Maré se levanta contra preconceito aos LGBTs

No último 7 de setembro cerca de dez mil pessoas participaram da 3º Parada LGBT da Maré, organizada pelo grupo Conexão G. “A nossa iniciativa se mostra necessária e visa estimular o respeito à orientação sexual de cada um. Precisamos olhar com mais carinho para esse público que vive à margem da sociedade. A população LGBT das favelas precisa ser respeitada e incluída nas pautas governamentais”, afirmou Gilmara Cunha, estudante de psicologia e uma das fundadoras do grupo

O Grupo Conexão G organizou, no dia 7 de setembro, a 3º Parada LGBT da Maré com o tema: “A favela respeita a cidadania da população Lésbica, Gay, Bissexual, Travestis e Transexual (LGBT)”. Dez mil pessoas participaram do evento ,como informa reportagem do Jornal O Cidadão Online.

“A nossa iniciativa se mostra necessária e visa estimular o respeito à orientação sexual de cada um. Precisamos olhar com mais carinho para esse público que vive à margem da sociedade. A população LGBT das favelas precisa ser respeitada e incluída nas pautas governamentais”, afirmou Gilmara Cunha, uma das fundadoras do Conexão G e estudante de psicologia.

 

Por Thaís Cavalcante, para o Jornal O Cidadão Online

Moradores e moradoras da Maré levantam a bandeira arco-íris contra o preconceito

Dia 7 de Setembro, os mareenses festejaram na 3º Parada LGBT da Maré, reivindicando direitos, respeito e igualdade. Este ano o tema foi “A favela respeita a cidadania da população Lésbica, Gay, Bissexual, Travestis e Transexual (LGBT)” e cerca de 10 mil pessoas participaram.A concentração do trio elétrico foi na Praça da Favela Parque União, com muita música: funk, pop, eletrônica, entre outros gêneros e, rapidamente lotou diversas ruas, becos e vielas da Maré.

A festa foi organizada pelo Grupo Conexão G que é formado por jovens LGBT moradores da Maré. O grupo é um mobilizador de moradores e moradoras de favelas do Rio de Janeiro, na busca por cidadania e igualdade de direitos. Poucos dias depois do evento, o Conexão G recebeu uma premiação pelo trabalho diário na luta contra AIDS.

De acordo com Gilmara Cunha, uma das fundadoras do Conexão G, há um descaso perceptível com essa população que é invísivel nas pautas governamentais “A nossa iniciativa se mostra necessária e visa estimular o respeito à orientação sexual de cada um. Precisamos olhar com mais carinho para esse público que vive à margem da sociedade. A população LGBT das favelas precisa ser respeitada e incluída nas pautas governamentais.” Conclui Gilmara, que é estudante de psicologia.

A carreata da diversidade sexual contou com a participação de grupos que promovem saúde. O grupo Saúde Pela Vidda/RJ distribuiu preservativos masculinos e panfletos que informam sobre a violência contra a mulher. O CMS Nova Holanda ficou com o tema DST e HIV, levando muita informação, camisinhas e materiais explicativos. Já a equipe de saúde bucal informou sobre as manifestações de DST e HIV na boca.

Apesar do acompanhamento dos soldados do início ao fim, a festa prosseguiu com apresentações da Bateria do Gato de Bonsucesso, dançarinos e outros shows pelas ruas da Maré. O palco principal foi na Favela Nova Holanda. A Parada Gay no Parque União acontece anualmente em parceria com a CAP 3.1, Luta Pela Paz, Observatório de Favelas, Redes de Desenvolvimento da Maré, FASE e IBASE.

Através da luta contra a homofobia, é importante o apoio da população para tratar todos como cidadãos e cidadãs de direitos. Respeitar a diversidade traz consequências positivas como paz e justiça. E a forma de enfrentar práticas discriminatórias em sua maioria violentas, deve ser tratada de forma pacífica. De acordo com o morador Hugo Gomes de 16 anos, a conscientização é o foco. “ Temos que protestar contra as fobias dentro das favelas, um movimento desses é fundamental para quebrar preconceitos.”

A próxima Parada Gay será dia 28/09 na Vila do João, perto da Passarela 6 da Av Brasil, as 18h. Não perca!

 

FOTOS: Nacho Lemus

 

 

Fonte: Brasil 247

+ sobre o tema

Coisa de preto e coisa de branco

Tenho notado que alguns amigos brancos me fazem convites...

Diversidade de gênero entra no currículo de escolas da Austrália

A Austrália fez a lição de casa em relação...

“Vegana Sem Grana”, ela faz sucesso ensinando receitas acessíveis

Duzentos e cinquenta quilômetros distante da capital, Salvador, Itacaré...

para lembrar

Trabalho doméstico volta a crescer em SP; diaristas agora são maioria

O trabalho doméstico voltou a crescer na Região Metropolitana...

Menina mulher da pele preta

Só existe uma coisa mais desafiadora do que ser...

Obrigado, Malafaia. Você é o maior militante LGBT do país!

Obrigado, Silas. De verdade. O que não conseguimos em...

Estrela gay do pop russo Zelimkhan Bakaev, torturado e morto na Chechênia Anti-Gay

Fontes informam que o cantor russo Zelimkhan Bakaev foi...
spot_imgspot_img

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...

Como poluição faz meninas menstruarem precocemente

Novas pesquisas mostram que meninas nos EUA estão tendo sua primeira menstruação mais cedo. A exposição ao ar tóxico é parcialmente responsável. Há várias décadas, cientistas ao redor do...

Leci Brandão recebe justa homenagem

A deputada estadual pelo PC do B, cantora e compositora Leci Brandão recebe nesta quarta (5) o Colar de Honra ao Mérito Legislativo do...
-+=