terça-feira, outubro 26, 2021
InícioEm PautaJovens protestam usando Niqab e mini-shorts na França

Jovens protestam usando Niqab e mini-shorts na França

Londres, 04 de outubro: Em protesto contra a recente lei que proíbe o uso da burka na França, duas estudantes andaram nas ruas de Paris usando o niqab e mini-shorts, encubrindo o rosto, mas mostrando suas longas pernas nuas.


As duas jovens que se intitulam “Niqabitches” que pode ser traduzido como “prostetutas de niqab”, foram filmadas passeando usando a parte de cima do Niqab, um provocante mini-short e salto-alto em frente a gabinetes ministeriais, ganhando a admiração de pedestres que pediram para tirar suas fotos.

As duas mulheres também foram vistas se aproximando da entrada do ministério da imigração e identidade nacional, onde foram abordadas por um policial que pediu para irem a outro local.

As duas jovens anônimas, estudantes de ciência política e comunicação afirmam em um artigo publicado no site de notícias, Rue89, que o protesto é uma critica à proibição do niqab na França.

O Senado aprovou a lei no mês passado e deve entrar em vigor no próximo ano.

“Nos perguntamos:. ‘Como as autoridades reagem quando confrontadas com mulheres vestindo uma burka e mini-shorts?” perguntaram as alunas, uma das quais é muçulmana.

“Nós não procuramos atacar ou denegrir a imagem dos fundamentalistas muçulmanos – cada um na sua -, mas sim a questão de políticos que votaram a favor desta lei que consideramos inconstitucional.

“Parece que o papel do Estado se tornou ditar o que vestimos, (como se eles não tivessem outras coisas a fazer)”, acrescentaram.

O vídeo que pode se tornar a mais nova sensação na internet foi visto 71.000 vezes no Rue89 e algumas centenas de vezes no YouTube e sites franceses.

Quando a polemica lei entrar em vigor, a mulher muçulmana que usar o niqab ‘véu que cobre o rosto’ será multada no valor de 150 euros e deverá freqüentar um curso de aulas de cidadania, já o homem que forçar uma mulher a andar velada será multado em 30.000 euros e pode passar até dois anos na prisão.

 

 

Fonte: Arabesq

RELATED ARTICLES