terça-feira, agosto 4, 2020

    Tag: esquecer jamais

    João Cândido, o Almirante Negro da Revolta da Chibata (Imagem retirada do site Nossa Política)

    João Cândido, o Almirante Negro da Revolta da Chibata

    Filho de escravos, nascido nove anos depois da lei do Ventre Livre (que não considerava cativos os filhos de escravos nascidos a partir dali) numa fazenda em Encruzilhada do Sul, interior gaúcho, João Cândido entrou para a Marinha aos 14 anos, onde teve carreira exemplar. Durante 15 anos navegou pelas águas doces e salgadas de todo o Brasil, percorreu quatro continentes, aprendeu técnicas e ofícios, foi instrutor de marujos iniciantes, encharcou-se das paisagens exuberantes, das realidades sociais e suas contradições, conheceu personagens e episódios políticos importantes – até ser expulso da corporação, por causa da rebelião de que participou com destaque, nas águas da Guanabara, defendendo a dignidade da condição humana. João Cândido não corresponde ao estereótipo construído sobre sua imagem de um homem sem instrução. Ele foi, sim, instruído e instrutor. Frequentou a Escola de Aprendizes de Marinheiros em Porto Alegre, em 1895. Depois, já engajado, esteve lotado na ...

    Leia mais
    THE NEW YORK PUBLIC LIBRARY via BBC

    Suíça abre discussão para reparar dinheiro que o país ganhou com comércio de escravos nas Américas

    Políticos, personalidades, religiosos e acadêmicos suíços lançam uma iniciativa para avaliar o papel do país alpino na economia escravocrata nas Américas e pressionar para que haja alguma espécie de reparação às famílias das vítimas ou economias. Por Jamil Chade, do UOL THE NEW YORK PUBLIC LIBRARY via BBC No final do ano passado, foi formado o Comitê Suíço de Reparação da Escravatura (SCORES), defendendo que o país mergulhe para entender seu papel no tráfico de escravos e que, eventualmente negocie reparações, algo inédito na história da escravidão no continente americano. A avaliação é de que, ainda que não tenha mar, a Suíça lucrou com a escravidão entre a África e as Américas entre os séculos XVI e XIX. Portanto, em seu manifesto, o grupo insiste que a escravidão nas colônias por parte da Europa "exige reconhecimento e reparação imaterial e material". Ainda que a posição oficial ...

    Leia mais
    Visual do Morro do Piolho com casas na Rua Lavapés e o conjunto da Light ao Fundo antes de ser demolido. Ilustração feita pelas autoras com base em foto do Acervo Casa da Imagem DPH/SMC

    Bairro da Liberdade: o apagamento histórico da memória negra em São Paulo

    O “Caminho Histórico Glória-Lavapés” é composto pelas ruas da Glória e do Lavapés, que interligam os bairros da Liberdade, Glicério e Cambuci situados na região central do município de São Paulo. Apesar de ter sido tombado em março de 2018 e homologado em julho de 2019 pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (CONPRESP), esse lugar ainda enfrenta problemáticas que reiteram e reforçam o apagamento histórico de memórias importantes compreendidas ao longo dessa extensão como a memória de ocupação negra, a memória morfológica do traçado da cidade colonial e a memória visual e topográfica da condição acidentada do terreno. Por Beatriz Hubner, Fernanda Galloni, Paloma Neves, Stela Mori, do Arch Daily Visual do Morro do Piolho com casas na Rua Lavapés e o conjunto da Light ao Fundo antes de ser demolido. Foto do Acervo Casa da Imagem ...

    Leia mais
    Imagem retirada do site

    Lisboa vai finalmente ter memorial em honra dos escravos

    ​O objetivo principal do Memorial é prestar tributo à memória dos milhões de africanas e africanos escravizados por Portugal ao longo da sua História, nomeadamente entre os séculos XV e XIX. No Bantumen Imagem retirada do site Bantumen Uma nau com escravos, uma plantação de canas-de-açúcar e uma arena de encontros são as três propostas para uma construção, em Lisboa, que pretende homenagear as vítimas da escravatura perpretada por Portugal. As propostas vão a votos este sábado, 25, às 16 horas, na Biblioteca de Marvila. As obras de arte são da autoria de Grada Kilomba, Jaime Lauriano e Kiluanji Kia Henda e, após votação, a obra vencedora será edificada no Largo José Saramago O memorial, ao qual estará associado um centro interpretativo, é uma proposta vencedora do Orçamento Participativo de Lisboa, apresentada pela DJASS-Associação de Afrodescendentes. A criação de um memorial que preste homenagem aos milhões ...

