Mônica diz ‘Meu corpo, minhas regras’ em quadrinho e pessoas acham que roteirista estava fazendo ‘apologia ao aborto’

Desde o Dia Internacional de Luta da Mulher deste ano, a Mauricio de Sousa Produções tem buscado levantar questões importantes sobre o empoderamento feminino em seus quadrinhos, com o projeto Donas da Rua.

Por Ana Júlia Gennari, do HuffPost Brasil

Agora, em meados de junho , a Mônica disse “Meu corpo, minhas regras” na edição nº 94 da Turma da Mônica Jovem e isso foi o suficiente pra fazer muita gente surtar nas redes sociais.

A frase — publicada fora de contexto pela página oficial da revista em quadrinhos –, fez com que algumas pessoas perdessem o sono achando que a roteirista, Petra Leão, estava fazendo, na verdade, “apologia ao aborto”.

A publicação teve uma chuva de comentários machistas e desinformados criticando tanto a frase e como a revista:

Diante de tamanha repercussão, a página fez outro post, no dia 28 de junho,explicando o verdadeiro contexto da frase da Mônica.

Na verdade, a personagem icônica de vestido vermelho ao lado de seu coelhinho Sansão disse “Meu corpo, minhas regras” para que os amigos respeitassem sua vontade de usar ou não aparelho ortodôntico.

O nome da história é Dentuça, eu? e gira em torno desse embate interno e externo de Mônica aceitar a si mesma como de fato é — e ser respeitada pelos seus amigos dessa forma.

Machismo nosso de cada dia
A roteirista do quadrinho, Petra Leão, não se manifestou sobre o assunto nas redes, apenas compartilhou a postagem da fanpage explicando o caso.

Porém, o assunto seguiu sendo debatido dentro do mundo nerd e na noite desta quinta (30), o também roteirista, Marcelo Cassaro levantou outro ponto que está repercutindo em alguns grupos feministas:

Esse questionamento resume muito bem a lógica machista não apenas do mundo nerd, mas da sociedade como um todo que resulta em nada mais, nada menos do que na violência contra a mulher, seja ela física ou psicológica.

Há esperança!

Embora tanto a postagem da revista, quanto a escritora tenham sofrido inúmeros ataques de misoginia, muitas mulheres saíram em defesa da fala da personagem e se viram nela representadas, além de apoiar Petra e parabenizá-la pelo bom trabalho.

Afinal, o tempo não parou nos anos 90:

Donas da Rua

No dia 8 de março deste ano, a Mauricio de Sousa Produções aproveitou o Dia Internacional de Luta da Mulher para lançar um novo projeto visando o empoderamento feminino: O Donas da Rua.

Desde então, a proposta é que as histórias da turminha tragam, de alguma forma, ensinamentos sobre igualdade de gênero.

Tomando a Mônica como exemplo, a campanha faz questão de lembrar mulheres sobre sua força, autenticidade e amor-próprio:

“Seja sua própria heroína. Lute como uma menina pelo seu espaço. POis as meninas fortes de hoje serão as mulheres incríveis de amanhã. Meninas para a frente. Afinal, somos todas #DonasdaRua”

 

+ sobre o tema

O aborto e a má fé – por Eliane Brum

A falsa polêmica em torno da lei que protege...

Legislativo aprova casamento entre pessoas do mesmo sexo no Chile

O casamento entre pessoas do mesmo sexo foi aprovado...

Sistema da PF não aceitou meu cabelo black power para foto de passaporte

Quero denunciar o enorme constrangimento que passei ontem na...

para lembrar

Vídeo revela o assédio contra as mulheres no dia a dia

A câmera mostra uma mulher andando durante dez horas...

“Eu fui molestada dos meus seis aos nove anos”

Em comovente depoimento, Camila lembra a violência sexual que sofreu...

Movimentos denunciam revista íntima vexatória em mulheres

Em protesto pelo Passe Livre, em 25 de outubro,...
spot_imgspot_img

Casa Sueli Carneiro abre as portas ao público e apresenta o III Festival Casa Sueli Carneiro, pela primeira vez em formato presencial

RETIRE SEU INGRESSO A Casa Sueli Carneiro, fundada em dezembro de 2020 e atuando em formato on-line desde abril de 2021, é uma entidade criada...

Aborto legal: falhas na rede de apoio penalizam meninas e mulheres

As desigualdades sociais no Brasil podem explicar a razão para que meninas e mulheres busquem apoio para o aborto legal também após 22 semanas...

Referência do feminismo negro, Patricia Hill Collins vem ao Brasil para conferência, curso e lançamento de livro

Referência do feminismo negro, a socióloga estadunidense Patricia Hill Collins participa, nesta quarta-feira (19), de um evento em Salvador, na Universidade do Estado da Bahia (Uneb)....
-+=