Quanto tempo mais? Quanto tempo mais…

 

Estas são perguntas que reiteradas vezes as populações, discriminadas pela sua raça, suscitam no seu cotidiano, todas as vezes que os olhares, as atitudes e o discurso das pessoas demonstram intolerância. Somos iguais, mas historicamente reforçamos as diferenças de maneira negativa, tornando necessário que ações sejam desenvolvidas para conquistar a igualdade, sucessivamente postergada, pelo manto (in)visível de que vivemos num país sem preconceito racial.

 

Mas esconder não é possível. Como escamotear trezentos e oitenta e oito anos de escravidão e negação de direitos? Apesar desta constatação existem esforços nesse sentido. Dizemos isto, haja vista, há aproximadamente sete anos se encontrar tramitando no Congresso Nacional, o Estatuto da Igualdade Racial, recentemente aprovado no âmbito do Senado Federal. Porém, o texto original sofreu modificações, de forma que bandeiras de lutas essenciais, a exemplo do sistema de cotas, foram retiradas.

 

Sobre as cotas, ponto polêmico, sobretudo pelas possibilidades que criam para os povos discriminados, é válido ressaltar que o Brasil é signatário da III Conferência mundial contra racismo, discriminação racial, xenofobia e intolerância, realizada em Durban, África do Sul, em 2001. Este fato, a priori, deveria nortear e considerar relevante assumirmos que precisamos realizar o enfrentamento do racismo, sem subterfúgios.

 

Atualmente existe quem afirme, e concordamos, que pelo menos dois terços dos conflitos do mundo têm motivação econômica e étnica. Consideramos que não adianta nada querermos mudar apenas nossa vida. O que interessa é o coletivo, é a luta de homens e mulheres contra a opressão social e a intolerância racial. Nos tempos atuais a xenofobia relacionada aos mulçumanos, orientais, africanos e indígenas se faz presente nas relações sociais intercontinentais.

 

Portanto, é essencial estabelecermos medidas de recusa ao racismo no Brasil e a reparação aos dez milhões de africanos e africanas que foram submetidos à tortura, estupro, escravidão, perseguição religiosa, exploração e que ainda hoje sofrem com o fenômeno do racismo estrutural, que continua caracterizando nossa sociedade.

 

Frente a essa realidade somos da opinião que o Estatuto da Igualdade Racial aprovado não representou avanços. Sendo assim, a luta pela conquista de direitos permanece, o percurso é longo, mas precisa ser trilhado, no intuito de que na sociedade brasileira a igualdade para todos se torne, de fato, uma realidade.

 

Nessa seara, a sociedade civil organizada tem um papel salutar de estimular o debate, denunciar as condições de vida deploráveis, às quais as populações discriminadas são submetidas, participar das ações coletivas em defesa dos direitos dessas populações e propor alternativas que visem a garantia de acesso a todos, na perspectiva de que somos iguais na diferença

 

(*) Flávia da Silva Clemente – Assistente Social do GAJOP, Especialista em Saúde Pública/Fundação Osvaldo Cruz e Mestra em Serviço Social/UFPE.

(*) Márcia da Silva Clemente – Assistente Social, Especialista em Direitos Humanos/ UFPB e Professora Mestra do Curso de Serviço Social/UFRB (Universidade Federal do Recôncavo da Bahia).

 

 

Fonte: www.gajop.org.br

+ sobre o tema

Após 3 meses, Anvisa decide que uso de máscaras volta a ser obrigatório em aeroportos e aviões no Brasil

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) decidiu nesta...

“É melhor morrer em pé do que viver de joelhos”

Quem ama as liberdades democráticas que se mire em...

Em pleno carnaval, Garis paralisam Rio de Janeiro – por Douglas Belchior

  De Douglas Belchior Haiti? África do Sul? Não. É Rio de...

Abolicionismo do século 21

Por: Edson França Completamos no dia 13 de...

para lembrar

Lula afirma que quem quiser vencê-lo deverá acordar cedo e pôr “pé no barro”

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva transformou o...

Em toda a América Latina, mulheres lutam contra violência na política

Atualmente, a América Latina é líder global em cargos...

Predominantes na classe C, negros movimentaram R$ 760 bilhões em 2012

De cada 100 pessoas que entraram na classe C...

Rápido como uma bala

Rápido como uma bala. Sob o título "É um...

Fim da saída temporária apenas favorece facções

Relatado por Flávio Bolsonaro (PL-RJ), o Senado Federal aprovou projeto de lei que põe fim à saída temporária de presos em datas comemorativas. O líder do governo na Casa, Jaques Wagner (PT-BA),...

Morre o político Luiz Alberto, sem ver o PT priorizar o combate ao racismo

Morreu na manhã desta quarta (13) o ex-deputado federal Luiz Alberto (PT-BA), 70. Ele teve um infarto. Passou mal na madrugada e chegou a ser...

Equidade só na rampa

Quando o secretário-executivo do Ministério da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Cappelli, perguntou "quem indica o procurador-geral da República? (...) O povo, através do seu...
-+=