    Leia mais
    GETTY IMAGES Image caption 'Darwin ficou encantado com a nossa biodiversidade. A Mata Atlântica foi o bioma mais rico que ele conheceu. Por outro lado, ficou revoltado com a escravidão. Sua família lutava contra o comércio de escravos', afirma o biólogo Nélio Bizzo

    Encantado com a natureza e indignado com a corrupção: o que Charles Darwin achou do Brasil do século 19

    No dia 29 de agosto de 1831, o jovem Charles Robert Darwin, então com 22 anos, recebeu uma carta que mudaria sua vida. Um de seus professores na Universidade de Cambridge, o botânico John Stevens Henslow, indicara seu nome para participar de uma expedição científica ao redor do mundo. Por André Bernardo, da BBC 'Darwin ficou encantado com a nossa biodiversidade. A Mata Atlântica foi o bioma mais rico que ele conheceu. Por outro lado, ficou revoltado com a escravidão. Sua família lutava contra o comércio de escravos', afirma o biólogo Nélio Bizzo (GETTY IMAGES) O governo britânico, explicava a carta, faria um levantamento cartográfico da costa da América do Sul e pedira a ele que recomendasse alguém para atuar como naturalista. Sua missão a bordo seria observar, registrar e coletar tudo o que achasse interessante, incluindo fauna, flora e geologia, nas terras visitadas pelo navio. ...

    Leia mais
    Fonte: José Thomaz da Porciuncula, Relatório com que o Exmo Im. Dr. Thomaz da Porciuncula passou à Administração do Estado em 7 de Julho de 1890, 1890, p. 6.

    O massacre de 17 de novembro: Sobre raça e a república no Brasil

    Uma história política marcada pelo imaginário da raça é, antes de mais nada, uma história feita de silêncios, datas rasuradas, registros incompletos, apagamentos e cesuras que constituem a luta simbólica pelas formas de imaginar uma comunidade e estabelecer a sua memória coletiva. A narrativa oficial acerca da Proclamação da República no Brasil em 15 de novembro de 1889, em particular, a forma como a participação ou não da gente comum é retratada, e a insistência em tomar cidades como Rio de Janeiro e São Paulo qual metonímias explicativas sobre o que se passou em todo país muito nos têm ensinado a esquecer. Uma das imagens mais recorrentes acerca da instauração do regime republicano entre nós é aquela do povo bestializado, apático, sem tomar posição alguma frente ao golpe de Estado que encerrou o longo reinado de d. Pedro II. Se por um lado tal imagem denuncia o teor palaciano, antidemocrático, ...

    Leia mais
    Remoção das famílias na Ilhota. Foto: CP Memória

    Onde estão os negros do Rio Grande do Sul?

    A população negra está no Estado desde os primórdios, mas, com o passar do tempo, esta presença foi sendo apagada da "história oficial". No Dia da Consciência Negra, saiba mais sobre este processo, suas consequências e como modificá-lo Por Eduardo Amaral, do Correio do Povo Remoção das famílias na Ilhota. Foto: CP Memória “Ao longo da minha trajetória, e de boa parte dos negros, a gente nunca se viu de fato representado, nunca teve aquela figura negra. Nos livros de história, monumentos, eu nunca me enxerguei”. Foi assim que pessoas como o jornalista Flávio Bandeira, 34 anos, nascido e criado em Porto Alegre, cresceram, sem ver pessoas como eles na história da sua cidade e estado, e ouvindo durante toda a vida que o papel que lhes cabia estava longe do sucesso profissional e da possibilidade de ocupar cargos de relevância por conta da sua cor ...

    Leia mais
    blank

    Pesquisadora da UFRGS é premiada por cartografia de territórios negros nos mapas históricos de Porto Alegre

    Areal da Baronesa, Ilhota, Parque da Redenção, Bacia do Mont’Serrat e Colônia Africana – atual bairro Rio Branco. Esses são alguns dos territórios de Porto Alegre onde entre os anos 1800 e 1970 existiram espaços de moradia, de trabalho, de manifestações de práticas culturais, como carnavais e batuques, e de lazer das populações negras da Capital. Apesar desse conhecimento, informações mais detalhadas sobre esses territórios ainda são inexistentes e os povos negros seguem ocultados das narrativas oficiais sobre o processo de construção da Capital. Por Annie Castro, Do Sul21 Para mudar o cenário de invisibilização desses espaços, a professora de Geografia da Prefeitura Municipal de Porto Alegre Daniele Vieira decidiu usar seu mestrado no Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) para elaborar uma cartografia dos locais que foram ocupados pela população negra na cidade e recuperar a história desses territórios. Segundo ela, ...

