A literatura engajada do Nobel de Literatura Wole Soyinka

Por: Nahima Maciel

Wole Soyinka foi o primeiro e único africano negro a ganhar o Prêmio Nobel de Literatura. Aconteceu em 1986, e somente em 1986. Desde então, não houve outro representante da literatura da África Negra na lista de laureados. Até hoje, Soyinka acredita que o prêmio foi mais importante para o resto do mundo do que para ele mesmo. Poeta, dramaturgo, militante e ex-guerrilheiro, o autor é conhecido como ativista político engajado em causas humanitárias e históricas. Soyinka lutou durante a guerra civil que sucedeu a independência da Nigéria, viu desfilar inúmeros governos militares, foi preso e nunca deixou da transportar para seus escritos, especialmente as peças de teatro, situações políticas relativas à história da terra natal.

Soyinka vai precisar contar tudo isso aos brasilienses em abril. O autor é um dos convidados da 1ª Bienal Brasil do Livro e da Leitura, de 14 a 23 de abril, e nunca foi traduzido por aqui. A Nigéria é berço de alguns dos melhores autores da África negra de língua inglesa. Pátria de Chimamanda Adichie e Chinua Achebe, ambos traduzidos para o português, produz uma literatura ancorada na tentativa de mesclar a tradição oral épica das grandes histórias africanas à narrativa contemporânea focada nos conflitos do continente nos séculos 20 e 21. Aos 78 anos, Soyinka defende a autenticidade de uma literatura que nem sempre circula à vontade pelo planeta.

Fonte: Correio Braziliense

+ sobre o tema

A importância da democracia direta

A Suíça vive nos últimos tempos um novo...

Brasil tem novo Centro de Estudos Africanos

  O Centro terá como sede a Universidade Federal do...

10 ideias errôneas que temos sobre a África

Uma jornalista da Namíbia, Christine Vrey, estava revoltada com...

para lembrar

Nova onda de escritores africanos com olhar internacionalista

A escritora Chimamanda Ngozi Adichie com seu livro “Americanah” Neil...

Poesia de escritores africanos conquista público brasileiro

  A tese de doutoramento da brasileira Érica...

Wole Soyinka: “Precisamos ajudar o Boko Haram a se unir à congregação de fantasmas”

O escritor nigeriano, primeiro africano a ganhar um Prêmio...

Prêmio para literatura africana escrita em suaíli

Já comentei várias vezes os problemas da tradução e...
spot_imgspot_img

Literatura africana em sala de aula: uma proposta didática

A relação entre história e literatura vem de longa data. A narrativa literária é considerada uma das fontes de produção do conhecimento histórico sobre...

Wole Soyinka: ‘Quando entro em um museu europeu, quero roubar de volta o que me pertence’

Aos 88 anos, o dramaturgo, poeta e romancista nigeriano Wole Soyinka passou por 20 horas de voo para chegar anteontem de manhã ao Rio, saindo de...

Quem é Tierno Monénembo, escritor da Guiné que foi buscar sua ancestralidade na Bahia

O escritor Tierno Monénembo sente pelo Brasil “a mesma paixão devoradora e incontrolável que um homem sente por uma mulher”. Apaixonou-se ainda na juventude,...
-+=