Marilena Chauí fala sobre a “cura gay” e sobre a necessidade de uma mudança antropológica para reconhecimento dos direitos LGBT

De Eduardo Piza

Durante um debate promovido pela Consulta Popular no Sindicato dos Advogados de São Paulo, indaguei à professora Marilena Chauí como estavam sendo consideradas as reivindicações de reconhecimento dos direitos LGBT tanto pelas forças conservadoras como pelas forças progressistas da sociedade brasileira. Ela afirmou que nem a ciência nem a religião reconhecem os direitos e a identidade de LGBT. E a sociedade à direita, à esquerda, acima e abaixo realiza a repressão sexual, sendo necessária uma mudança profunda, simbólica e antropológica para alcançar este reconhecimento. Resposta dura, clara e lúcida. Desafiadora para o movimento social.

+ sobre o tema

“Mesmo na pandemia, continuamos sendo assassinados”, diz porta-voz da Aliança Nacional LGBTI

De acordo com relatório do Observatório de Mortes Violentas de...

Por que a Índia trata tão mal suas mulheres?

Muitos a chamaram de "coração valente" ou "filha da...

As faces da representatividade

Recentemente, me deparei com duas notícias bem interessantes por...

Por que o sucesso destas mulheres negras incomoda tanto?

Taís Araújo, Maju Coutinho, Cris Vianna e, agora, Sheron...

para lembrar

Mulheres negras sob ataque nas redes

Às vésperas do Dia de Tereza de Benguela, Dia...

Mulheres negras são maioria, mas ainda sofrem com preconceito

Em 2009, as mulheres negras correspondiam a cerca de...

Quase 3 mil cidades promovem direitos humanos, mas só 79 combatem homofobia

Dados do IBGE mostram também que 67,5% dos municípios...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=