    Leia mais
    blank

    Países que tiveram escravos devem reparar vítimas, afirma relatora independente

    A relatora especial da ONU sobre formas contemporâneas de racismo, Tendayi Achiume, apresentou relatório à Assembleia Geral pedindo reparações por discriminação racial como forma essencial de cumprimento dos direitos humanos. Da ONU Relatora especial da ONU sobre raciscmo, Rendayi Achiume – Foto: Manuel Elias/ONU Achiume afirmou que racismo e discriminação são inseparáveis de suas raízes históricas e defendeu que países que tiveram colônias ou escravos devem aceitar que têm obrigações e responsabilidades, incluindo o pagamento de indenizações às vítimas e seus descendentes. Para ela, a maior barreira às reparações por colonialismo e pela escravidão é falta de vontade política e coragem moral. A relatora especial das Nações Unidas sobre formas contemporâneas de racismo, discriminação racial, xenofobia e intolerância correlata, Tendayi Achiume, apresentou relatório à Assembleia Geral pedindo reparações por discriminação racial como forma essencial de cumprimento dos direitos humanos. Para ela, a maior barreira às reparações ...

    Leia mais
    blank

    LISBOA DOS ESCRAVOS

    Naky Gaglo é natural do Togo e vive em Lisboa há cinco anos. Há quatro, começou a mostrar uma outra Lisboa aos turistas que visitam a capital portuguesa, a Lisboa dos escravos, num passeio que nos faz recuar ao século XV e à Lisboa dos Descobrimentos, o African Lisbon Tour. “Comecei a fazer este tour porque percebi, quando vim pela primeira vez a Portugal, que havia muitos negros. Fiquei muito contente, mas também percebi que a história não estava a ser contada”, começou por explicar Naky Gaglo ao Publituris, no dia em que nos juntámos a um grupo de 14 turistas dos EUA, Canadá, França e Portugal para realizar a visita, que começa na Praça do Comércio e só termina no Jardim da Praça Dom Luís, quatro horas depois. Por Inês de Matos, Do Publituris (Foto: Imagem retirada do site Publituris) Depois de chegar a Lisboa, ...

    Leia mais
    Foto: Reprodução / etniabrasileira.com.br

    CMS aprova projeto que institui Dia em Memória aos Mártires da Revolta dos Búzios

    A Câmara de Vereadores aprovou na última quarta-feira (2) um projeto que institui o 8 de novembro como Dia Municipal em Memória aos Mártires da Revolta dos Búzios. O texto é de autoria de Marta Rodrigues (PT), e homenageia Luís Gonzaga das Virgens Veiga, João de Deus do Nascimento, Manuel Faustino dos Santos Lira e Lucas Dantas de Amorim Torres, todos enforcados e esquartejados exatamente no dia 8 de novembro de 1799, na Praça da Piedade. por Matheus Caldas, do Bahia Noticias Foto: Reprodução / etniabrasileira.com.br “A criação de um dia para homenageá-los é uma forma de diminuir o processo de invisibilização ao qual o povo negro foi submetido desde o descobrimento do Brasil”, explicou a parlamentar. “Até hoje, os livros de história do país continuam a recusar o protagonismo do povo negro na luta pela justiça social e pelo fim da escravidão por causa do ...

    Leia mais
    Dora Milaje em cena do filme Pantera Negra

    Amazonas de Daomé: As mulheres mais temidas do mundo

    Bravas guerreiras da África Ocidental repeliram com sucesso invasores europeus Por FLÁVIA RIBEIRO , do Aventuras na História  Dora Milaje em cena do filme Pantera Negra Nansica, uma jovem soldada do reino de Daomé, no atual Benin, de cerca de 16 anos, se aproxima rapidamente de um sargento francês e o decapita com furor. Em seguida, tem seu corpo atravessado por uma baioneta e tomba de costas, braços estendidos para a frente. Na mesma batalha, um soldado gabonês de infantaria, recrutado pelos franceses, desarma outra militar de Daomé. Sem opção, ela rasga a garganta do inimigo com os próprios dentes. Apesar de a França ter conquistado Daomé em 1894, após duas guerras num período de 4 anos, a ferocidade das mulheres que compunham 1/3 das tropas do país africano ao longo do século 19 impressionou visitantes e soldados estrangeiros. “O valor das amazonas é real. Treinadas desde a ...

