Jorge Portugal: E agora Racismo?

Passada uma semana das reações apaixonadas, chegou a hora de perguntar serenamente: e agora, racismo brasileiro, podemos finalmente construir uma nação?Podemos começar a ensaiar os primeiros passos de uma futura igualdade social, a partir dessa primeira garantia de igualdade racial na educação, que o STF fez virar letra de lei?Ou vamos continuar esperneando pelos editoriais dos jornalões, nas baladas chics, nas redes sociais, ou nas mesas de bar contra uma decisão que lavou a alma do país?

Sinceramente, racismo, eu espera um placar de 6 a 4 e já estaria de bom tamanho.Mas o supremo nos mostrou que, apesar de ter um bom número de ministros-conservadores, estes se mostraram pessoas inteligentes e bons leitores do Brasil.Eles sabiam impossível continuar um apartheid de quatro séculos sustentado pelo cinismo, pela desfaçatez e pela crueldade do olvido.No voto de alguns, eu vi a completa destruição do argumento de “morte do mérito” que a elite euro-descendente brandia para condenar as cotas.Ora, como se podia falar em mérito quando, ao longo da história, houve uma reserva de mercado das coisas boas para um segmento e a sonegação de todos os bons caminhos para a outra parte? Escolas boas, empregos bons, contas correntes ótimas; para o outro lado, escravidão, abolição sem cidadania, péssima educação, favelas e cadeias.Ganhar assim era fácil demais, não?

O outro argumento, o de que cotistas não teriam condições de “acompanhar” o ritmo das aulas no ensino superior, esses dez anos de ações afirmativas desmoralizaram totalmente.Reitores de universidades que adotaram as cotas são unânimes em declarar que afrodescendentes e indígenas tornaram-se os melhores alunos, ou sempre estiveram entre os melhores de suas instituições! Sinal de que nunca faltou inteligência ou capacidade de aprender: faltava, sim, oportunidade.

10 x 0! Que placar! Nem a seleção de 1958 ou a de 1970 conseguiriam nos dar, no futebol, um placar tão expressivo.Como nos privaram secularmente não só do conhecimento como também do trabalho digno(uma coisa leva à outra), temos, desde já, duas novas batalhas à vista: a primeira, para implantar a decisão do STF em todas as universidade públicas que se recusavam a fazê-lo; a segunda, pela implantação do sistema de cotas no serviço público, através dos concursos.Isso não é pedido: é cobrança de dívida! Em tempo: essas palavras, racismo brasileiro, não são minhas: são do Supremo Tribunal Federal do Brasil.Vai encarar?

De qualquer modo, quem perde – e perde feio – tem todo o direito de espernear.Podem ficar à vontade.

 


Educador, criador e apresentador de Aprovado! (Rede Bahia) e Tô Sabendo (TV Brasil). Compositor de MPB.Escreveu Se escola fosse estádio e educação fosse Copa, a partir de um artigo em Terra Magazine.

Fonte: Blog do Jorge

+ sobre o tema

Maranhão tem 30 cidades em emergência devido a chuvas

Subiu para 30 o número de cidades que decretaram...

O Estado emerge

Mais uma vez, em quatro anos, a relevância do...

Extremo climático no Brasil joga luz sobre anomalias no planeta, diz ONU

As inundações no Rio Grande do Sul são um...

IR 2024: a um mês do prazo final, mais da metade ainda não entregou a declaração

O prazo para entrega da declaração do Imposto de Renda...

para lembrar

Brasil tem o maior número de homicídios do mundo, afirma ONU

por João Fellet O Brasil detém o terceiro maior...

José Serra (talvez) desdenhou votos dos ateus

Tava indo bem demais pra ser verdade. A campanha...

TSE decide que Twitter não pode ser usado antes de prazo eleitoral

por Lúcio Borges O TSE (Tribunal Superior Eleitoral) julgou...

‘A bola da vez’: Plínio Marcos: Manifestações livres sobre qualquer assunto

Por Leno F. Silva   Na última quinta-feira estreou o espetáculo...

Mulheres em cargos de liderança ganham 78% do salário dos homens na mesma função

As mulheres ainda são minoria nos cargos de liderança e ganham menos que os homens ao desempenhar a mesma função, apesar destes indicadores registrarem...

‘O 25 de abril começou em África’

No cinquentenário da Revolução dos Cravos, é importante destacar as raízes africanas do movimento que culminou na queda da ditadura em Portugal. O 25 de abril...

IBGE: número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave em SP cresce 37% em 5 anos e passa de 500 mil famílias

O número de domicílios com pessoas em insegurança alimentar grave no estado de São Paulo aumentou 37% em cinco anos, segundo dados do Instituto...
-+=