Memórias de escravo brasileiro que escapou para Nova Iorque publicadas em português

A história de um escravo brasileiro que escapou para Nova Iorque e acabou a publicar as suas memórias nos Estados Unidos será publicada 160 anos depois em português no Brasil, pela primeira vez, este ano.

no D Notícias

A iniciativa é de um grupo de investigadores e tradutores que conheceu a história de Mahommah Baquaqua nos EUA e que lançará já em agosto uma página na Internet sobre a vida deste homem.

Ao contrário dos EUA, onde milhares de escravos registraram as suas histórias, o percurso deste homem é considerado o único existente no Brasil.

“Ele foi o único escravo africano que escreveu um relato autobiográfico sobre a escravidão no Brasil. Esse ato de escrever sobre a sua vida é muito comum nos EUA, no Canadá, onde existe uma linha literária de relatos de escravos que era usado como propaganda pelos abolicionistas”, explicou um dos académicos envolvidos, Bruno Véras.

O Brasil era o maior mercado de escravos no mundo antes de se tornar o último país das Américas a abolir a escravatura, em 1888.

Em 1854, quando vivia no Canadá, Baquaqua, que acabaria por aprender a falar várias línguas e sabia ler e escrever árabe, contou, usando um inglês perfeito, a sua história ao escritor Samuel Moore.

Segundo o seu relato, Baquaqua vivia na África Ocidental, na zona hoje ocupada pelo Benim, quando foi capturado em 1824 e enviado para uma praia no Recife.

“Fomos arremessados, nus, porão adentro, os homens apinhados de um lado, e as mulheres de outro. O porão era tão baixo que não podíamos ficar de pé, éramos obrigados a agachar ou sentar no chão. Noite e dia eram iguais para nós, o sono nos sendo negado devido ao confinamento de nossos corpos”, lê-se nas memórias.

À chegada foi vendido para um padeiro, que lhe batia, e, mais tarde, no Rio de Janeiro, ao capitão de um cargueiro que viajava para os Estados Unidos.

Em 1847, quando vai a caminho de Nova Iorque, diz que as primeiras palavras que aprendeu em inglês foi “free”, que significa livre.

Quando o navio atraca nos EUA, tenta escapar mas acaba preso.

Fugiu da prisão anos mais tarde, com a ajuda de abolicionistas, e escapa para Boston e Haiti.

Depois de publicar o livro, com o título “An interesting narrative. Biography of Mahommah G. Baquaqua”, chegou a ir numa digressão pelo país a promover o livro.

Em 1857, mudou-se para o Reino Unido, com o objetivo de se tornar missionário cristão, e não há certezas sobre o que acontece a partir daí.

Em 2001, pelas mãos dos professores Paul Lovejoy e Robin Law, a história foi recuperada numa versão ampliada, que inclui uma longa introdução e as cartas que Baquaqua trocou com religiosos, missionários e abolicionistas.

Foi através deste edição que os brasileiros Bruno Véras e Nielson Bezerra tomaram conhecimento da história e decidiram partilhá-la com o público brasileiro, usando a editora Civilização Brasileira.

“A história de Baquaqua oferece esta nova possibilidade de as pessoas se identificarem com esta nova personagem”, explica Veras.

Mais de século e meio depois da sua primeira publicação, o livro chega ao Brasil num momento em que o país analisa o seu passado racial: no início do ano, foi estabelecida uma comissão que vai investigar os 350 anos de escravatura no país.

“Estamos a ver muito interesse do público em conhecer esta história”, disse Bruno Veras.

Além da tradução e da página na Internet, os académicos brasileiros planeiam também o lançamento de um livro para crianças.

+ sobre o tema

Depoimentos de Escravos Brasileiros

Em julho de 1982, o estudante de história Fernando...

Arqueólogos acham peças de engenho de 1580 em São Paulo

Descoberta ajuda a documento o início do ciclo da...

Juremir Machado da Silva: ‘muitos comemoram Revolução sem conhecer a história’

Samir Oliveira O jornalista e historiador Juremir Machado da Silva...

Fotografias definiram a visão que o Ocidente tem da África

Imagens de africanos começaram a circular pela Europa no...

para lembrar

Murucutu mantinha 50 escravos em famílias

Em 13 de maio de 1888, a Princesa Isabel...

Dia 1º de junho: nossa Imprensa completa 207 anos de fundação.

Este é o único retrato em que o gaúcho...

10 civilizações africanas mais surpreendentes que a egípcia

A África é o berço da humanidade. Foi lá...
spot_imgspot_img

Dia de Martin Luther King: 6 filmes para entender sua importância nos EUA

O dia de Martin Luther King Jr. é um feriado nacional nos Estados Unidos, celebrado toda terceira segunda-feira do mês de janeiro. Neste ano,...

Luiza Mahin: a mulher que virou mito da força negra feminina

Não há nenhum registro conhecido sobre Luiza Mahin, mulher que possivelmente viveu na primeira metade do século 19, que seja anterior a uma carta...

“Quarto de Despejo”, clássico de Carolina Maria de Jesus, vai ganhar filme

Vivendo de maneira independente, ela optou por não se casar, dedicou-se à costura, tocava violão e escrevia livros que ilustram como jovens negras, nascidas em favelas...
-+=