Guest Post »

Lula é recebido com carinho no FSM realizado no Senegal

 

Em sua primeira viagem ao exterior desde que deixou o Palácio do Planalto, Luiz Inácio Lula da Silva foi recebido, neste domingo, com status privilegiado no evento em que foi ovacionado ao se despedir da Presidência da República, no ano passado. Durante sua estada em Dacar, Lula foi recebido pelo presidente do Senegal, Abdoulaye Wade, que exerce o cargo desde 2000. Nesta segunda-feira, Lula discursa à multidão aguardada no campus da universidade. O Fórum Social Mundial (FSM), a reunião anual dos ativistas antiglobalização, começou tendo como cenário os movimentos de contestação no mundo árabe, particularmente no Egito e na Tunísia, mas também no próprio Senegal, o país que o recebe.

A inauguração oficial desta décima primeira edição do FSM foi marcada por uma passeata de dez mil pessoas pelas ruas da capital senegalesa. Até 11 de fevereiro, milhares de participantes esperados estarão divididos por diversos locais, em particular a Ilha de Goré, símbolo do tráfico negreiro, para debater e propor alternativas para o capitalismo “em crise”, segundo eles.

Além do ex-presidente Lula, participam do Fórum o presidente boliviano Evo Morales, o venezuelano Hugo Chavez e a dirigente do Partido Socialista francês, Martine Aubry, entre outras personalidades. O encontro do FSM, realizado sempre logo depois do Fórum econômico mundial de Davos, se apresenta como contraponto à reunião da elite econômica e política, na exclusiva estação de esqui dos Alpes suíços.

O FSM foi criado em 2001 em Porto Alegre.

“A realização na África ilustra um dos maiores fracassos em três décadas de políticas neoliberais. Em reação, os movimentos sociais e os cidadãos do mundo se juntam aos povos africanos que se recusam a pagar o preço das crises atuais pelas quais não têm nenhuma responsabilidade”, diz a apresentação do FSM

O Senegal, país muçulmano que recebe o FSM é dirigido há onze anos por Abdulaye Wade, fervoroso partidário do liberalismo, e confrontado há meses com manifestações regulares e, às vezes, violentas de jovens. Desesperados, em meio ao desemprego e sem futuro, eles usam como pretexto os apagões recorrentes no país para protestar, a um ano da eleição presidencial, na qual Wade, 83 anos, pretende garantir um terceiro mandato.

Fonte: Correio do Brasil

Related posts