Mais de 90% dos participantes do Bolsa Família cumpriram frequência escolar

Acompanhamento dos estudantes beneficiários do programa revelou que o aproveitamento e frequência escolar segue em ascendência desde 2008

Por Redação

O Programa Bolsa Família, do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), acompanhou entre os meses de fevereiro e março 15,2 milhões de crianças e jovens com idade entre 6 e 17 anos e constatou que 14,7 milhões frequentaram o mínimo de aulas, o que significa uma representação de 96,8% do universo monitorado. O acompanhamento faz parte do Sistema Presença, do Ministério da Educação (MEC), que registra a presença dos beneficiários nas salas de aula.

De acordo com Juliana Agatte, assessora de Condicionalidades do MDS, os números são satisfatórios.  “O resultado foi positivo. Especialmente por ser relativo ao primeiro bimestre. Esse percentual foi o segundo melhor da trajetória histórica, considerando os meses de fevereiro e março, no período de 2008 a 2014”, disse Agatte.

Ainda de acordo com Agatte, os beneficiários do programa possuem as maiores taxas de aprovação e as menores de abandono, principalmente na região do nordeste. A assessora acredita que tal resultado deve-se “em grande parte ao empenho das gestões estaduais e municipais nesse acompanhamento das condicionalidades”.

O Censo Escolar da Educação Básica de 201 revela que no Ensino Médio os beneficiários do Bolsa Família possuem uma taxa de 79,9% de aprovação, enquanto a média nacional é de 75,2%. A taxa de abandono entre os estudantes do programa é de 7,1% e a nacional é de 10,8%. No Ensino Fundamental, a taxa de aprovação entre os beneficiários segue curva crescente: 80,5% em 2008 e, 83,9% em 2011. A taxa de abandono, em 2011, foi de 2,9% entre os beneficiários, enquanto a média nacional era de 3,2%.

A permanência dos filhos entre 6 e 17 ano na escola é cláusula condicionante para que as famílias recebam o Bolsa Família. Além disso, é necessário que os estudantes de 6 a 15 anos tenham uma frequência mensal mínima de 85% da carga horária. Alunos com 16 e 17 anos devem comparecer em 75% das aulas, no mínimo.

Juliana Agatte explica que a condicionalidade da educação objetiva a inclusão e a permanência na escola e que, quando se observa que o estudante apresenta baixa frequência, assistentes sociais entram em ação para “descobrir a causa que impediu o beneficiário de conseguir a frequência mínima”.

 Aqui você pode conferir o Acompanhamento de Condicionamento referente a março e fevereiro deste ano.

Fonte:  Revista Fórum 

+ sobre o tema

Saiba quem são os deputados que propuseram o PL da Gravidez Infantil  

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (12), a...

Com PL do aborto, instituições temem mais casos de gravidez em meninas

Entre 1º de janeiro e 13 de maio deste...

‘Criança não é mãe’: manifestantes em todo o Brasil protestam contra PL da Gravidez Infantil

Diversas cidades do país receberam na noite desta quinta-feira...

para lembrar

Sakamoto – Tirem o crucifixo do STF. O Cristo Redentor pode ficar

O Cristo Redentor completa 80 anos na próxima quarta...

LULA: Nada mais que a verdade

Por: Pedro Lima Lula, que não entende de sociologia,...

Barulho opositor não se traduz em proposta

 - 100 Dias de Obama - Desarticulado, Partido Republicano...

Proibição ao suicídio assistido é derrubada no Canadá

Medida entrará em vigor dentro de um ano No Jornal do...

É sórdido condenar vítima de estupro por aborto

É sórdido e apequena a política o Projeto de Lei que ameaça condenar por homicídio meninas, jovens e mulheres que interromperem gestações, ainda que...

Geledés repudia decisão da Câmara sobre aborto

Geledés – Instituto da Mulher Negra vem a público manifestar sua indignação e repúdio à decisão da Câmara dos Deputados, aprovada nesta terça-feira, 12,...

Mulheres vão às ruas contra PL que equipara aborto a homicídio; confira locais dos atos

Mulheres vão às ruas de diversas partes do país em protesto contra o avanço, na Câmara dos Deputados, do projeto de lei que equipara...
-+=