Justiça define indenização de R$ 90 mil a funcionário vítima de homofobia

Vítima diz que era alvo de piadas de funcionários, gestores e até diretores.
Decisão condena unidade da Ericsson em São José dos Campos.

A Justiça condenou uma multinacional de  São José dos Campos a pagar indenização por danos morais de R$ 90 mil a um ex-funcionário que foi vítima de homofobia na empresa. Ainda cabe recurso da decisão da juíza Maria da Graça Bonança Barbosa, da 5ª Vara do Trabalho de São José dos Campos. A sentença foi publicada no último dia 28.

A ação foi movida pelo técnico em eletrônica Maximiliano Neves Galvão, de 31 anos, que diz ter sido vítima de piadas durante os quatro anos em que trabalhou na unidade local da Ericsson. “Tudo que eu passei dentro da empresa foi provado pela Justiça. A vitória não é pelo ponto financeiro, mas pela discriminação que sofri na empresa. Eu me senti humilhado e essa decisão mostra que a ética e a moral prevaleceram”, afirmou ao G1.

Ele disse que foi perseguido e humilhado por colegas de trabalho, gerentes e até diretores. Segundo ele, a situação persistiu até ser demitido em junho de 2013 mesmo tendo procurado ajuda dentro da empresa.

“Fui demitido porque pedi respeito? Fiquei indignado. Durante o período em que trabalhei lá e fui vítima das piadas, perdi a vontade de trabalhar mesmo gostando muito da empresa. O prazer se tornou obrigação, medo, receio, e o assédio moral foi só aumentando. Ser chamado de ‘viado’, qualquer um se sente mal”, disse.

No processo, a juíza considerou que, mesmo com as reclamações da vítima ao setor de Recursos Humanos, a empresa foi negligente com a situação. “A questão é que não se pode chamar de “brincadeiras” atos e comportamentos de funcionários, chefes e supervisores, que se divertiam à custa da opção sexual do requerente. O fato narrado (…) demonstra aos olhos desse juízo que a empresa foi negligente em tolerar e mesmo ignorar a situação de constrangimento a que estava exposto o Recte em seu ambiente de trabalho”, diz trecho da decisão.

“Todos esses elementos são mais que suficientes, no entender desse juízo, para demonstrar que o Recte foi vítima de assédio moral em razão de sua opção sexual, tanto por parte de funcionários como de superiores hierárquicos, sem que a Recda tomasse qualquer atitude para sanear o ambiente de trabalho”, diz outro trecho da sentença.

O técnico em eletrônica, que está desempregado desde que foi despedido da empresa há quase um ano, espera que a decisão sirva de exemplo tanto para as pessoas que são vítimas de homofobia e temem reclamar quanto para as empresas. “Muita gente sofre como eu sofri e não tem coragem de falar, mas é bom também para que as empresas avaliem melhor os empregados que selecionam. Gerentes, diretores têm que ter boa conduta e respeito. Espero que essa decisão sirva de exemplo para as empresas e aos empregados”, afirmou. A Ericsson foi procurada, mas não retornou até a publicação da reportagem.

Outro lado
A Ericsson informou que não comenta processos jurídicos em andamento, mas afirmou que defende a igualdade e respeito a todos os funcionários – independente da opção sexual – de acordo com o código de ética da empresa.

 

 

Fonte: G1

+ sobre o tema

Homofobia na UFCA e o ódio o feminino – Por Jarid Arraes

Discursos de ódio e casos de racismo, homofobia e...

Michael Sam se torna o primeiro jogador homossexual da NFL

CRISTINA F. PEREDA O jogador do Missouri foi selecionado na...

Revoluções sexuais e novos desafios

Quem busca parceiros sexuais em aplicativos de celular tem...

Ministério Público de PE promove Encontros de Direitos Homoafetivos

A Comissão de Direitos Homoafetivos e a Promotoria de...

para lembrar

Por quê criminalizar a Homofobia?

A maioria dos brasileiros assiste passivamente cenas diárias de...

Na abertura da Copa, pais ensinam filhos a xingar croata de ‘viadinho’

Eu não fui à Arena Corinthians na abertura da...

Héteros fazendo papel de gays são mais frequentes que gays interpretando héteros

De Daniel Day Lewis a Oscar Magrini, muitos atores...

Preconceito e assassinatos: A cada hora, um gay sofre violência no Brasil; denúncias crescem 460%.

Neste ano, em um levantamento até outubro, os episódios...
spot_imgspot_img

PM que agrediu mulher no Metrô disse que ela tinha de apanhar como homem, afirma advogada

A operadora de telemarketing Tauane de Mello Queiroz, 26, que foi agredida por um policial militar com um tapa no rosto na estação da Luz do Metrô de São...

Comitê irá monitorar políticas contra violências a pessoas LGBTQIA+

O Brasil tem, a partir desta sexta-feira (5), um Comitê de Monitoramento da Estratégia Nacional de Enfrentamento à Violência contra Pessoas LGBTQIA+, sigla para...

Homofobia em padaria: Polícia investiga preconceito ocorrido no centro de São Paulo

Nas redes sociais, viralizou um vídeo que registra uma confusão em uma padaria, no centro de São Paulo. Uma mulher grita ofensas homofóbicas e...
-+=