MEC libera gabarito do Enem a partir de 18h, mesmo com suspensão da prova na Justiça

Fernando Haddad tenta convencer Justiça de que reaplicação da prova é viável


O MEC (Ministério da Educação) mantém a previsão de divulgar o gabarito do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) a partir das 18h desta terça-feira (9), mesmo que a prova tenha sido suspensa por decisão da Justiça. Ontem, segunda-feira (8), uma juíza federal do Ceará concedeu liminar para o Ministério Público Federal anulando temporariamente o exame devido aos erros ocorridos durante a aplicação, no último fim de semana.

Pelo menos 21 mil cadernos do Enem, do tipo amarelo, trouxeram questões repetidas, páginas duplicadas e em branco. O erro prejudicou apenas 2.000 alunos, aproximadamente, porque foi possível trocar a maioria das provas defeituosas por outras de reserva. O MEC diz que foram impressos 10% de cadernos a mais do que o número de inscritos no Enem, para o caso de emergências.

A solução apresentada pelo Inep, (órgão do Ministério da Educação responsável pelo Enem), de reaplicar a prova para o grupo de estudantes prejudicados, não vai resolver o problema, no entendimento da juíza Carla de Almeida Maia, que deu a sentença desfavorável ao ministério.

Ontem, durante coletiva do ministro Fernando Haddad, às 18h, ele afirmou que a pasta tentará sensibilizar e convencer a juíza de que a reaplicação do Enem é viável, já que a dificuldade seria a mesma entre as duas provas – a atual e a nova edição para os 2.000 prejudicados, se vier a ocorrer. O número de estudantes afetados é pequeno, também de acordo com o ministro.

Esses são os argumentos que o ministério usará para tentar mudar a decisão da juíza. Caso a iniciativa não tenha sucesso, o ministro disse que, “sem sombra de dúvida”, recorrerá a instâncias superiores da Justiça.

Menos grave

Se a repetição de questões nos cadernos amarelos é reconhecida como uma falha grave pelo MEC, que pode originar a reaplicação da prova para parte dos alunos, a troca da ordem das questões de “ciências da natureza” e “ciências humanas” no cabeçalho das folhas de resposta é considerada menos problemática pelo ministério.

De acordo com Haddad, o máximo que os alunos poderão solicitar nesses casos será que as questões sejam corrigidas em ordem invertida. Não haverá, segundo ele, a possibilidade de que os candidatos refaçam a prova por terem preenchido a folha de respostas de maneira incorreta.

 

Fonte: R7

+ sobre o tema

Provas do Enem 2024 serão em 3 e 10 de novembro; confira o cronograma

O cronograma do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem)...

Da proteção à criação: os pós-docs negros da USP nas fronteiras da inovação

Desenvolvimento de produtos, novas tecnologias para a geração de...

Programa Erasmus oferece bolsas integrais na Europa

O Erasmus, programa promovido pela União Europeia para fomento a...

para lembrar

ProUni 2011: Inscrições Começam em 19/01

As inscrições para o Prouni 2011 – Programa...

Se você não se ligar, o racismo te envolve na universidade, diz reitora negra

Integrante de um grupo pequeno, mas agora organizado, de...

MEC: Capes garante 90% da verba para pós-graduação em 2015

O Ministério da Educação anunciou, na noite deste sábado...

A complexidade do racismo brasileiro

Por Carlos Alberto Dória Além de identificar o discurso racista,...
spot_imgspot_img

Taxa de alfabetização chega a 93% da população brasileira, revela IBGE

No Brasil, das 163 milhões de pessoas com idade igual ou superior a 15 anos, 151,5 milhões sabem ler e escrever ao menos um...

Provas do Enem 2024 serão em 3 e 10 de novembro; confira o cronograma

O cronograma do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2024 foi divulgado nesta segunda-feira (13). As provas serão aplicadas nos dias 3 e 10...

Da proteção à criação: os pós-docs negros da USP nas fronteiras da inovação

Desenvolvimento de produtos, novas tecnologias para a geração de energia, manejo ecologicamente correto na agricultura e prevenção à violência entre jovens nativos digitais. Essas...
-+=