Lula se prepara para deixar o poder: “Eu vou voltar pro meio do povo”

Reportagem acompanha uma das últimas viagens de Lula como presidente

 

Enquanto se prepara para entregar a faixa presidencial a Dilma Rousseff, a ministra que ele indicou como candidata do PT à sua sucessão, no próximo dia 1° de janeiro, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva faz um balanço de seus oito anos no poder e diz que voltará a morar no mesmo local de onde saiu para se tornar o primeiro ex-operário a governar o país.

As declarações foram feitas em entrevista exclusiva concedida à repórter Adriana Araújo, que acompanhou o presidente de uma maneira inédita: foi a primeira vez que uma equipe de televisão viajou junto com a comitiva no avião presidencial. A equipe do programa Domingo Espetacular viajou com o presidente de Georgetown, capital da Guiana, ao Brasil, em um dos últimos compromissos dele fora do país antes do fim do mandato.

Na entrevista, que começou na capital da Guiana, o presidente Lula fez um balanço positivo do seu governo. Ainda no hotel, ele falou da emoção de ter sido eleito presidente da República e do seu primeiro encontro com os líderes mundiais e comentou a declaração de que ele era “o cara”, feita pelo presidente americano Barak Obama.

– Ele só disse que eu era o cara porque ele não conhecia o povo brasileiro, se ele conhecesse, ele diria: ele só é o cara porque tem aqui 190 milhões de caras.

Já no avião, apelidado de Aerolula, o presidente conta que está fazendo um regime para que, no dia da entrega do mandato, possa usar o mesmo terno que usou em sua posse, em 2003.

Lembrando as inúmeras vezes em que quebrou o protocolo e driblou os esquemas de segurança para atender pessoas que chamavam seu nome, o presidente diz que isso é uma característica sua e define seus planos para quando deixar o poder.

– Eu sei que eu dei problema pro meu pessoal de protocolo, eu sei que eu dei problema pro meu pessoal da segurança. Eles ficavam horrorizados quando eu terminava, saía do palanque e descia lá pra abraçar o povo. Eu sabia da onde eu tinha vindo, eu sabia da minha origem, e eu sabia pra onde eu vou voltar. Eu vou voltar pro meio desse povo, eu vou voltar a morar a 600 metros do sindicato que me criou na política

O presidente também reclamou das críticas que recebeu por ter gasto R$ 90 milhões na compra do avião, admitiu que é chorão, e se emocionou com o povo na parada feita em Manaus para inaugurar um conjunto habitacional. Sobre como se sente tão próximo da transição do governo, ele comemora.

– O coração tá bem, haverá uma alegria extraordinária a gente estar dando posse à primeira mulher presidente da república.

 

 

Fonte: R7

+ sobre o tema

É mito pensar que todos os pobres são empreendedores, diz ganhadora do Nobel de Economia

Uma das mais respeitadas economistas do mundo quando o...

Brasileiras reunidas para enfrentar a extrema direita

Muito se diz que organização de base e ocupação...

Datafolha: Maioria acha que faltam vereadores negros e mulheres

O número de mulheres e negros nas Câmaras Municipais ainda é considerado insuficiente...

para lembrar

Netinho justifica alto índice de rejeição em sabatina

Pré-candidato do PCdoB acredita que enfrenta antipatia de eleitores...

Babalawô Ivanir dos Santos é sondado para montar chapa ao Se

O telefone do professor da UFRJ Babalawô Ivanir dos...

Direitos da criadagem, essa afronta

Todo jornal tem seus compromissos de classe, mas não...

TRE do Piauí impugnou todas as candidaturas do PSOL e do PCO

PCO teve problemas na prestação de contas e PSOL...

5 dados que explicam por que arma de fogo virou crise de saúde pública nos EUA

A maioria dos americanos ou de seus familiares já viveram incidentes relacionados a violência armada. Este é um dos dados de um relatório inédito apresentado pela...

CONAQ: Nota de repúdio

CONAQ repudia matéria da revista Carta Capital intitulada “Quilombo paulista” por associar o modo de vida dos quilombolas a estereótipos negativos do povo negro A...

Ministra defende criação de marcos da cultura para evitar retrocessos

A ministra da Cultura, Margareth Menezes, defendeu, nesta quinta-feira (4), a institucionalização da cultura no país, para evitar retrocessos como em governos anteriores. Ao...
-+=