“Quarto de Despejo”, clássico de Carolina Maria de Jesus, vai ganhar filme

Obra de uma das maiores autoras negras do Brasil terá adaptação cinematográfica sob a direção do cineasta Jeferson De

Vivendo de maneira independente, ela optou por não se casar, dedicou-se à costura, tocava violão e escrevia livros que ilustram como jovens negras, nascidas em favelas como a dela, podem alcançar grandes alturas na vida. Aclamado na literatura brasileira, o livro “Quarto de Despejo” de Carolina Maria de Jesus, uma das primeiras escritoras negras do país, está prestes a receber uma adaptação cinematográfica. O responsável pela direção desse projeto é Jeferson De.

A divulgação foi feita pela Globo Filmes por meio de suas redes sociais na terça-feira passada, dia 21, um dia após as comemorações do Dia da Consciência Negra no Brasil, que coincide com o falecimento do líder quilombola Zumbi dos Palmares em 1695.

O post informa que “#QuartoDeDespejo, de Carolina Maria de Jesus, vai virar filme! Marco das literaturas negra, feminina e periférica brasileiras, o livro reúne textos em que Carolina revela a realidade opressora que vivia na década de 1950, quando morava na favela do Canindé, em São Paulo, e penava para alimentar os filhos como catadora de papel”, declara a mensagem compartilhada pelo Instagram.

Quem é Carolina Maria de Jesus

Considerada uma das maiores escritoras brasileiras do século XX, Carolina Maria de Jesus foi multiartista, cantora e escritora de contos, crônicas, letras de música e peças de teatro. Amplamente conhecida pela triste história em Sacramento, Minas Gerais, seu percurso migratório e, principalmente, pelos anos vividos na Favela do Canindé, Carolina enfrentou a fome, o machismoo racismo, a inflação e a pobreza dos anos 60.

“Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada” é talvez uma de suas grandes obras sobre as questões de uma situação que ainda é uma realidade brasileira. Mulher negra, catadora de papelão, mãe solteira e semianalfabeta, Maria de Jesus buscava no lixo tanto alimento quanto papel para escrever seu diário, poemas e músicas. Essa luta também era para garantir o sustento de sua família: José Carlos, João José e Vera Eunice, seus três filhos.

O jornalista Audálio Dantas foi com objetivo de escrever sobre a comunidade às margens do Tietê e lá encontrou a escritora, juntamente com seus cadernos de anotações. A escritora mostrou então seu diário a Dantas e lá ele viu uma escrita inédita, na qual viria a transformar a literatura brasileira.

Os escritos foram publicados na edição de 9 de maio de 1958 da Folha da Noite. O interesse da população pelas suas palavras e críticas foi notável, e no ano seguinte, os relatos da autora também ocupavam as páginas da revista O Cruzeiro. Sob a edição de Dantas e lançado em 1960, “Quarto de Despejo” tornou-se um best-seller, sendo traduzido para 13 idiomas e adaptado para o teatro e a televisão.

Em uma entrevista à TV Globo no ano de 2021, a filha de Carolina e professora, Vera Eunice, lembra a reação de sua mãe ao receber o livro em mãos. “Quando ela recebe o livro ‘Quarto de Despejo’ impresso, ela coloca assim, no alto, eu lembro como se fosse hoje, e ela lê. Eu vi a felicidade no olhar dela – ‘Carolina Maria de Jesus, Quarto de Despejo’. Ela estava muito feliz porque tinha alcançado o objetivo dela”, destacou emocionada.

+ sobre o tema

Dona Ruth: Festival de Teatro Negro de São Paulo

De 20 a 24 de outubro (quarta-feira a domingo),...

Musical “O Rei Leão” chega à reta final da temporada de enorme sucesso no Brasil

Após celebrar a impressionante marca de 600 apresentações, o...

Coletivo Noroest estreia projeto “Quebrada Viva” em que celebra a cultura das periferias

Coletivo Noroest realiza evento de Hip-Hop na Praça Padre...

Você sabe o que é o estilo “Tomboy”?

Uma das grandes tendências da moda nos últimos tempos,...

para lembrar

O polêmico debate sobre reparações pela escravidão no Brasil

"Declara livre todos os escravos vindos de fora do...

Por favor, não me chame de “nigga”

Se você é próximo da cultura hip hop, se ouve...

“Escravidão ainda é uma memória recente da sociedade brasileira”

O historiador Flávio dos Santos Gomes, autor de livro...

O Brasil é um túmulo: o esquecimento dos memoriais africanos do Rio de Janeiro

Uma característica essencial dos povos humanos é a capacidade...
spot_imgspot_img

Livro põe mulheres no século 20 de frente com questões do século 21

Vilma Piedade não gosta de ser chamada de ativista. Professora da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro) e uma das organizadoras do livro "Nós…...

“Thereza” | Atlânticos em transe sob a lua de Luanda, por Cidinha da Silva. Ep.3

No caminho de volta ao hotel, atravessei o terminal de ônibus, ladeei laterais de construções suntuosas à base de muito concreto próximas à orla,...

Filmes de Plástico: De  Mar, Amar

Contagem, abril de 1968. Palco da primeira grande greve operária no recrudescer da ditadura militar no Brasil. Contagem semeia Lula em São Bernardo do...
-+=