Livro sobre espetáculo Cabaré da Raça é lançado

Cartão de visita da companhia negra de maior visibilidade nos palcos locais e uma das mais importantes do país, o Cabaré da rrrrraça é a fonte de inspiração do novo livro do jornalista e escritor Marcos Uzel, que lança nesta quarta-feira (29/8), às 19h, no Teatro Vila Velha, mais um documento de memória para o teatro baiano: Guerreiras do Cabaré: A mulher negra no espetáculo do Bando de Teatro Olodum (Edufba/208 páginas).

Fenômeno de popularidade na cena teatral de Salvador, o espetáculo Cabaré da rrrrraça, do Bando de Teatro Olodum, completa neste mês de agosto 15 anos em cartaz. Nunca antes na história do teatro na Bahia uma peça encenada exclusivamente por artistas negros fez tanto sucesso e permaneceu tanto tempo em cartaz.

O livro é uma extensão das experiências acumuladas pelo autor nos últimos 20 anos, dentro e fora da academia, nas inserções pelo campo da pesquisa e do exercício jornalístico como repórter de cultura e crítico teatral.

Em 2003, Uzel publicou O teatro do Bando: negro, baiano e popular, um conjunto de reportagens de conteúdo biográfico que documentou a atuação do Bando de Teatro Olodum entre 1990 e 2002.

Com esta nova publicação, ele dá continuidade ao seu projeto Trilogia do Bando, que deve gerar ainda uma terceira publicação que atualize a biografia da companhia baiana.

A temática abordada por Uzel em Guerreiras do Cabaré evidencia uma reflexão sintonizada com a atualidade de um mundo no qual crimes de racismo ainda são praticados cotidianamente e onde os aspectos de gênero da discriminação racial e os aspectos raciais da discriminação de gênero não foram totalmente apreendidos nos discursos pelos direitos humanos.

“Na hierarquia dos dispositivos de exclusão social, as mulheres negras continuam no fim da fila, atrás do homem branco, da mulher branca e do homem negro”, enfatiza o autor, que assistiu a mais de 30 apresentações do Cabaré da rrrrraça para escrever este livro, resultado da sua dissertação de mestrado no Programa Multidisciplinar de Pós-Graduação em Cultura e Sociedade da UFBA.

O principal estímulo para a publicação foi a fartura de possibilidades de reflexão apresentadas pelas personagens femininas do espetáculo, dirigido por Marcio Meirelles.

A peça é impregnada de temas vinculados à questão racial, como identidade, relações inter-raciais, miscigenação, branqueamento, sexualidade e religião.

O livro também contextualiza a trajetória do Bando e enfatiza os seus elos históricos com movimentos culturais e políticos, não só na Bahia, mas em outras partes do mundo, e reflete sobre alguns aspectos do teatro negro no Brasil.

 

 

Fonte: Tribunal da Bahia 

+ sobre o tema

Após alerta de risco de câncer, Coca pode mudar fórmula de corante

Pesquisa americana afirma que substância seria cancerígena.Fabricante diz que...

Negros têm acesso às universidades na velhice

Ministra revela que negros ainda sofrem discriminação no país D´Acelino...

para lembrar

Lei inclui ‘Afoxé Omo Oxum’ no calendário cultural de Sergipe

O ano de 2011 começou a todo vapor para...

Valdecir Nascimento: Carta manifesto de apoio a Valdecir Nascimento

Exmo.sr. Jaques Wagner Governador do Estado da Bahia Salvador/BA...

Heróis Negros – liderança e sabedoria

Por que os Heróis não são Heróis negros? Pergunta...
spot_imgspot_img

João Cândido e o silêncio da escola

João Cândido, o Almirante Negro, é um herói brasileiro. Nasceu no dia 24 de junho de 1880, Encruzilhada do Sul, Rio Grande do Sul....

Levantamento mostra que menos de 10% dos monumentos no Rio retratam pessoas negras

A escravidão foi abolida há 135 anos, mas seus efeitos ainda podem ser notados em um simples passeio pela cidade. Ajudam a explicar, por...

Racismo ainda marca vida de brasileiros

Uma mãe é questionada por uma criança por ser branca e ter um filho negro. Por conta da cor da pele, um homem foi...
-+=