Moradores de rua de São Paulo têm idade média de 41,7 anos e 70,8% são pretos ou pardos, diz censo da Prefeitura; Mooca e Sé concentram maioria dos sem-teto

Enviado por / FonteDo G1

Apesar da maioria da população de rua se concentrar nas áreas centrais da cidade, 14 distritos das regiões Norte, Leste e Sul registram aumento de mais de 100% no total de pessoas nas ruas dos bairros da periferia, segundo os dados da gestão municipal.

O novo Censo da População de Rua de São Paulo, divulgado neste domingo (24) pelo Fantástico, da TV Globo, com exclusividade, aponta que o perfil majoritário das quase 32 mil pessoas que estão atualmente nas ruas da capital paulista é de homens com idade economicamente ativa média de 41,7 anos e 70,8% deles são pretos ou pardos.

Conforme mostrado pelo Fantástico, o número de pessoas vivendo nas ruas da cidade cresceu mais de 31% em relação a 2019, quando o total na rua era de 24,3 mil. O contingente total da população de rua da cidade é maior que a população de 69,6% dos municípios do próprio estado de SP.

Do total da população de rua, 39,2% das pessoas são naturais da própria cidade de São Paulo, 19,86% são de outras cidades do estado de São Paulo e 40,94% são naturais de outros estados do Brasil, como Bahia (8,47%), Minas Gerais (5,44%) e Pernambuco (5,28%).

De acordo com o Instituto Qualitest, que fez o levantamento, os distritos pertencentes à Subprefeitura da Mooca registraram o maior aumento de concentração de pessoas em situação de rua na cidade nos últimos dois anos. Em 2019, havia 1.419 pessoas na região e, agora, há 2.254. Crescimento de 170% em apenas dois anos.

Já na região da Subprefeitura da Sé, o aumento em números absolutos foi de 973 pessoas.

“Os motivos de a população de rua se concentrar em sua maioria nos bairros ao redor da área central permanecem inalterados, ou seja, estão relacionados a fatores como mobilidade, trabalho e facilidade de alimentação”, disse um comunicado divulgado nesta segunda (24) pela gestão municipal.

Em dois anos, o crescimento numérico de moradores de rua da cidade foi de 7.540 pessoas, maior que o número total de moradores em situação de rua encontrado no município do Rio de Janeiro em 2020, que era de 7.272 pessoas.

Aumento na periferia

Apesar disso, o relatório final do Censo indica crescimentos bastante significativos da população em situação de rua também em regiões de periferia, como Perus, Vila Maria-Vila Guilherme e Santana-Tucuruvi (Zona Norte); Penha, Itaquera, Ermelino Matarazzo, São Miguel Paulista, Sapopemba, Guaianases e Itaim Paulista (Zona Leste); e Ipiranga, Vila Mariana, Jabaquara e M’Boi Mirim (Zona Sul).

Em todos esses 14 distritos, o crescimento numérico de pessoas vivendo nas ruas foi superior a 100%, segundo a gestão municipal.

Outro indicador de crescimento da pobreza na cidade, segundo a Prefeitura, é a quantidade de pontos de concentração de pessoas nas ruas: em 2019, havia 6.816 pontos. Já em 2021 o número de pontos de abordagem saltou para 12.438, aumento de 82,5%.

O número os recenseadores classificam como “moradias improvisadas” (barracas) nas ruas cresceu 330% entre 2019 e 2021. Enquanto no recenseamento anterior havia 2.051 pontos abordados com barracas improvisadas, em 2021 foram computados 6.778 pontos.

Perfil do morador de rua de SP – 2021

  • 96,44% das pessoas em situação de rua na cidade são nascidas no Brasil
  • 39,2% das pessoas são naturais da cidade de São Paulo
  • 19,86% são de outras cidades do estado de SP
  • 40,94% são naturais de outros estados brasileiros
  • 3,56% são estrangeiros
  • Idade média: 41,7 anos
  • 70,8% deles são pretos ou pardos.
  • 93,5% das pessoas frequentaram escola
  • 92,9% sabem ler e escrever
  • 21,4% têm ensino médio completo
  • 15,3% concluíram o ensino fundamental
  • 4,2% concluíram o ensino superior
  • Fonte: Instituto Qualitest

Histórico

O Censo da população de rua em São Paulo é feito periodicamente. O próximo seria em 2023, mas a prefeitura decidiu antecipá-lo diante de um cenário de urgência: o inegável aumento do número de pessoas vivendo nas ruas da cidade.

Segundo o Censo, tem mais gente vivendo na rua da cidade. Em 219 eram cerca de 24 mil pessoas, agora são quase 32 mil pessoas. Em dois anos, essa população cresceu 31%. Isso contando também quem pernoita em abrigos.

Levando em consideração apenas os que ficam o tempo todo na rua, o aumento registrado pelo Censo é ainda maior: 54%. O novo Censo também mostra que 18 em cada 100 pessoas vivem há menos de um ano nas ruas.

O primeiro levantamento foi feito em 2000. Na época, em cada 10 mil paulistanos, 8 viviam na rua. Em pouco mais de duas décadas, a proporção saltou para 26.

O Padre Júlio Lancellotti se dedica há décadas à população em situação de rua, mas não a vê plenamente contemplada nos censos municipais.

“Não é só aquele que está na rua ou está no abrigo. Às vezes ele está em buracos, em lugares inacessíveis. E se você não tem contato com essas pessoas, você não é capaz de saber que elas existem”, afirma Júlio Lancellotti.

Para responder ao crescimento da população de rua, a Prefeitura de São Paulo aposta em um programa de moradia temporária chamado “Reencontro”. O programa vai oferecer unidades de 12 m² a 19 m².

+ sobre o tema

Eu era menino quando os da caserna confundiram-me com um comunista

Eu tinha pouco mais de dois anos quando raiou...

UFRJ terá primeira mulher negra como diretora da Faculdade de Educação

Neste ano, a Faculdade de Educação da Universidade Federal do...

Ditadura invadiu terreiros e destruiu peças sagradas do candomblé

Desde criança, a iyalorixá Mãe Meninazinha d’Oxum ouvia a...

Morre Ykenga Mattos, que denunciou o racismo em seus cartuns, aos 71 anos

Morreu na manhã desta segunda-feira aos 71 anos o...

para lembrar

Zona leste tem cinturão de bairros que concentram mortes por Covid-19

O recrudescimento da pandemia de Covid-19 na cidade de...

População em situação de rua aumenta 17 vezes em São Paulo

Entre dezembro de 2012 e dezembro de 2023, o...

Desemprego aumenta só entre os negros no 3º trimestre, aponta IBGE

Para cada R$ 1.000 que brancos recebem de salário,...
spot_imgspot_img

Famílias famintas e mães desdentadas: o retrato da miséria na ditadura que ficou ‘escondido’ nos arquivos do IBGE

O Brasil vivia a rebarba do milagre econômico — período de acelerado crescimento na primeira metade da Ditadura Militar (1964-1985) — quando o Instituto Brasileiro de Geografia e...

Ricos (não) merecem o que têm?

Privilégio representa alguma vantagem ou direito que uma pessoa ou grupo tem, independentemente de ter sido obtido por esforço próprio ou não. Privilégio nem...

Os desafios educacionais das meninas negras exigem compromissos nas políticas públicas

Programa Educação e Pesquisa – Geledés Instituto da Mulher Negra Março é um mês marcado por agendas relevantes para o enfrentamento às desigualdades: Dia Internacional...
-+=