    Leia mais
    Legenda da foto original diz apenas 'tipos negros'

    Artista restaura cor de brasileiros fotografados às vésperas da abolição

    Nada se sabe sobre o homem de cabelos grisalhos e olhar triste na foto acima, retratado pelo fotógrafo alemão Alberto Henschel no Brasil por volta de 1869, alguns anos antes da Lei Áurea. A legenda do retrato original, à esquerda, diz apenas "tipos negros". Por Letícia Mori, da BBC Legenda da foto original diz apenas 'tipos negros' (Imagem: MARINA AMARAL) O retrato à direita foi restaurado e colorido pela artista brasileira Marina Amaral e é uma das 22 fotografias que a artista está recuperando para sua série "Escravidão no Brasil". "Quando a gente olha para os números e para a escala enorme do que foi a escravidão, fica tudo meio abstrato. Mas quando consegue olhar para as pessoas... Ver cada rosto deixa tudo menos abstrato, cria uma conexão", disse à BBC News Brasil. A mineira de 25 anos é artista digital especializada em colorir fotos antigas ...

    Leia mais
    blank

    ‘Temos uma sociedade que nem lembra dos horrores da escravidão’, diz escritor que conta histórias do povo negro no Twitter

    O homem africano que foi exposto junto a macacos do Zoológico de Bronx, nos Estados Unidos. O holocausto promovido no Congo pelo rei Leopoldo II da Bélgica. As estratégias do líder quilombola Benedito Meia-Légua para invadir senzalas e libertar negros escravos no Brasil. A africana que foi capturada para uma turnê no Reino Unido, onde foi obrigada a viver enjaulada e mostrar seu corpo para outros homens. Essas são algumas das narrativas já publicadas pelo publicitário e escritor Ale Santos no Twitter. Há pouco mais de um ano, o escritor decidiu utilizar a ferramenta de threads para contar histórias vivenciadas pelo povo negro no Brasil e em diversos locais do mundo. Por Annie Castro, do Sul21 Ale Santos utiliza o Twitter para compartilhar histórias do povo negro de diversos locais do mundo. (Foto: Luiza Castro/Sul21) Na última semana, Santos esteve em Porto Alegre para participar do ...

    Leia mais
    Foto: EPA / JUSTIN LANE

    Guterres: Comércio transatlântico de escravos foi “terrível manifestação de barbaridade humana”

    Secretário-geral da ONU defendeu que é preciso "continuar a lutar contra o racismo e preconceito", indicando que "mais de 15 milhões de pessoas foram vítimas deste desprezível crime ao longo de 400 anos". por Lusa no Sabado.Pt Foto: EPA / JUSTIN LANE O secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, afirmou hoje que o comércio de escravos através do Oceano Atlântico foi "uma das mais terríveis manifestações da barbaridade humana". "O comércio transatlântico de escravos foi umas das mais terríveis manifestações da barbaridade humana", escreveu o português na plataforma social Twitter, acrescentando que "mais de 15 milhões de pessoas foram vítimas deste desprezível crime ao longo de 400 anos". António Guterres conclui a sua publicação, defendendo: "Devemos honrar a sua memória enquanto continuamos a lutar contra o racismo e preconceito". Hoje cumprem-se 400 anos desde que escravos africanos chegaram a território norte-americano, marco assinalado ...

    Leia mais
    blank

    Memória Colonial. Sei o que fizeste no século passado

    O maior museu do mundo sobre África, em Bruxelas, reabriu com uma narrativa que inclui o ponto de vista dos africanos. Por Telma Miguel, do Contacto Foto: Telma Miguel De vez em quando, um país é forçado a olhar para trás. E o que descobre nem sempre é bonito. Portugal anda às voltas com a sua longa herança colonial e a abertura de um Museu dos Descobrimentos desencadeou uma polémica que uma recente crónica considerada racista da historiadora Maria de Fátima Bonifácio voltou a reacender. Nos EUA, considera-se o pagamento de indemnizações a descendentes de escravos, ao mesmo tempo que o seu presidente manda congressistas voltarem para os seus países. A França prepara-se para devolver centenas de artefatos pilhados na era colonial e a Grã-Bretanha iniciou um diálogo para devolver bronzes da Nigéria. A Bélgica teve também recentemente o seu momento de acordar para o passado ...

