Lélia Gonzalez, onipresente

Para entender e desconstruir o lugar do negro na sociedade brasileira, Lélia Gonzalez (Belo Horizonte, 1935-1994) esteve em todos os lugares. Filha de pais pobres, um operário negro e uma empregada doméstica descendente de indígenas, teve a oportunidade de estudar e se formou historiadora e filósofa. Já “perfeitamente embranquecida, dentro do sistema”, encontrou no mundo acadêmico contradições e barreiras sociais que a levaram para a militância no feminismo e no movimento negro. Lançou mão da psicanálise ao candomblé para explicar a cultura brasileira. Foi intelectual, ativista e política: participou da formação do PT, foi do PDT, atuou nas discussões sobre a Constituição de 1988 e integrou o primeiro Conselho Nacional dos Direitos da Mulher, na mesma década. Correu o mundo e, ao representar o Brasil em debates sobre as condições de exploração e opressão dos negros e das mulheres em eventos nos Estados Unidos, na África e na América Latina, conjugou experiências e criou um marco conceitual para a compreensão da identidade brasileira e de seus irmãos de continente: a amefricanidade.

“Por que vocês precisam buscar uma referência nos Estados Unidos? Eu aprendo mais com Lélia Gonzalez do que vocês comigo”, resumiu Angela Davis, ícone do feminismo negro norte-americano, ao visitar o Brasil em 2019, num indicativo de que os brasileiros precisam reconhecer mais a sua própria pensadora, uma das pioneiras nas discussões sobre a relação entre gênero, classe e raça no mundo.

Por todos os lugares —sociais e geográficos— onde esteve em seus 59 anos de vida, Lélia Gonzalez deixou uma produção intelectual intensa e original, que mistura saberes e vivências de diversas áreas e marcou uma geração de militantes negras. A abrangência e a atualidade de seu pensamento podem ser vistas na coletânea Por um feminismo afro-latino-americano, lançada nesta segunda-feira pela editora Zahar. A obra reúne textos de 1975 a 1994, período que compreendeu o fortalecimento de movimentos sociais e a redemocratização, processos dos quais Gonzalez participou ativamente. Abrange ensaios acadêmicos, artigos para a grande imprensa e jornais alternativos, entrevistas e registros de palestras em diversos congressos internacionais —ela dominava o inglês, o francês e o espanhol.

Continue lendo aqui

+ sobre o tema

‘Fingi que era homem para poder trabalhar – até ser acusada de estupro’

Pili Hussein queria fazer fortuna procurando uma pedra preciosa...

Marcela Bonfim: “Não me reconhecia como negra”

A mostra que seria exibida durante o período de...

Talita Avelino retrata a coragem da mulher negra em “Rio Vermelho

Talita Avelino retrata a coragem da mulher negra em...

para lembrar

Lélia Gonzalez: Mulher Negra na História do Brasil

Neste ano de 2009, já contamos 15 anos que...

Lélia Gonzalez

Fato da maior importância (comumente “esquecido” pelo próprio Movimento...

Veja lista de organizações habilitadas no Prêmio Lélia Gonzalez

Veja lista de organizações habilitadas no Prêmio Lélia Gonzalez. A...

Intelectuais negros estão fora da bibliografia, criticam especialistas

Abdias Nascimento, Clóvis Moura, Lélia Gonzalez, Beatriz Nascimento, Jurema...
spot_imgspot_img

‘Lugar de Negro’ mudou toda a maneira como se estuda racismo no Brasil

Depois de quatro décadas de sua primeira publicação, o livro "Lugar de Negro", escrito pela antropóloga Lélia Gonzalez e pelo sociólogo Carlos Hasenbalg, é reeditado. Originalmente, a obra...

Lista: as seis mulheres reunidas na série ‘Filósofas brasileiras’

No imaginário popular, não é raro que a primeira imagem associada a um filósofo seja a de um homem branco de barbas brancas, com...

Lista: as seis mulheres reunidas na série ‘Filósofas brasileiras’

No imaginário popular, não é raro que a primeira imagem associada a um filósofo seja a de um homem branco de barbas brancas, com...
-+=