Movimento negro condena racismo contra Barbosa

Por: Roberto Almeida

Pedido de desculpas de Júlio Campos (DEM-MT), que chamou ministro do STF de ”ilustre moreno escuro”, não evitou desconforto de entidade e de negros


Representantes do movimento negro criticaram ontem a maneira como o deputado Júlio Campos (DEM-MT) se referiu ao ministro Joaquim Barbosa, do Supremo Tribunal Federal (STF), chamando-o de “ilustre ministro moreno escuro”. O caso ocorreu anteontem durante reunião da bancada do DEM. Em nota, o deputado pediu desculpas.

Contudo, mesmo com a retratação do parlamentar, a situação gerou desconforto entre membros do movimento, já que Barbosa é considerado um ícone por ter chegado à Corte Suprema e ter se assumido “verdadeiramente negro”.

“Parece ser impossível um País que deixa o povo 388 anos escravizado e, em seguida, excluído de seus direitos básicos, estar preparado para respeitar o negro”, afirmou Frei Davi Santos, da ONG Educafro.

Segundo o dirigente, a situação criada pelo parlamentar deve mobilizar a sociedade a refletir sobre a presença negra nos três Poderes. “Quantos juízes negros nós temos, quantos governadores, quantos deputados federais?”, questiona. “Para mim, ele (Campos) é vítima da sociedade. A sociedade levou-o a tratar mal o negro.”

O advogado recém-formado Julio César de Oliveira, também ligado ao movimento negro, trata Joaquim Barbosa como referência para sua carreira e vê a declaração de Campos como uma afronta. “Uma punição não apagaria a mancha que (o deputado) deixou”, disse.

Oliveira relembrou uma visita do ministro à universidade que cursava, em Franca (SP), há dois anos. “Ele contou que sentiu falta de apoio e perseguição oculta. Disse que quem praticava o racismo eram as instituições. Eu concordei plenamente”, observou.

O diretor da ONG Instituto de Advocacia Racial e Ambiental (Iara), Humberto Adami, considera o caso já superado com o pedido de desculpas e credita a declaração à “pouca presença negra no governo”. “Eles não estão nesses lugares, a ponto de um deputado ficar tão impressionado com a cor da pele”, observou. O ministro Joaquim Barbosa não se manifestou.

 

Fonte: humbertoadami

+ sobre o tema

Programa Erasmus oferece bolsas integrais na Europa

O Erasmus, programa promovido pela União Europeia para fomento a...

Projeto SETA tem novo financiador e amplia trabalho aprofundando olhar interseccional

O Projeto SETA (Sistema de Educação por uma Transformação Antirracista),...

CNU: governo decide adiar ‘Enem dos Concursos’ em todo país por causa de chuvas no RS

O governo federal decidiu adiar a realização das provas...

para lembrar

Apesar da escola

Instituições de ensino são pouco acolhedoras; discriminação contínua é...

Educação e saúde: Será que é a hora de reabrir nossas escolas?

Esta semana, no Rio de Janeiro, fomos surpreendidas com...
spot_imgspot_img

Da proteção à criação: os pós-docs negros da USP nas fronteiras da inovação

Desenvolvimento de produtos, novas tecnologias para a geração de energia, manejo ecologicamente correto na agricultura e prevenção à violência entre jovens nativos digitais. Essas...

Inscrições para ingresso de pessoas acima de 60 anos na UnB segue até 15 de maio; saiba como participar

Estão abertas as inscrições do Processo Seletivo para Pessoas Idosas que desejam ingressar nos cursos de graduação da Universidade de Brasília (UnB) no período...

Programa Erasmus oferece bolsas integrais na Europa

O Erasmus, programa promovido pela União Europeia para fomento a educação, formação, apoio a juventude e esportes, está com inscrições abertas para a edição 2024/25...
-+=