Justiça dos Estados diz que cotas são legais

– Fonte: Írohín Jornal Online –


RIO – Um levantamento em oito Estados onde universidades públicas adotam cotas mostra que, na maioria dos casos, o Judiciário tendeu a rejeitar contestações de não-cotistas e considerou o sistema constitucional. Diferentemente do Tribunal de Justiça do Rio – onde desembargadores, semana passada, deram liminar contra a reserva de vagas a pobres e afrodescendentes, mas ainda julgarão o mérito da ação -, magistrados da Bahia, Pernambuco, Alagoas, Amazonas, Minas Gerais e Paraná raramente tomaram decisões semelhantes. A exceção é o Rio Grande do Sul, onde o critério de renda tem dado vitórias a opositores da “discriminação positiva”. Não há ações em São Paulo.

“A situação do Rio de Janeiro é única. Em todos os outros Estados os tribunais não estão interferindo nas políticas de inclusão. Até porque aguardam o posicionamento do Supremo Tribunal Federal (STF)”, afirma o advogado Renato Ferreira, pesquisador do Laboratório de Políticas Públicas da Universidade do Rio de Janeiro (Uerj). Hoje, diz, 82 universidades em 23 Estados adotam algum tipo de política inclusiva. Dessas, 35 têm o sistema de cotas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

 

Matéria original: Justiça dos Estados diz que cotas são legais

+ sobre o tema

Adriano Diogo: Pena de morte para jovens negros e pobres já está em vigor

por Conceição Lemes O deputado estadual Adriano Diogo (PT-SP) é...

Prefeito assina decreto concedendo cotas de 30% para negros

Quissamã – assina decreto concedendo cotas de 30% para...

Professor que comparou cerveja escura a mulher negra se torna réu por racismo

Para Justiça Federal, a declaração do professor sugere desprezo...

para lembrar

Outdoor que expõe racistas: um bronze que vale ouro

Os racistas que se escondem atrás dos teclados foram...

Casal brasileiro está entre os negros mais influentes do mundo pela 2ª vez

Depois de Lázaro Ramos, Tais Araújo e Adriana Barbosa,...

Carlos Alfredo Hasenbalg: Nota de falecimento

É com muito pesar que comunicamos o falecimento do...
spot_imgspot_img

Como as mexicanas descriminalizaram o aborto

Em junho de 2004, María, uma jovem surda-muda de 19 anos, foi estuprada pelo tio em Oaxaca, no México, e engravidou. Ela decidiu interromper...

Como o diabo gosta

Um retrocesso civilizatório, uma violência contra as mulheres e uma demonstração explícita do perigo que é misturar política com fundamentalismo religioso. O projeto de lei...

Homens, o tema do aborto também é nossa responsabilidade: precisamos agir

Nesta semana, a escritora Juliana Monteiro postou em suas redes sociais um trecho de uma conversa com um homem sobre o aborto. Reproduzo aqui: - Se liberar o...
-+=