Juiz americano se nega a unir casal inter-racial

Fonte: Terra –

 

Um juiz de paz da Louisiana se negou a unir um casal inter-racial, segundo publica nesta sexta-feira a agência de notícias AP. Keith Bardwell, de Tangipahoa Parish, alegou ter tomado a decisão em benefício dos filhos que o casal pode ter. Pois, segundo sua experiência teria demonstrado, as uniões entre casais inter-raciais não duram.

 

“Eu não sou racista. Eu só não acredito na mistura de raças desta maneira. Tenho muitos amigos negros. Eles vêm a minha casa, usam meu banheiro, os caso. Trato-os como todos os demais”, afirmou Bardwell à AP.

 

O juiz disse ainda que já discutiu o assunto com negros e brancos e que chegou à conclusão de que a maioria da sociedade não aceita facilmente os filhos desses casamentos. Nem a sociedade negra, nem a branca. “Há um problema com ambos os grupos para aceitar uma criança de tal união. Acredito que são as crianças que sofrem e não quero contribuir para isso”, disse Bardwell.

 

O juiz acredita que tenha se negado a casar aproximadamente quatro casais ao longo dos dois últimos anos.

 

O casal Beth Humphrey, 30 anos, e Terence McKay, 32 anos, estuda apresentar uma queixa por discriminação à Justiça americana. Beth, gerente de contas de uma empresa, afirmou que ela e McKay acabam de instalar-se na Louisiana. Ela é branca e ele negro.

 

“O que aconteceu é inacreditável. Nunca imaginamos que isso pudesse ocorrer a essa altura”, disse a mulher. Ela contou que telefonou para o juiz no dia 6 de outubro para perguntar como poderia obter uma licença de casamento e a mulher de Bardwell lhe disse que ele não assinaria a licença para um casal inter-racial e lhe recomendou que procurasse outro juiz.

 

“É realmente surpreendente e decepcionante ver isso acontecer em 2009”, disse à AP a advogada Katie Schwartzmann, da União Americana para as Liberdades Civis (ACLU, na sigla em inglês). Segundo ela, o Supremo Tribunal de Justiça decidiu em 1967 que “o governo não pode dizer às pessoas se elas podem ou não se casar”.

 

A ACLU enviou uma carta ao Comitê Judiciário da Louisiana, que supervisiona os juízes de paz do Estado, pedindo-lhes para investigar Bardwell e recomendando “as sanções mais severas, devido à intolerância flagrante, que constitui uma grave ameaça para a administração da Justiça”. “Ele sabia que estava infringindo a lei, mas continuou a fazer isso”, disse Schwartzmann.

 

Matéria original

+ sobre o tema

Iniquidades raciais e as mudanças do clima

O verão brasileiro, embora conhecido pelas belíssimas praias, férias...

Conversas sobre o luto: quando uma mãe preta retorna ao mundo das encantadas

O encantamento é uma das principais heranças deixadas por...

E assim vamos nós, lutando pela existência de nossas gerações

Vamos que vamos! Frase muito usada por quem sonha...

Ser menina na escola: estamos atentos às violências de gênero?

Apesar de toda a luta feminista, leis de proteção...

para lembrar

Justiça nega habeas corpus, e PMs suspeitos de matar motoboy em SP permanecerão presos

A Justiça paulista negou habeas corpus para revogar...

A rede sueca H&M é acusada de racismo após anúncio com menino negro

A rede de fast fashion sueca H&M se envolveu...

Cagliari é multado por gritos de torcedores racistas contra Eto’o

ROMA - O Cagliari foi multado nesta terça-feira...

EUA: todos os jogadores de Futebol Americano admitem terem sofrido racismo

Uma pesquisa com os jogadores de Liga Nacional de...
spot_imgspot_img

Quanto custa a dignidade humana de vítimas em casos de racismo?

Quanto custa a dignidade de uma pessoa? E se essa pessoa for uma mulher jovem? E se for uma mulher idosa com 85 anos...

Unicamp abre grupo de trabalho para criar serviço de acolher e tratar sobre denúncias de racismo

A Unicamp abriu um grupo de trabalho que será responsável por criar um serviço para acolher e fazer tratativas institucionais sobre denúncias de racismo. A equipe...

Peraí, meu rei! Antirracismo também tem limite.

Vídeos de um comediante branco que fortalecem o desvalor humano e o achincalhamento da dignidade de pessoas historicamente discriminadas, violentadas e mortas, foram suspensos...
-+=