Mostra contextualiza obra de Arthur Bispo do Rosário

A Colônia Juliano Moreira, em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, reúne 150 obras do artista sergipano
por Ana Ferraz, do Carta Capital 

“Os doentes mentais são como beija-flores, nunca pousam, ficam a 2 metros do chão.” O autor da frase, Arthur Bispo do Rosário, sempre flutuou acima do estabelecido. Em missão que considerava divina, o artista que passou 50 de seus 80 anos como interno psiquiátrico seguiu as vozes que lhe ordenavam tecer, bordar, colar, juntar, agregar, miniaturizar, inventariar o mundo. Gênio em tempo integral, circunstancialmente louco, o paciente diagnosticado como portador de esquizofrenia paranoide produziu obra ímpar. Com linha azul desfiada do uniforme de interno da Colônia Juliano Moreira, em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, construiu e envolveu miniaturas de escadas, cavaletes, carrinhos e navios. Um mundo inventado repleto de beleza e simbologia.

Para relembrar o artista, o Museu Bispo do Rosário de Arte Contemporânea, na Colônia Juliano Moreira, inaugurou exposição com 150 peças criadas por ele e 50 de dez artistas convidados. “Um Canto, Dois Sertões quer mostrar esses dois universos constituintes da obra de Bispo, Jacarepaguá, bairro que na primeira metade do século XX era conhecido como sertão carioca, e Japaratuba, Sergipe, onde nasceu”, diz Ricardo Resende, curador da coleção.

Em janeiro, a equipe do museu esteve na cidade sergipana onde o artista viveu até os 15 anos, viagem que contribuiu para aprofundar a compreensão de sua obra. Os elementos que influenciaram o artista nos primeiros anos de vida, os brinquedos feitos pelas crianças, conforme relato de antigos moradores, as festas populares vestidas de cores, espelhos e fitas. “O que ele criou é fruto dessa fase, a manualidade, a artesanalidade, os objetos de linha azul, de catalogação do mundo, os bordados.”

b7f223ff-90cc-4f46-b5b2-c847b55e3e27

Um mergulho nas manifestações religiosas de Japaratuba forneceu informações para a interpretação do Manto de Apresentação, cobertor que bordou ao longo da existência para usá-lo ao fim dela. “Em Sergipe vimos e entendemos de onde vêm o manto e os estandartes que Bispo criava. Tudo estava ali, no Reisado, na Chegança.”

Resende e a equipe lutam pela afirmação da instituição e por condições ideais para guardar o valioso acervo de 804 obras. A mostra, a primeira de longa duração, inclui peças jamais expostas, entre as quais Cadeira e Correntes, Galinheiro do Galinho Verde e Orfa.

Serviço:

Um Canto, Dois Sertões: Bispo do Rosário e os 90 Anos da Colônia Juliano Moreira
Local: Colônia Juliano Moreira, Jacarepaguá, Rio de Janeiro
Data: Até 3 de outubro

*Reportagem publicada originalmente com o título “A dois metros do estabelecido”

Leia Também:

A divina loucura de Arthur Bispo do Rosário

Bispo do Rosário e sua arte de ‘enlouquecer’ os signos

+ sobre o tema

Hoje na História, 1912, Dia do Forró nascia Luiz Gonzaga

O Dia do Nascimento de Luiz Gonzaga passou a...

Exposição ‘Mulheres Africanas’ retrata a diversidade do continente africano

Mostra do artista Celso Bayo abre visitação a partir...

Afrik du Brasil

Afrik du Brasil: Nãnan Matos, Diogo Cerrado, Mariano Toniatti...

Após vitória, Ronaldinho Gaúcho ensaia adeus: ‘Quero sair do Flamengo pela porta da frente’

Personagem principal de uma turbulenta semana rubro-negra, o craque...

para lembrar

Racismo faz mal à saúde

O artista Arthur Bispo do Rosário, "o Bispo", e...

A divina loucura de Arthur Bispo do Rosário

Com Flávio Bauraqui, Irandhir Santos e Maria Flor, "O...

One, People, One Love!

A voz forte e afinada brotava não se sabe...

Longa-metragem resgata a arte e a loucura de Arthur Bispo do Rosário

'O Senhor do Labirinto' conta a história do artista...
spot_imgspot_img

Mostra de Walter Firmo revela o olhar icônico do fotógrafo sobre o negro brasileiro

“Desses 81 anos, quase 82, você tira uns 15, divide, e o resto é só de fotografia”, brinca um dos principais fotógrafos do país,...

Reimpressa a obra que revela a poética do delírio em Arthur Bispo do Rosário

Uma trajetória composta pela esquizofrenia, paranoia, inspirações que alegam outro sentido à vida, emoção. Essa é a história do artista Arthur Bispo do Rosário....

One, People, One Love!

A voz forte e afinada brotava não se sabe de onde. Era um grito, um uivo. Um lamento. O registro de uma existência. Por Cidinha...
-+=