Mais de 70% dos jovens de 14 a 29 anos que abandonam a escola são pretos ou pardos

Enviado por / FonteCarta Capital

Mais de dez milhões de jovens de 14 a 29 anos não completaram alguma das etapas da educação básica, seja por abandono da escola, seja por nunca a terem frequentado.

Isso representa 20,2% das 50 milhões de pessoas na faixa etária. Desse total, 71,7% eram pretos ou pardos.

Os dados são da PNAD Contínua 2019, divulgado nesta quarta-feira 15, pelo IBGE. Pela primeira vez, a pesquisa divulga dados sobre abandono escolar.

A pesquisa evidenciou que o abandono escolar se acentua na fase de transição entre o Ensino Fundamental e o Ensino Médio, situação exposta pelo maior índice de abandono de acordo com a faixa etária relativa às etapas escolares.

Aos 14 anos, o percentual de estudantes fora da escola foi de 8,1%; aos 15 anos, de 14,1%, quase o dobro. O número é ainda maior a partir dos 16 anos, chegando a 18,0% aos 19 anos ou mais.

O estudo ainda identificou as principais razões para a evasão escolar. A necessidade de trabalhar aparece em primeiro lugar, com 39,1%. Depois vem a falta de interesse 29,2%. Entre as mulheres, destaca-se ainda gravidez (23,8%) e afazeres domésticos (11,5%).

O atraso ou abandono escolar atingia 12,5% dos adolescentes de 11 a 14 anos e 28,6% das pessoas de 15 a 17 anos. Entre os jovens de 18 a 24 anos, quase 75% estavam atrasados ou abandonaram os estudos, sendo que 11,0% estavam atrasados e 63,5% não frequentavam escola e não tinham concluído o ensino obrigatório.

Por outro lado, a taxa de frequência líquida das pessoas de 15 a 17 anos cresceu 2,1 p.p em relação a 2018, com mais de 70% dessa faixa etária na etapa escolar adequada.

Entre as pessoas de 15 a 17 anos de idade, ou seja, em idade escolar obrigatória, 78,8% se dedicavam exclusivamente ao estudo.

No entanto, considerando as 46,9 milhões de pessoas de 15 a 29 anos de idade, 22,1% não trabalhavam, não estudavam, nem se qualificavam, sendo que entre as mulheres esse percentual foi de 27,5% e entre pessoas pretas e pardas, 25,3%.

A pesquisa ainda mapeou o número de pessoas com 25 anos ou mais que não concluíram o Ensino Médio no País. Apesar da proporção de pessoas que concluíram a etapa da Educação Básica ter crescido – passando de 45,0% em 2016 para 47,4% em 2018 e 48,8% em 2019 -, mais de 69 milhões (51,2%) dos adultos não concluíram essa etapa educacional.

No Nordeste, três em cada cinco adultos (60,1%) não completaram o ensino médio. Entre as pessoas de cor branca, 57,0% tinham concluído esse nível no país, enquanto essa proporção foi de 41,8% entre pretos ou pardos.

+ sobre o tema

CEERT – Abertas inscrições para o 6º Prêmio Educar para a Igualdade

O prêmio é dividido em duas categorias: professor e...

Estude sua graduação no exterior – Nota da Educafro

POVO GUERREIRO! A nossa greve de fome em frente...

Câmara pode votar Plano Nacional de Educação em setembro

Os líderes de partidos na Câmara dos Deputados fizeram...

Primeira prova do Enem aborda racismo e sustentabilidade

Cerca de 280 mil estudantes do Paraná realizaram na...

para lembrar

Desemprego bate recorde em 20 estados brasileiros em 2020, diz IBGE

Os impactos negativos da pandemia do coronavírus sobre o...

Dobra percentual de pretos e pardos com ensino superior concluído, mostra IBGE

A população preta ou parda com ensino superior concluído...

Brasil tem 1,3 milhão de quilombolas em 1.696 municípios

A população quilombola do país é de 1.327.802 pessoas,...

IBGE: Salário de brancos é 80% maior que de pretos e pardos

Cor da pele gera diferença de R$ 1.199 no...
spot_imgspot_img

Taxa média de desemprego cai para 7,8% em 2023, ao menor patamar desde 2014, diz IBGE

A taxa de média de desemprego no Brasil foi de 7,8% em 2023, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua, divulgada nesta...

Favelas e Comunidades Urbanas: por que mudança feita pelo IBGE é importante

O IBGE decidiu substituir a designação "Aglomerados Subnormais", utilizada pelo instituto em seus censos e pesquisas desde 1991. A mudança é um pedido antigo...

Após 50 anos, IBGE volta a usar o termo favela no Censo

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) anunciou nesta terça-feira (23) que voltará a usar o termo "favelas e comunidades urbanas brasileiras" para se...
-+=