Medalha Theodosina Ribeiro: mulheres de luta serão homenageadas no próximo dia 28 de março

Iniciativa da deputada Leci Brandão (PCdoB/SP), a Medalha foi instituída em 2015 e integra o calendário anual da Assembleia Legislativa em caráter permanente

 Envido para o Portal Geledés 

A deputada Leci Brandão realiza uma Sessão Solene para entrega da Medalha Theodosina Ribeiro 2016 no dia 28 de março, segunda, às 10h00, no plenário da Assembleia Legislativa de São Paulo. De acordo com a justificativa da proposta de Leci, “a Medalha tem por objetivo reconhecer o trabalho e as ações de mulheres que empoderam, impactam e influenciam decisivamente a vida de pessoas pertencentes a grupos vulneráveis da sociedade”. Neste ano, 10 mulheres serão homenageadas, entre elas, Alexandra Loras, Consulesa da França em São Paulo, e a Dra. Kenarik Felippe, Desembargadora do Tribunal de Justiça de São Paulo.

 

Iniciativa da deputada Leci Brandão (PCdoB/SP), a Medalha foi instituída em 2015 após aprovação de um Projeto de Resolução de sua autoria. Ao ser instituído sob a forma de Resolução, a outorga da Medalha passou a ter caráter permanente e a integrar o calendário anual da Assembleia Legislativa. “É sempre muito emocionante para nós fazer essa homenagem porque é um gesto de reconhecimento ao trabalho de mulheres fortes, guerreiras, competentes nas suas áreas e que contribuem muito para a nossa sociedade. Fica muito evidente o protagonismo das mulheres negras nesta homenagem. É uma forma de dar visibilidade às mulheres negras que ocupam espaços de Poder e que fazem a diferença no empoderamento de outras mulheres”, declara Leci.

 

A Medalha Theodosina Ribeiro conta com a parceria da ONG Elas por Elas – Vozes e ações das mulheres, Geledés – Instituto da Mulher Negra, Unaccam – União e Apoio no Combate ao Câncer de Mama e da Secretaria Municipal de Promoção da Igualdade Racial de São Paulo.

 

Homenageadas com a Medalha Theodosina Ribeiro 2016

 

SANDRA SANTOS

Iniciou sua militância política aos 18 anos através do Sindicato dos Bancários. Trabalhou por mais de 30 anos como voluntária, assumindo depois a vice-presidência de um dos centros sociais mais antigos de São Paulo.

 

RAQUEL TRINDADE

Nasceu em Recife, foi criada no Rio de Janeiro e hoje vive em São Paulo. Filha do poeta Solano Trindade, fundou, em homenagem ao seu pai, o Teatro Popular Solano Trindade, em Embu das Artes, que comemorou 40 anos em 2015.

 

ILDSLAINE MONICA DA SILVA – SHARILAYNE

No registro de nascimento ela é Ildslaine Monica da Silva, mas essa paulistana nascida na zona leste é conhecida por todos como a MC Sharylaine. Ativista cultural e social reconhecida, cantora, compositora e produtora cultural, sua história se confunde e se funde com a história do hip hop.

 

ALEXANDRA LORAS

Consulesa da França, de origem francesa e gambiana, Alexandra Baldeh Loras nasceu em um gueto na periferia parisiense. É a única negra entre seus cinco irmãos. É também a única a ter uma carreira: estudou na tradicional Sciences Po.

 

DRA. ZENI ROSE TOLOI

Supervisora Supervisão Técnica de Saúde Casa Verde/ Cachoeirinha.

 

NEON CUNHA

Militante dos Direitos Humanos e Diversidade e Diretora de Arte.

 

DRA. KENARIK B. FELIPPE

Desembargadora do Tribunal de Justiça de São Paulo, co-fundadora e ex-presidente da Associação Juízes para a Democracia.

 

NATALI DE ARAUJO

Participante dos grupos Amigas do Peito e Camaradas, Nátali é uma vencedora na luta contra o câncer. Além de ter iniciado uma nova vida cheia de realizações, acredita que o câncer deu a ela a missão de conscientizar outras pessoas.

 

CONCEIÇÃO APARECIDA LOURENÇO < /b>

Jornalista, escritora, ex-diretora Revista Raça e membro do Conselho da Seppir 2003/2004.

 

RENATA MARTINS

Diretora audiovisual na Companhia Os Crespos. É idealizadora da websérie “Empoderadas” que, em formato documental, apresenta mulheres negras das mais distintas áreas de atuação. A série foi listada pelo Think Olga como um dos projetos mais inspirador es de 2015.

 

Conheça Theodosina Rosário Ribeiro

 

Nascida em 29 de maio de 1930, na cidade de Barretos (SP), Theodosina Rosário Ribeiro foi a primeira vereadora negra da Câmara Municipal de São Paulo, sendo eleita em 1970 com a segunda maior votação daquele pleito. Em 1974 foi eleita a primeira deputada negra da Assembleia Legislativa do Estado, onde ocupou o cargo de vice-presidente e permaneceu por três le gislaturas. Dra. Theodosina é formada em Filosofia pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de Mogi das Cruzes e em Direito, pela FMU – Faculdades Metropolitanas Unidas. A filósofa, advogada e ex-deputada se tornou uma referência e estímulo para negras e negros. Depois dela, outras mulheres negras se engajaram na vida pública.

 

Serviço:

Sessão Solene de Outorga da Medalha Theodosina Ribeiro 2016

28 de março – 10h00 – segunda-feira

Plenário Juscelino Kubitschek

Palácio 9 de Julho – Av. Pedro Álvares Cabral, 201 – Ibirapuera – São Paulo/SP

Realização:

Assembleia Legislativa de São Paulo

Iniciativa:

Mandato da Deputada Leci Brandão

*o estacionamento da ALESP estará liberado para o evento

 

+ sobre o tema

Carolina Maria de Jesus: Quem foi a escritora que denunciou a fome no país

A intimidade com a fome e a discriminação sentida...

Mulheres movimentam internet com causas feministas e lutam pela igualdade

Blogs, perfis no Twitter e fanpages no Facebook têm...

Lembrando Lélia Gonzalez, por Luiza Bairros

∗ Militante do movimento negro e do movimento de...

“Descobri que ia morrer sozinha.”

Eu, mulher negra, cresci com menos perspectivas do que...

para lembrar

Mulheres fazem novo ato na Avenida Paulista contra a cultura do estupro

Com cartazes e faixas, grupo lembrou violência contra jovem...

Machismo na universidade: as putas que “dão trabalho”

Fotos: Ana Lucena e Paula Guimarães "Puta" está entre os...

O spray forense que está ajudando a combater violência contra a mulher

Um homem foi condenado e preso por violência doméstica...
spot_imgspot_img

Aborto legal: ‘80% dos estupros são contra meninas que muitas vezes nem sabem o que é gravidez’, diz obstetra

Em 2020, o ginecologista Olímpio Moraes, diretor médico da Universidade de Pernambuco, chegou ao hospital sob gritos de “assassino” porque ia interromper a gestação...

Lançamento do livro “A importância de uma lei integral de proteção às mulheres em situação de violência de gênero”

O caminho para a criação de uma lei geral que reconheça e responda a todas as formas de violência de gênero contra as mulheres...

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...
-+=