Ministra de Promoção da Igualdade Racial visita Morro da Providência

Por: Renata Sequeira

Luíza Bairros ficou encantada com o trabalho da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) na Comunidade


A ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), Luiza Bairros, visitou, na manhã desta terça-feira, dia 10, a comunidade da Providência,na Zona Portuário do Rio. Luíza foi acompanhada pelo superintendente de Igualdade Racial da Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos (SEASDH), Marcelo Dias, e fez questão de conhecer a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP). De acordo com Bairros, a visita se deve a importância histórica da comunidade. Durante a visita, a ministra destacou os desafios que o Rio terá para enfrentar a desigualdade racial.

“O Estado do Rio apresenta uma grande desigualdade entre o número de mulheres e homens. Uma das explicações para isso é a morte violenta, principalmente dos jovens negros. Nós precisamos construir políticas públicas que diminuam a taxa de homicídios da juventude negra. Neste sentido, foi excelente conhecer a UPP e também as ações desenvolvidas aqui na Providência. Vou levar essa experiência no meu coração”.

Para o superintendente de Igualdade Racial, da Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos (SEASDH), o grande desafio, hoje, da política para negros, é diminuir as mortes dos jovens negros e, também, as desigualdades entre negros e brancos.

“Do meu grupo de nove amigos da adolescência, apenas eu me formei. Um é alcoólatra e os outros sete foram mortos, pela polícia ou pelo narcotráfico. Há três anos perdi um sobrinho de apenas 29 anos de idade. Existe uma exclusão histórica no nosso país, mas estou esperançoso de que as coisas vão melhorar”, disse Marcelo Dias, que assumiu a superintendência na última segunda-feira, dia 09. A posse, contou com a presença da ministra e do secretário Rodrigo Neves. Marcelo destacou ainda as ações que serão realizadas pela SEASDH.

“Meu sobrinho ainda estaria vivo se a UPP já existisse, por isso é tão importante desenvolver políticas públicas específicas para os moradores das favelas que já possuem a polícia pacificadora. Esse trabalho é um de nossos principais objetivos na Igualdade Racial”.

Antes de visitar a Providência, a ministra esteve no Cais do Valongo, no Centro do Rio, onde foi descoberto um rico sítio arqueológico, com ossos e objetos da época da escravidão. O cais, construído no século XIX, foi por onde passou milhares de escravos que iam para as plantações de café e açúcar. O sítio foi descoberto por conta das obras para os Jogos Olímpicos e as obras de revitalização do Porto.

“O que foi descoberto no local tem um valor imensurável. É a memória que estava enterrada ali”, destacou a ministra.

A visita da ministra à Providência também contou com a presença do presidente do Conselho Estadual dos Direitos do Negro (CEDINE), Paulo Roberto dos Santos.

 

Fonte: Lista Racial

+ sobre o tema

Manifesto dos sem palco

Do que gostam os que odeiam a arte e...

Erundina: ‘Iludi a população e a mim mesma sobre a reforma política no Congresso’

Presidenta da Frente Parlamentar pela Reforma Política, deputada critica...

Casal Obama fala sobre estilo em programa de TV

Michelle Obama arranca elogios dos fashionistas pelo mundo afora...

Coalizão Negra arrecada R$ 300 mil contra fome em jantar

Mais de R$ 300 mil foram arrecadados para a...

para lembrar

Vannuchi diz que críticas a Programa de Direitos Humanos refletem dificuldades da democracia no país

    Ministro da Secretaria Especial de Direitos Humanos, Paulo Vannuchi,...

De Platão a Foucault: 136 curtas de animação para aprender tudo sobre filosofia, sociologia e política

A empresa especializada em educação online Macat produziu uma...

Eleições 2012: representantes da causa negra em Salvador

Neste domingo, 07 de outubro de 2012, milhões de...

Museu Afro Brasil: Fórum – Uma Visão Comparada das Atuais Relações Raciais nos EUA e Brasil

Museu Afro Brasil: Fórum sobre relações étnico-raciais destaca a...

Em 20 anos, 1 milhão de pessoas intencionalmente mortas no Brasil

O assassinato de Mãe Bernadete, com 12 tiros no rosto, não pode ser considerado um caso isolado. O colapso da segurança pública em estados...

CPMI dos Atos Golpistas: o eixo religioso

As investigações dos atentados contra a democracia brasileira envolvem, além dos criminosos que atacaram as sedes dos três Poderes, políticos, militares, empresários. Um novo...

Como pôr fim ao marco temporal

A tese do marco temporal, aprovada na Câmara nesta terça-feira (30), é ancorada em quatro pilares: genocídio, desinformação, atraso e inconstitucionalidade. Dos dois últimos, deve-se dizer...
-+=