‘Macumber’: motorista do RJ viraliza ao fazer corridas para fiéis de religiões de matriz africana

Enviado por / FonteG1, por Por Cristina Boeckel

Edson Araújo ficou conhecido nas redes sociais como 'Macumber'. Atualmente, 70% dos trabalhos feitos pelo motorista são voltados para fiéis do Candomblé e da Umbanda.

O motorista de aplicativo Edson Araújo se destacou dos seus colegas oferecendo um serviço especializado no Rio de Janeiro: o transporte em segurança de fiéis de religiões de matriz africana. Ele viralizou nas redes sociais com um apelido: Macumber. A ideia surgiu a partir da própria experiência, quando recebia olhares atravessados ao ir para cerimônias.

“Assim que eu comecei a trabalhar em aplicativo, eu já senti o desejo de fechar este tipo de serviço. Porque eu mesmo já sofri formas de discriminação quando eu ia para algum lugar trajado com a roupa do Candomblé. Então pensei em criar um tipo de serviço onde as pessoas de religiões de matriz africana pudessem se sentir confortáveis e sem medo”,

No anúncio que fez sucesso nas redes sociais, ele explica o serviço: “Vai para saída de santo e não tem como voltar? Macumber é a solução”.

Um relatório da Comissão de Combate à Intolerância Religiosa mostra que as religiões de matrizes africanas foram as que mais sofreram ataques no ano passado no Rio. Das 47 denúncias identificadas pelo Observatório de Liberdade Religiosa, 43 foram contra as religiões de origem africana, o que representa mais de 91% dos casos.

Edson, de 36 anos, procurou o trabalho de motorista de aplicativo para ter uma renda há três meses, após ficar seis meses desempregado. Desde o começo, ele já pensou em oferecer o serviço voltado para pessoas da mesma religião que ele. Atualmente, 70% dos clientes são da Umbanda ou Candomblé.

O motorista faz questão de destacar que o ideal é a conscientização e o fim do preconceito contra os fiéis de religiões de origem africana, mas a ideia é oferecer tranquilidade.

“Como eu mesmo já sofri discriminação, o intuito é minimizar esse dano. A gente faz o possível”, disse o motorista.

Com alguns clientes mais frequentes, que usam o serviço toda semana, ele já fechou pacotes de transporte para festas e rituais.

Propaganda de Edson Macumber — Foto: Reprodução

Macumber

O apelido que viralizou veio a partir do sucesso da propaganda do serviço em grupos de redes sociais.

“Eu tive a ideia do serviço e postei em grupos de Facebook. Aí, uma participante de um grupo gostou e compartilhou em um grupo privado. Ela entrou em contato comigo, disse que adorou e que ela e as amigas me apelidaram de ‘Macumber’. Eu adorei e perguntei se podia utilizar e ela deixou”, contou.

A participante, no caso, não chegou a fechar um serviço com Edson, por ser de outro estado, mas marcou com o nome que usa na propaganda do trabalho.

Cuidados especiais

Edson explica que o serviço exige cuidados. Caso o contratante tenha que colocar uma oferenda, ele espera o fim do ritual, para ter certeza de que o cliente volte em segurança.

“Se tem que deixar algo na rua, eu vou e espero. Se tem que ir a uma cachoeira, eu vou e trago de volta”, explicou Edson.

O motorista conta que tenta cobrar um valor próximo ao dos aplicativos, mas leva em consideração o deslocamento até o passageiro, que é maior.

“A diferença para o aplicativo é essa: o motorista está ao redor da casa da pessoa. Eu calculo o meu custo de combustível, exorbitante do jeito que está, e de acordo com a pequena porcentagem do lucro, que é baixa”, disse motorista.

O cuidado também está em levar objetos delicados, sem o risco de danos.

“Tem coisas que tem que levar que são delicadas, como louças. Então é um trabalho delicado, eu procuro ir bem devagar, não passar pelos buracos. Eu procuro ter todo o cuidado, por mais que demore um pouco mais a corrida. Para que a pessoa e o que ela leve sigam em segurança. Eu tenho recebido um retorno bem positivo”, finalizou.

+ sobre o tema

20 de novembro: Marcha da Consciência Negra por nenhum direito a menos

XIII Marcha da Consciência Negra com concentração, ás 11...

Consciência Negra em estado de sítio? Que conversa é essa, tio?

A corneta da alvorada tocou cedo em meu bairro...

Marinha agride, intimida e ameaça comunidade quilombola na Bahia

OS POUCOS QUILÔMETROS que separam a guarita fortemente vigiada...

para lembrar

spot_imgspot_img

Na mira do ódio

A explosão dos casos de racismo religioso é mais um exemplo do quanto nossos mecanismos legais carecem de efetividade e de como é difícil nutrir valores...

Terreiro é invadido 10 vezes e babalorixá denuncia racismo religioso: ‘Fomos perseguidos’

Na reportagem especial deste domingo (22), o Fantástico mostrou que o Brasil tem se tornado mais intolerante quando o assunto é religião. Dados do governo registraram um aumento...

Rotas de Fuga para o Aquilombamento

Quando iniciei meu trabalho atual como fotógrafo negro e de pessoas pretas, pensava em como transmitir textualmente, sinteticamente, aquilo que eu queria passar sobre...
-+=