No Dia para Eliminação da Discriminação Racial ONU reforça importância de investir em mulheres negras

Enviado por / FonteONU

No Dia Internacional para Eliminação da Discriminação Racial, 21 de março, ONU defende investimento em mulheres negras como caminho para o progresso.

A campanha “Investir nas Mulheres: Acelerar o Progresso”, chama a atenção para um dos principais desafios para a igualdade de gênero: a falta de financiamento e destaca a urgência de direcionar investimentos neste grupo como estratégia para enfrentar o racismo e a desigualdade, além de acelerar o progresso do país.

O enfoque da campanha intensifica o apelo do Dia Internacional para Eliminação da Discriminação Racial e demarca a urgência de combater o racismo e a discriminação racial, 75 anos após a adoção da Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH).

A campanha “Investir nas Mulheres: Acelerar o Progresso”, iniciada no Dia Internacional da Mulher (8), chama a atenção para um dos principais desafios para a igualdade de gênero: a falta de financiamento.

Com a chamada #InvistaEmMulheresNegras, a campanha da ONU destaca a urgência de direcionar investimentos neste grupo como estratégia para enfrentar o racismo e a desigualdade, além de acelerar o progresso do país.

O enfoque da campanha intensifica o apelo do Dia Internacional para Eliminação da Discriminação Racial, que acontece nesta quinta-feira (21) e que demarca a urgência de combater o racismo e a discriminação racial, 75 anos após a adoção da Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH).

No Brasil, a prevalência da violência contra a população negra ainda é uma constante. O assassinato de pessoas negras, juntamente com a alta incidência de violência sexual e feminicídio contra mulheres e meninas negras, persiste em níveis altos, deixando um rastro de dor e injustiça.

Além disso, as operações policiais em favelas e periferias urbanas resultam no fechamento de creches, escolas, hospitais e clínicas, entre outros serviços essenciais.

“Mulheres negras são mais afetadas pela pobreza, discriminação e violência. Investir nelas é avançar no desenvolvimento do Brasil sem deixar ninguém para trás.” 
Silvia Rucks, coordenadora residente das Nações Unidas no Brasil, 8 de março de 2024.

No Brasil, 92% das pessoas que compõem a força de trabalho doméstica são mulheres, das quais 65% são mulheres negras.

Com a interrupção dos serviços, esse grupo, muitas vezes responsável pelo cuidado de crianças e idosos, encontra-se em maior risco de desemprego, discriminação e dificuldades para prover sustento às suas famílias.

A coordenadora residente das Nações Unidas no Brasil, Silvia Rucks, destaca que a multiplicidade dos desafios enfrentados pelas mulheres e meninas negras demanda uma resposta integral e interseccional na promoção da igualdade de gênero e raça, sendo a ampliação de investimentos uma questão urgente.

Tal abordagem visa a conscientização e ação em um período crucial, conectando as lutas contemporâneas às raízes dos problemas que afetam a população negra no Brasil e no mundo.

Sobre o Dia Internacional para Eliminação da Discriminação Racial

O Dia Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial rememora o massacre de Shapperville que ocorrou em  21 de março de 1960, na África do Sul.

Cerca de vinte mil pessoas negras protestavam pacificamente contra uma lei que limitava os lugares em que podiam circular, quando tropas do exército atiraram contra a multidão deixando indivíduos mortos e feridos.

Sobre a campanha “Investir nas Mulheres Negras”:

A campanha é fruto da colaboração entre diferentes agências, fundos e programas do Sistema das Nações Unidas no Brasil.

A ONU convida todas as pessoas a se unirem à campanha e a promoverem a igualdade de gênero e raça. Dicas de ações e recursos informativos estão disponíveis na página: https://bit.ly/ONU_DiaDaMulher

Nas redes sociais, a ONU Brasil marcará o conteúdo da campanha com as hashtags #InvistaEmMulheresNegras e #InvistaEmMulheres.

+ sobre o tema

Corajosas e inocentes: o estupro em zonas de guerra

Começou nesta terça-feira (10), em Londres, uma conferência global...

Homem diz ter recebido choques para ‘cura gay’ em ‘SUS’ britânico

'Um britânico revelou que foi submetido a um tratamento...

E as mulheres nas letras do gangsta rap?

Moro no litoral norte e, recentemente, mulheres de Ubatuba...

para lembrar

Em decisão inédita, transexual tem direito de concorrer a deputada estadual com nome feminino

Santinho da candidata Renata Tenório: transexual, ela vai concorrer...

O corpo das mulheres como campo de batalha

Peça encenada no Rio debate, em intenso contato com...
spot_imgspot_img

‘Abuso sexual em abrigos no RS é o que ocorre dentro de casa’, diz ministra

A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, considera que a violência sexual registrada contra mulheres nos abrigos que recebem desalojados pelas enchentes no Rio Grande...

ONU cobra Brasil por aborto legal após 12 mil meninas serem mães em 2023

Mais de 12,5 mil meninas entre 8 e 14 anos foram mães em 2023 no Brasil, num espelho da dimensão da violência contra meninas...

Após um ano e meio fechado, Museu da Diversidade Sexual anuncia reabertura para semana da Parada do Orgulho LGBT+ de SP

Depois de ser interditado para reformas por cerca de um ano e meio, o Museu da Diversidade Sexual, no Centro de São Paulo, vai reabrir...
-+=