A Justiça e a invisibilidade das pessoas que fizeram piada com uma tragédia no Nordeste

A Justiça Federal do Ceará acatou um pedido do MP para quebrar o sigilo de seis internautas que conseguiram fazer piada com um acidente de ônibus no Ceará, no dia 18, que deixou, até o momento, 18 mortos. O estado em que estavam os corpos dificultou a identificação.

A determinação foi rápida. O Ministério Público coletou dezenas de comentários — dezenas — que podem ser enquadrados como crime de racismo, que prevê de dois a cinco anos de prisão.

(É preciso lembrar que não há ninguém preso por racismo no Brasil, o que não tira o mérito da decisão).

Comentaristas de grandes portais costumam se dividir, basicamente, em três grupos: os intolerantes; os burros; e os que culpam o PT por todos os problemas do universo, da morte de Elvis Presley à falta de água em Marte. Em comum, o ódio.

O G1, entre outros, deu a notícia. Não por acaso, foi ali que a maioria dos comentários surgiu. Coisas do tipo:

. “A notícia boa é que esse povo não virá poluir meu RS.”

. “Não sabia que existia ônibus no Ceará kkk.”

. “Com todo o respeito… 20 eleitores do PT a menos.”

. “Nada de valor foi perdido”

. “Será que o acidente poderia ter sido evitado se as pessoas  (cearenses) tivessem sentados um de cada lado? Vai ver o peso da cabeça chata fez o ônibus tombar… eu tinha 2Kg de mandioca para dar a esse povo… o que eu faço agora?”

Há um consenso entre psicólogos de que qualquer pessoa pode virar um monstro na internet. Inclusive seu vizinho gente fina que leva os filhos para a escola às 6 da manhã.

O anonimato torna tudo possível. Só psicóticos dizem num bar que estão contentes com a morte de crianças. No mundo virtual, a sensação de estar sozinho e protegido faz com que a doença aflore.

Platão conta a história do anel de Giges, que deixava seu dono, um pastor, invisível. Uma parábola da impunidade. Com ele, Giges rouba, mata o rei e sobe ao trono. Quem não faria isso, sabendo que era invisível e não seria pego, pergunta Platão.

Tirar a invisibilidade de quem viu graça em nordestinos mortos num acidente rodoviário é um avanço.

fonte:DCM

+ sobre o tema

Leonardo Boff: Dez lições da crise brasileira

Toda crise acrisola, purifica e faz madurar. Que lições...

Degola, linchamento e cassação: gente negra pode mesmo eleger e ser eleita?

Imagina se uma vereadora negra de Catanduva (SP) e...

A “selfie” de Obama e o jornalismo apressado

O presidente dos EUA não foi insensível e sua...

Abolicionismo do século 21

Por: Edson França Completamos no dia 13 de...

para lembrar

Justiça manda quebrar sigilo de internautas por comentários racistas

Internautas fizeram comentários em matérias jornalística de acidente no...

Em nome dos nordestinos, Urariano responde aos preconceituosos

Lula publicou uma nota sobre o preconceito  que está sendo disseminado contra os...

18 anos de impunidade: a seletividade penal na Justiça brasileira

Família de Sebastião Camargo, trabalhador sem terra assassinado em...

Homem é condenado pelo crime de racismo contra negros, judeus e nordestinos

no TV Justiça Homem é condenado pelo crime de racismo contra...

Mirtes de Souza, mãe de Miguel: “Se fosse ao contrário, com certeza eu estaria presa desde o primeiro dia”

Condenada a 8 anos e 6 meses de prisão pela morte de Miguel Otávio de Santana, que, com 5 anos à época, caiu da cobertura do...

1 ano sem Miguel: Coalizão Negra por Direitos convoca atos por justiça e em memória ao menino

Entre os dias 30 de maio e 05 de junho de 2021 acontece a Semana Internacional Menino Miguel, uma série de atividades realizadas no...

‘Meu Corpo Não é Público’ propõe campanha colaborativa contra assédio nos transportes; baixe cartazes

Após uma mulher ser abusada dentro de um ônibus e a justiça julgar que não havia nada de errado nisso (2017 sempre nos surpreendendo!),...
-+=