Látex NÃO!

[Movimento Primavera Feminista] [Látex Não]

Por Rafuska Q, começou essa petição para Movimento Primavera Feminista. Do AVAAZ

(Foto: Imagem retirada do site AVAAZ)

O movimento primavera feminista começou em 2017 para dar visibilidade a uma pauta feminina pouco explorada. Os preservativos vaginais, usados tanto por mulheres cis e homens trans. Na prática, gays, travestis e mulheres trans também usam essa ferramenta de proteção à contracepção e IST’s e Hiv, mas nosso foco inicial são as mulheres cis, as que mais utilizam esse insumo na prática.

Há muitas barreiras a serem derrubadas com relação ao uso do preservativo vaginal. Entre elas estão a falta de conhecimento sobre o próprio corpo, vergonha e culpa no expressar livremente de sua sexualidade, falta de conhecimento sobre o preservativo em si.

Todos esses aspectos já tornavam a ampla utilização desse método, um desafio, mas em 2017, já no início do desmonte das políticas de direitos sexuais e reprodutivos no SUS, um golpe nos atingiu em cheio.

O ministério da saúde lança um edital para compra de preservativos vaginais que coloca o látex como possibilidade de material a ser utilizado na composição das camisinhas. O látex já configurava em outras licitações, o diferencial é que dessa vez o único critério resolutivo para a compra, passa a ser preço. Levando em consideração que o material em látex é infinitamente mais barato, não tem nem o que discutir. A partir dessa licitação, o látex passaria a ser a matéria prima dos preservativos vaginais distribuídos pelo SUS.

Assine a petição Aqui

E porque látex não ?

O látex é muito mais espesso do que os outros produtos utilizados na confecção do preservativo, o que diminui a sensibilidade da mulher.

O látex é um material extremamente alergênico que pode causar prurido e reações alérgicas. A camisinha vaginal pode ser colocada até oito horas antes da relação sexual, a camisinha de látex impossibilita isso.

O látex é inadequado para se utilizar internamente.

A mudança da qualidade do preservativo interno que está sendo atualmente distribuído na rede pública nacional já está gerando uma grave redução a adesão ao uso desse preservativo, além de estar trazendo desvantagens a saúde da mulher e seu direito a prevenção segura e prazerosa.

A troca de materiais impactou diretamente no cuidado das populações que se utilizam desse tipo de preservativo, impactando no cuidado e tornando -as mais vulneráveis as IST’s, HIV e Hepatites Virais, o que seguramente pode levar ao aumento dos casos de infecção de IST’s, HIV e Hepatites Virais onerando custos maiores, como o tratamento de infecções e agravos.

Ao sabermos disso, iniciamos uma grande mobilização que resultou em uma série de ações, incluindo a criação de um abaixo- assinado que atingiu cerca de mil assinaturas em curto espaço de tempo.

Fizemos algumas intervenções em eventos e criamos um manifesto. Participamos ainda de uma audiência pública onde expusemos todos os nossos desconfortos.

O Ministério da Saúde através do extinto DIAHV através da Dra Adele, demonstrou imensa sensibilidade. A licitação saiu e o látex não fui incluído.
A licitação foi concluída e o resultado foi satisfatório para nós mulheres e homens trans. No entanto, muito tempo depois, ficamos sabendo, que assim que a sociedade civil se desmobilizou, o ministério da saúde cancelou a licitação pelas nossas costas e abriu uma nova, onde não só o látex estava incluido, como o único critério de seleção seria o preço (como dissemos anteriomente, o látex é a matéria prima mais barata, portanto esse sendo o critério, necessariamente a empresa que ofereceu látex, foi a empresa vencedora).

Apenas uma pequena porcentagem de preservativos antialergicos foram comprados.

A propria embalagem do preservativo vaginal de latex ofertada no momento, vem com os dizeres: Pode causar alergia

Se já era difícil ampliar o uso do preservativo vaginal por questões culturais, imaginem agora, que o produto nem salutar é.

Inúmeras organizações da sociedade civil tem apontado uma queda significativa no uso do insumo, depois da mudança.

O produto, ofertado por uma empresa indiana, não apenas é feito em látex, mas também tem um formato antiergonomico (hexagonal ao invés de circular, o que causa desconforto e elimina a possibilidade de se obter prazer com o atrito do anel circular). Tem uma esponja dentro, que além de antiestetica, dificulta a colocacao interna do produto.

Quando nos posicionamos contra o produto de latex, nao imaginamos que alem da matéria prima (latex), o insumo enfrentaria tanto retrocesso na sua qualidade.

Estamos indignadas e preocupadas com o futuro da nossa saude sexual.

Rejeitamos o latex veementemente e pedimos que o ministerio da saude finalmente ouca a sociedade civil e pare de desperdiçar dinheiro publico em insumos de pessima qualidade, que não cumprem os requisitos minimos de saúde e conforto que tanto necessitamos.

Nós estamos aqui falando de vida, de autonomia sobre nossos corpos.

Estamos falando sobre respeito, cuidado, amor e prazer.

Quem nos escuta? Cadê as nossas vozes? Saúde não diz respeito apenas a sobrevivência, mas sobre respeitar, florescer, frutificar e amar.

Por isso, estamos aqui para reivindicar a supressão da aquisição de preservativos vaginais feitos de borracha natural (látex) e para apoiar a decisão do diretor do …. , Gérson, que prometeu em recente encontro com a sociedade civil que o depto se comprometeria a não mais adquirir preservativos internos de látex .

Todxs vocês, juntem‐se a nós, látex não!

Movimento Primavera Feminista – 2019

#LatexNao #PreservativoInterno #CamisinhaInterna

Apoie nosso manifesto, aderindo no link abaixo 👇🏾
https://www.facebook.com/110707913592635/posts/127439521919474?sfns=mo

Denúncias públicas sobre a mudança de preservativo
https://www.facebook.com/144113289020420/posts/2368157159949344?sfns=mo

https://www.facebook.com/100000199965889/posts/2989783057704997/

Ativistas fazem manifesto anti-látex e diretor se compromete a não recomprar látex

Ativistas denunciam desmonte da política de aids em abertura do 8º Encontro da RNP+Brasil, em São Paulo

Petição Anterior: https://secure.avaaz.org/po/petition/Mulheres_Camisinha_vaginal_de_latex_nao/?pCJlab&utm_source=sharetools&utm_medium=facebook&utm_campaign=petition-449798-Mulheres_Camisinha_vaginal_de_latex_nao&utm_term=gEycbb%2Bpo
Perição anterior:

+ sobre o tema

Delegado libera homem que queimou rosto da esposa: “legítima defesa”

Delegado libera homem que queimou rosto da esposa com...

O que fala esse corpo de mulher? Sexismo, (in)correção política e Gisele Hope

Quando alguns personagens participam de determinadas discussões, inevitavelmente são...

Papa Francisco autoriza sacerdotes a perdoar mulheres que fizeram aborto

Pontífice determina que perdão seja dado durante o Ano...

Por um mundo mais feminino

Há algum tempo, bombou na internet um teste que...

para lembrar

Michaëlle Jean

Michaëlle Jean, condecorada com a Ordem do Canadá, Ordem...

Brasileiras são as que mais sentem culpa por não amamentarem os filhos

Pesquisa feita com mais de 13 mil mulheres em...

De Jean Wyllys a Marina: “Você mentiu a todos nós”

O deputado Jean Wyllys (Psol-RJ) reagiu, indignado, ao recuo...

80 anos desde que Billie Holiday chocou os EUA com sua interpretação da canção ‘Strange Fruit’

"Você consegue imaginar nunca ter ouvido essa música antes...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=