Taís Araújo fala de diversidade na beleza: “Hoje em dia me sinto mais representada”

Atriz se torna garota-propaganda da Quem Disse, Berenice? e lança linha de batons com a marca para comemorar seus 40 anos

Do Revista Marie Claire

Taís Araújo (Foto: Reprodução/Marie Claire)

Taís Araújo ama dar pitaco em tudo. E foi assim que a atriz, de forma ativa, criou sua primeira coleção de batons líquidos com a Quem Disse, Berenice?. “Não faz sentido ser só uma garota-propaganda. A ideia surgiu no meio da conversa sobre um contrato novo e decidimos criar essa linha junto com meus 40 anos”, relembra a atriz.

Nada mais apropriado, já que Taís é fã confessa de maquiagem. A coleção de seis cores que vão de vermelho, laranja até rosa resgata momentos e aspectos importantes da vida da atriz, que comemora 4 décadas em novembro. “Ligo muito o vermelho a onde eu nasci, no Méier, no Rio de Janeiro, e também às mulheres da minha família”, conta.

Taís também confessa que, aos 39, ela se sente mais segura e feliz com o próprio corpo. Aos 36 anos, começou a praticar balé, depois de dar à luz a segunda filha, Maria Antônia. “Você perde a vergonha”, brinca ela. O truque de beleza do qual ela não abre mão é o filtro solar que Taís passa todos os dias religiosamente, desde os 11 anos. “Minha mãe teve uma queimadura após dormir com ácido retinóico no rosto e demorou anos para recuperar a pele. Nessa época, ela me aconselhou a usar protetor solar todos os dias. Para mim é tipo higiene básica!”, ri.

Taís Araújo (Foto: Reprodução/Marie Claire)

Diversidade

Taís relembrou também o mercado de beleza do passado, que reservava pouquíssimas opções para mulheres negras. “Quando você passava base ou ficava cinza ou cor de tijolo. Tinham pouquíssimas cores”, lembra. “O Brasil é um país muito diverso, de muitas cores. O mercado melhorou bastante. Hoje em dia me sinto mais representada”.

Como mulher e negra, Taís também comentou rapidamente sobre o momento político pelo qual o Brasil passa. “É muito delicado. É um momento de analisar, com racionalidade e sem emoção. Cada um dentro da sua lógica. É um momento de reestabelecer relações”, finaliza. Sobre os ataques nas redes sociais, ela diz não se importar. “Não apago nada. Deixo lá registrado o que cada pessoa pensa, seja para o bem ou para o mal”.

+ sobre o tema

Luiza Bairros (1953-2016)

Morreu no 12 de julho 2016 a grande Luiza...

Jurema Werneck: ‘Ser mulher negra no Brasil de hoje é sinônimo de luta’

Em entrevista ao HuffPost Brasil, diretora da Anistia Internacional...

Mulher, negra e feminista: conheça a nova secretária-geral da UNE

Mariana Jorge é estudante de jornalismo da UFBA e...

para lembrar

Uma luz negra para nos espelhar

'Pantera Negra' mostra negros que não são servos ou...

Mulheres Negras ocupam hoje as ruas de São Paulo em marcha

Negras marcham contra as opressões de raça, gênero e...

Livro traz erotismo à flor da pele e contesta objetificação negra

“InCorPoros – Nuances de Libido”, feito em coautoria por...

Menina-moça e negra: YouTubers fazem uma bela homenagem às adolescentes

“Ninguém era a rainha da popularidade do colégio”, alfineta...
spot_imgspot_img

Quem é Linda Martell, citada em “Cowboy Carter”, novo álbum de Beyoncé?

O esperado novo álbum de Beyoncé contém uma música que leva o nome de uma mulher que parece ter sido a inspiração para o projeto. “Act...

Comida mofada e banana de presente: diretora de escola denuncia caso de racismo após colegas pedirem saída dela sem justificativa em MG

Gladys Roberta Silva Evangelista alega ter sido vítima de racismo na escola municipal onde atua como diretora, em Uberaba. Segundo a servidora, ela está...

Uma mulher negra pode desistir?

Quando recebi o convite para escrever esta coluna em alusão ao Dia Internacional da Mulher, me veio à mente a série de reportagens "Eu Desisto",...
-+=