sexta-feira, janeiro 27, 2023
InícioÁreas de AtuaçãoDireitos HumanosJustiça interdita 14 prisões de regime semiaberto no Rio Grande do Sul

Justiça interdita 14 prisões de regime semiaberto no Rio Grande do Sul

Fonte:UOL

 

 

 

A partir desta terça-feira (1º), 14 prisões de regime semiaberto do Rio Grande do Sul não poderão mais receber detentos por causa da superlotação de suas galerias. A decisão foi tomada pelo juiz Sidinei Brzuska, da Vara de Execuções Criminais de Porto Alegre. Por tempo indeterminado, nenhum preso poderá dar entrada nas cadeias interditadas.

 

 

Os presídios e albergues estão localizados na região metropolitana de Porto Alegre – oito deles são na capital e outros seis na cidade de Novo Hamburgo. Na prática, a interdição significa 2 mil vagas a menos num sistema que tem um déficit calculado em 10 mil vagas. Só poderão ingressar nas prisões interditadas os apenados que estiverem progredindo do regime fechado para o semiaberto.

 

“A interdição é do tamanho do problema gerado pela inércia do Estado”, criticou Brzuska no seu despacho. Ele justificou a decisão dizendo que o Estado não consegue atender a demanda das decisões judiciais sobre a progressão de presos condenados.

 

 

Brzuska informou que há cerca de mil apenados no regime fechado a espera de uma vaga no sistema semiaberto. “Quando as decisões judiciais começam a ser descumpridas, se volta à épocas das cavernas, da barbárie”, disse o juiz. Ele também determinou a intimação do superintendente da Susepe, órgão que administra os presídios do Estado, Mário Santa Maria Júnior.

 

 

Em fevereiro, a 7ª Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre determinou que o Estado deveria criar 3.892 vagas no sistema prisional – 550 delas no regime semiaberto. A ação, proposta pelo Ministério Público, prevê multa de R$ 10 mil diários em caso de descumprimento. O caso está em análise no Tribunal de Justiça do Estado, já que o Estado recorreu da sentença.

 

 

No início de novembro, a Justiça já havia interditado um dos pavilhões do Presídio Central de Porto Alegre – o maior do país. A decisão foi tomada porque a cadeia atingiu a marca de 5 mil presos para uma capacidade de 1,6 mil.

 

 

O pedido de interdição dos presídios gaúchos foi feito pelos promotores de Justiça Gilmar Bortolotto, Luciano Pretto e Sandra Goldman Rowel, da Comissão de Execução Criminal do MInistério Público de Porto Alegre. Bortolotto esclareceu que a decisão não significa a libertação de presos, que podem ser remanejados para outras regiões do Estado.

 

 

A secretaria de Segurança do Estado disse que vai tomar providências para minimizar o problema e levantar a interdição em prazo curto de tempo. A Superintendência de Serviços Penitenciários (Susepe), que administra as prisões do Estado, informou que obras em sete complexos prisionais devem gerar mais de 500 vagas até o final de 2010 no Rio Grande do Sul.

 

 

Matéria Original:

Artigos Relacionados
-+=
PortugueseEnglishSpanishGermanFrench