Como mulheres escravizadas usaram o acarajé para conseguir liberdade na BA

Enviado por / FontePor Camila Silva, de ECOA

Originalmente feito com a massa de feijão-fradinho, cebola e sal, e frito no azeite de dendê, o acarajé, embora hoje seja uma espécie de patrimônio brasileiro, não nasceu aqui no país.

De acordo com o Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), a receita tem origem no Golfo do Benin (sudoeste da atual Nigéria), na África Ocidental, e chegou ao Brasil no período da escravidão.

A bola de fogo da alforria

O nome acarajé é uma junção de duas palavras na língua iorubá: akará = bola de fogo e jé = comer, ingerir. Assim, acarajé significa “comer bola de fogo”.

No início, o acarajé não tinha fins comerciais, mas estava intrinsecamente ligado à fé dos escravizados africanos no culto dos orixás, em religiões como o candomblé, a umbanda e o vodum. É pela comida que existe a partilha, a homenagem e a comunicação com os orixás.

Aline Chermoula, professora e pesquisadora da cozinha ancestral afrodiaspórica, explica que aqui no Brasil essa dimensão do sagrado se amplia e o acarajé começa a ser uma comida de rua e ter fins comerciais.

É por meio da venda do acarajé, por exemplo, que muitas mulheres conhecidas como “escravas de ganho”, pessoas obrigadas pelos seus senhores a realizar algum tipo de trabalho nas ruas, vão conseguir sua própria alforria ou até comprar a alforria de outros escravizados.

De acordo com um dossiê do Iphan sobre a atuação das escravas de ganho, o acarajé também era usado para o fortalecimento das crianças e idosos doentes, em não era um alimento comum em classes mais ricas.

No Benin, akará. No Brasil, acarajé

No continente africano o bolinho de feijão fradinho é conhecido como “akará”. Ao contrário do consumo no Brasil, ele não é servido com acompanhamentos. A tradição de comer o acarajé junto ao vatapá, o caruru e camarão é criada aqui no Brasil em meados do século 20.

No Brasil, [o acarajé] foi feito de outra forma. Teve uma adaptação. Eu fiquei muito chocado a primeira vez, quando estive em Salvador. Eu vi um acarajé com muitas coisas por dentro. Eu experimentei e gostei muito. Queria comer mais. Mas, como beninense, sigo gostando do jeito que é feito no meu país

Lionel Honfin, artista visual beninense

O artista visual Lionel Honfin mora há 11 anos no Brasil é um dos personagens da série “Origens – Um chef brasileiro no Benin”, na qual o chef João Diamante narra a sua jornada pelo continente africano em busca de entender melhor como a culinária de lá está relacionada com a história do Brasil.

A tradição é a essência do acarajé

A Bahia foi o estado que mais recebeu negros escravizados da região do Golfo do Benin e, hoje, é o mais negro do Brasil. Lá as mulheres que vendem o acarajé ficaram conhecidas como baianas do acarajé. Em 1992, a Abam (Associação Nacional das Baianas de Acarajé) foi criada e é a responsável pela manutenção do modo tradicional de fazer o acarajé, além de compartilhar o seu significado histórico.

No Brasil como um todo, hoje há outras instituições baianas do acarajé que tentam manter viva a tradição. No país, desde 2005, o “Ofício das Baianas de Acarajé” está inscrito no Livro dos Saberes como Patrimônio Cultural Imaterial do Brasil.

“O acarajé é bem singular. E quando ele se torna um patrimônio imaterial é um reconhecimento da nossa luta do povo negro no Brasil”

Aline Chermoula, professora e pesquisadora

+ sobre o tema

Debate sobre divisão de tarefas por gênero

Quantas horas por dia homens e mulheres se dedicam...

Estupros em São Paulo aumentam 16,6% em novembro

O número de estupros, incluindo estupro de vulnerável, aumentou...

Há elo direto entre luta dos negros e dos LGBTs, diz Angela Davis

Últimas décadas ensinam que ações coletivas podem produzir transformação...

Para abalar estruturas, projeto promove educação financeira para mulheres negras

Ancestralidade é o caminho para reverter dinheiro em patrimônio...

para lembrar

DF teve mais feminicídios cometidos com armas legais do que ilegais

Armas de fogo legais são mais usadas em feminicídios...

Os quatro meses de silêncio de um brutal crime político

Investigação da Polícia Civil do Rio sobre assassinato da...

13 mulheres negras brasileiras de destaque na política

Dados do IBGE apontam que existem, no Brasil, cerca...

Miriam Leitão vê preconceito na revista época

Segundo colunista do Globo, tratamento da revista, também das...
spot_imgspot_img

O que está em jogo com projeto que torna homicídio aborto após 22 semanas de gestação

Um projeto de lei assinado por 32 deputados pretende equiparar qualquer aborto realizado no Brasil após 22 semanas de gestação ao crime de homicídio. A regra valeria inclusive para os...

Justiça brasileira não contabiliza casos de homotransfobia, cinco anos após criminalização

O STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizou a homotransfobia há cinco anos, enquadrando o delito na lei do racismo —com pena de 2 a 5 anos de reclusão— até que...

Maria da Conceição Tavares: quem foi a economista e professora que morreu aos 94 anos

Uma das mais importantes economistas do Brasil, Maria da Conceição Tavares morreu aos 94 anos, neste sábado (8), em Nova Friburgo, na região serrana do Rio...
-+=