Mapa da Desigualdade expõe aumento expressivo de feminicídios em Guaianases

Enviado por / FonteMarie Claire

Distrito na zona Leste da capital paulista apresentou coeficiente mais alto para o crime de assassinato por motivação de gênero. Desigualdade em relação a outros bairros chega a ser de 42 vezes

Em São Paulo, o bairro em que uma mulher mora é determinante nas chances de ela ser vítima de feminicídio, o assassinato motivado por razões de gênero. De acordo com dados da edição 2021 do Mapa da Desigualdade, divulgado hoje, o distrito de Guaianases, na zona Leste da capital, é o que traz dados mais alarmantes sobre o crime.

O indicador é calculado com base no número total de mulheres vítimas de feminícidio para cada dez mil mulheres residentes do distrito entre 20 e 59 anos. Assim, o coeficiente para Guaianases ficou em 9,5. Enquanto em outros 65 distritos, mais centrais, foi de zero. 

A partir desses dados, é calculado o “desigualtômetro”, relação entre o maior e o menor número, que para o crime de feminicídio é alarmante: de 42 vezes (neste caso, é considerado o primeiro valor não-zerado para estabelecer matematicamente a relação). Ou seja, dentro da mesma cidade, algumas mulheres são 42 vezes mais vulneráveis a serem vítimas de feminicídio do que outras, a depender de onde moram.

Em relação aos dados de 2019, o índice mais do que dobrou. O aumento foi de 2,6 vezes, impulsionado justamente pelo aumento expressivo dos números em Guaianases. O levantamento leva em conta dados referentes a 2020 da Secretaria de Segurança Pública de São Paulo e da Seade (Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados).

O sociólogo Igor Pantoja, assessor de mobilização da Rede nossa São Paulo e um dos responsáveis pela pesquisa, explica que a violência é uma questão multidimensional e que, portanto, não possui uma única razão para existir.

Ele pondera que a concentração de feminicídios e violência doméstica em determinadas regiões deve-se fundamentalmente pela ausência de políticas públicas.

“Os índices de violências são maiores em regiões mais periféricas, o que tem a ver com a ausência de equipamentos públicos, de estruturas de garantias de direitos para essa população de modo mais geral. Tanto para evitar que o agressor faça isso, quanto para que a vítima consiga denunciar e que o próprio sistema de Justiça consiga corrigir esse problema.”

Já nos distritos centrais, Igor afirma que o elevado número de registros de violência pode ser explicada por uma maior presença de delegacias, o que facilitaria a denúncia.

E também considera a alta concentração de pessoas em condições de extrema vulnerabilidade, como aquelas em situação de rua ou mesmo moradores de cortiços, que são invisibilizadas pelo poder público

Distribuição geográfica de dados de femincídio segundo o Mapa da Desigualdade 2021 (Foto: Divulgação)

Realizado desde 2012 e divulgado anualmente pela Rede Nossa São Paulo, o Mapa da Desigualdade reúne dados públicos e oficiais sobre os 96 distritos a fim de identificar prioridades e necessidades da população e fomentar a criação de políticas públicas. O assunto, diz a publicação, torna-se mais urgente por a pandemia de covid-19 ter acentuado desigualdades estruturantes, como em outras crises, reforçando custos ambientais, sociais e econômicos.

A edição deste ano conta com indicadores dos seguintes temas: população; meio ambiente; mobilidade; direitos humanos; habitação; saúde; educação; cultura; esporte; trabalho e renda; e infraestrutura. Foram incluídas, ainda, agressões por intervenção policial e mortes por intervenção policial. 

Já o mapa de violência contra a mulher considera tipificações da Lei Maria da Penha (violência física, psicológica, moral, sexual e patrimonial) e o local de ocorrência do crime. A partir dessa categorização, é calculado o coeficiente de mulheres vítimas de violência para cada dez mil residentes de 20 a 59 anos por distrito.

Nesse caso, o melhor valor, de 49,4, foi identificado na Vila Formosa, na Zona Leste da capital. Já o pior, é o da Sé, no centro, de 750,5. Assim, o cálculo do “desigualtômetro” ficou em 15 vezes. 

O “desigualtômetro” é ainda maior quando se consideram os crimes de violência racial (57 vezes) e LGBTQIAP+ (56 vezes).

Distribuição geográfica de dados de violência contra a mulher segundo o Mapa da Desigualdade 2021 (Foto: Divulgação)





+ sobre o tema

E as mulheres nas letras do gangsta rap?

Moro no litoral norte e, recentemente, mulheres de Ubatuba...

Alunos de escola de Porto Alegre fazem protesto após denúncias de assédios sofridos por alunas

Estudantes do Colégio Estadual Júlio de Castilhos, conhecido como...

Silêncio, por Sueli Carneiro

O ciclo de conferências "O silêncio dos Intelectuais", que...

Mulheres já são chefes de família em 37% dos lares brasileiros

Em 2000, parcela era de 22%, diz IBGE. Maioria...

para lembrar

“Fome”, de Roxane Gay, é um grito de liberdade feminista

Novo livro da autora de "Má feminista" fala sobre...

Somos as netas de todas as bruxas que vocês não conseguiram queimar

“Somos as netas de todas as bruxas que vocês...

Gravação mostra deputado Arnaldo Jordy pedindo a mulher que aborte

Diálogo entre os dois é áspero e a mulher,...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=