    Leia mais
    blank

    1967: Miséria da população negra causa conflitos nos EUA

    No dia 13 de julho de 1967, começavam os conflitos raciais em Newark, em Nova Jersey. Os distúrbios foram desencadeados por protestos contra a miséria e desemprego da população negra. Por Michael Kleff, Do Made for Minds O que começou como controle policial de um taxista na pequena cidade de Newark, no estado americano de Nova Jersey, acabou com o trágico saldo de 20 mortos, entre 13 e 17 de julho de 1967. Às portas de Nova York, milhares de negros saíram às ruas para jogar coquetéis molotov contra policiais. Vitrines foram destruídas, lojas saqueadas. Falou-se inclusive em franco-atiradores negros, mas posteriormente ninguém seria acusado formalmente. Revolução previsível A revista norte-americana Life considerou o episódio uma "revolução previsível", pois a precária situação dos 400 mil moradores de Newark era conhecida há muito tempo. Quinze por cento dos negros não tinham trabalho, o que contribuía para um alto índice de criminalidade. A construção de uma ...

    Leia mais
    blank

    O Brasil precisa acertar as contas com os escravizados

    Anúncios da época da escravidão mostram por que o Brasil precisa acertar as contas com o passado Por Alexandre Andrada, Do The Intercept Brasil Foto: Domínio público AS ELITES BRASILEIRAS parecem ter um hábito secular de pôr uma pedra sobre o nosso passado. Apesar de sermos o país com a maior população negra fora da África, quase não há museus sobre o tema e mal estudamos o assunto nas escolas. O desconhecimento do brasileiro médio em relação aos horrores e às consequências da escravidão é enorme. O esquecimento não é um acaso, é um projeto.   Leia a matéria completa no The Intercept Brasil    

    Leia mais
    divulgacao: Diário do Rio

    Prefeitura deverá reparar crimes da escravidão e demarcar áreas da Pequena África

    Os vereadores Fernando William (PDT) e Teresa Bergher (PSDB) aprovaram a Lei nº 6.613/2019, que obriga a Prefeitura do Rio a reparar crimes de escravidão e a realizar a demarcação da área urbana como território histórico para a preservação de memória da presença do africano liberto e alforriado, de seu local de trabalho e de moradia na cidade do Rio de Janeiro. O local, situado no Centro da cidade, é conhecido como Pequena África. Por Felipe Lucena no Diário do Rio divulgacao: Diário do Rio “Mais importante que reparar crime histórico é ressarcir um coletivo humano com bens materiais e pecuniários. Por isso a importância da revitalização da Pequena África, para preservarmos a memória da presença do africano escravizado em nossa cidade”, afirmam os autores. O Brasil é signatário da declaração da “Conferência Mundial contra o racismo, a discriminação racial, a xenofobia e formas correlatas de intolerância”, ...

    Leia mais
    blank

    Lançamento doc Não Vão Nos Calar – O Ilú Lava a Mentira

    Reprodução/Facebook Denunciando a mentira da suposta abolição da escravatura, através da pena da Princesa Isabel, o coletivo Ilú Obá De Min realiza todos os anos, a lavagem da escadaria da rua 13 de maio, no bairro do Bixiga. Do Facebook  O documentário NÃO VÃO NOS CALAR - O ILÚ LAVA A MENTIRA resgata a cerimônia desse ano e traz depoimentos que abordam o racismo estrutural no Brasil. Exibição seguida de debate e show do Ilú Obá De Min Sexta-feira, 5 de julho, às 19:00 horas Museu da Energia Alameda Cleveland, 601 (esquina com Al. Nothmann) Campos Elíseos NÃO VÃO NOS CALAR - O ILÚ LAVA A MENTIRA Direção: Aline Sasahara Realização: Associação Viacultural Co-patrocínio: Prefeitura Municipal de São Paulo Secretaria Municipal de Cultura    

    Leia mais
    Página 1 de 14 1 2 14

    Últimas Postagens

    blank

    Artigos mais vistos (7dias)

    Instagram

    Twitter

    Facebook

    Welcome Back!

    Login to your account below

    Create New Account!

    Fill the forms bellow to register

    Retrieve your password

    Please enter your username or email address to reset your password.

    Add New Playlist