Jair Bolsonaro é condenado por declarações homofóbicas

O deputado federal Jair Bolsonaro (PP) foi condenado a indenizar em R$ 150 mil, por danos morais, o Fundo de Defesa dos Direitos Difusos (FDDD) por causa de declarações homofóbicas dadas ao programa “CQC”, da TV Bandeirantes. A ação civil pública foi ajuizada pelos grupos Diversidade Niterói, Cabo Free de Conscientização Homossexual e Combate à Homofobia e Arco-Íris de Conscientização. Cabe recurso da sentença.

No Cidade Verde

No programa, que foi ao ar no dia 28 de março de 2011, Bolsonaro foi questionado pela cantora Preta Gil sobre como reagiria se seu filho namorasse uma mulher negra. E respondeu: “Não vou discutir promiscuidade com quem quer que seja. Eu não corro esse risco. Os meus filhos foram muito bem educados e não viveram em ambientes como lamentavelmente é o teu”.

Na sentença, a juíza Luciana Santos Teixeira, da 6ª Vara Cível do Fórum de Madureira, destacou a liberdade de expressão deve ser exercida sem dano à dignidade do cidadão: “Não se pode deliberadamente agredir e humilhar, ignorando-se os princípios da igualdade e isonomia, com base na invocação à liberdade de expressão. Nosso Código Civil expressamente consagra a figura do abuso do direito como ilícito civil (art. 187 do Código Civil), sendo esta claramente a hipótese dos autos. O réu praticou ilícito civil em cristalino abuso ao seu direito de liberdade de expressão”.

Em sua defesa, o deputado alegou que detém imunidade parlamentar, o que foi contestado pela magistrada: “A imunidade parlamentar não se aplica ao caso em tela. Em que pese o réu ter sido identificado no programa televisivo como deputado, suas declarações foram a respeito de seus sentimentos como cidadão, tiveram cunho pessoal – e não institucional”.

Leia Também

+ sobre o tema

Islândia é o primeiro país a proibir pagar salário inferior a mulheres

Desde 1º de janeiro, organizações governamentais e empresas do...

Winnie Bueno criou o ‘Tinder dos Livros’ para democratizar leitura entre negros

Ela, como adianta a descrição do Twitter, conecta pessoas...

Projeto ‘Matriarcas’ retrata o universo de mulheres ligadas às culturas populares

A documentarista visual Fabiana Ribeiro assina o projeto Matriarcas...

Ministra Luiza bairros e vice-prefeito da cidade do Rio Adilson Pires

O vice-prefeito e secretário municipal de Desenvolvimento Social, Adílson...

para lembrar

Thereza Santos entre armas e kizombas

Pegar em armas de fogo, no Continente Africano, durante...

A cruzada contra as mulheres brasileiras

Em um primeiro momento, as forças que sustentam movimentos...

Ativistas conhecem ações integradas para mulheres negras propostas pela SEPPIR

Para discutir o tema, a SEPPIR reuniu representantes de...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Moraes libera denúncia do caso Marielle para julgamento no STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), liberou nesta terça-feira (11) para julgamento a denúncia da Procuradoria-Geral da República (PGR) contra...
-+=