Mostra contextualiza obra de Arthur Bispo do Rosário

A Colônia Juliano Moreira, em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, reúne 150 obras do artista sergipano
por Ana Ferraz, do Carta Capital 

“Os doentes mentais são como beija-flores, nunca pousam, ficam a 2 metros do chão.” O autor da frase, Arthur Bispo do Rosário, sempre flutuou acima do estabelecido. Em missão que considerava divina, o artista que passou 50 de seus 80 anos como interno psiquiátrico seguiu as vozes que lhe ordenavam tecer, bordar, colar, juntar, agregar, miniaturizar, inventariar o mundo. Gênio em tempo integral, circunstancialmente louco, o paciente diagnosticado como portador de esquizofrenia paranoide produziu obra ímpar. Com linha azul desfiada do uniforme de interno da Colônia Juliano Moreira, em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, construiu e envolveu miniaturas de escadas, cavaletes, carrinhos e navios. Um mundo inventado repleto de beleza e simbologia.

Para relembrar o artista, o Museu Bispo do Rosário de Arte Contemporânea, na Colônia Juliano Moreira, inaugurou exposição com 150 peças criadas por ele e 50 de dez artistas convidados. “Um Canto, Dois Sertões quer mostrar esses dois universos constituintes da obra de Bispo, Jacarepaguá, bairro que na primeira metade do século XX era conhecido como sertão carioca, e Japaratuba, Sergipe, onde nasceu”, diz Ricardo Resende, curador da coleção.

Em janeiro, a equipe do museu esteve na cidade sergipana onde o artista viveu até os 15 anos, viagem que contribuiu para aprofundar a compreensão de sua obra. Os elementos que influenciaram o artista nos primeiros anos de vida, os brinquedos feitos pelas crianças, conforme relato de antigos moradores, as festas populares vestidas de cores, espelhos e fitas. “O que ele criou é fruto dessa fase, a manualidade, a artesanalidade, os objetos de linha azul, de catalogação do mundo, os bordados.”

b7f223ff-90cc-4f46-b5b2-c847b55e3e27

Um mergulho nas manifestações religiosas de Japaratuba forneceu informações para a interpretação do Manto de Apresentação, cobertor que bordou ao longo da existência para usá-lo ao fim dela. “Em Sergipe vimos e entendemos de onde vêm o manto e os estandartes que Bispo criava. Tudo estava ali, no Reisado, na Chegança.”

Resende e a equipe lutam pela afirmação da instituição e por condições ideais para guardar o valioso acervo de 804 obras. A mostra, a primeira de longa duração, inclui peças jamais expostas, entre as quais Cadeira e Correntes, Galinheiro do Galinho Verde e Orfa.

Serviço:

Um Canto, Dois Sertões: Bispo do Rosário e os 90 Anos da Colônia Juliano Moreira
Local: Colônia Juliano Moreira, Jacarepaguá, Rio de Janeiro
Data: Até 3 de outubro

*Reportagem publicada originalmente com o título “A dois metros do estabelecido”

Leia Também:

A divina loucura de Arthur Bispo do Rosário

Bispo do Rosário e sua arte de ‘enlouquecer’ os signos

+ sobre o tema

Pai e filha fazem sucesso no Instagram ao exaltar a beleza do cabelo afro

Os pais são os principais responsáveis por ajudar qualquer...

Médico é considerado culpado pela morte de M. Jackson

O julgamento de Conrad Murray terminou nesta segunda-feira,7, em...

E como Rosa Parks eu não me levanto.

Na cidade de Montgomery, no estado do Alabama, exatamente...

para lembrar

Ministra Ana Hollanda já não é hora de subir a Serra, em Alagoas?

Por: Arísia Barros   Alagoas é quase do tamanho da República...

Negro na América: A nova terra prometida, o Vale do Silício

por Hernani Francisco da Silva O documentário da CNN "Negro...

Plantio tradicional de quilombolas se torna patrimônio cultural do país

Saber valorizar nossa própria cultura e reconhecer o que...

Pharrell Williams faz discurso contra o racismo em premiação

O rapper Pharrell Williams aproveitou sua aparição na premiação Hip Hop Honours:...
spot_imgspot_img

Jornais da Europa repercutem título do Real Madrid e enaltecem Vini Jr.

Não poderia ser diferente. O Real Madrid estampa a capa dos principais jornais esportivos da Europa, após a conquista da 15ª Champions League do clube. E Vinicius Junior...

Brasileiro dirige único teatro negro da Alemanha

"Ainda tenho um milhão de coisas para fazer", diz Wagner Carvalho, diretor artístico do teatro Ballhaus Naunynstrasse em Berlim, poucas horas antes da estreia da noite. Wagner não...

Da fofoca às janelas do Brasil, exposição evidencia africanidade que vive em nós

Depois da fofoca e de um cafuné no meu caçula, tentei tirar um cochilo, mas terminei xingando uma cambada de moleques que cantavam "Tindolelê" na rua. A frase ficou meio maluca, mas essa loucura tem seu método...
-+=