Mulher é impedida de entrar em carro de aplicativo por causa do peso

Depois do caso, mulheres se reuniram em Salvador para protestar contra a gordofobia

Da Revista Claudia 

Joyce Santos passou por um episódio de gordofobia envolvendo um motorista do aplicativo 99, que negou levá-la em seu carro por causa do seu peso.

Depois de pedir o carro, Joyce percebeu que o motorista passou reto pelo ponto de encontro marcado no aplicativo e, então, enviou uma mensagem através da plataforma questionando o que havia acontecido. “Como é que você passa por mim? Chamo e você não para”, escreveu ela. “Vai andando, querida, para emagrecer”, respondeu o motorista.

No último domingo (18), o coletivo Vai Ter Gorda reuniu mulheres nas ruas de Salvador para protestar contra o caso. As mulheres tiraram fotos na praia, fizeram um piquenique e conversaram sobre o caso.

(Drica Reis/Reprodução)

O coletivo foi criado em 2016 com objetivo de lutar contra a gordofobia, aumentar a autoestima das mulheres gordas e reivindicar políticas públicas em prol da inclusão social.

A assessoria da 99 afirma que o motorista está bloqueado no aplicativo e que a empresa se dispõe a ajudar a polícia nas investigações do caso. Leia a nota de esclarecimento na íntegra:

A 99 recebeu, por meio das redes sociais, o relato grave da passageira Joyce dos Santos, que teve sua corrida negada por um motorista da plataforma. A empresa lamenta profundamente a situação, e reitera que repudia qualquer tipo de discriminação e tem uma política de tolerância zero em relação a isso.

A 99 orienta e sensibiliza seus motoristas parceiros a atenderem passageiros com gentileza e respeito. Em seus termos de uso, a empresa ressalta que motoristas parceiros não podem discriminar ou selecionar passageiros por quaisquer motivos, além de tratá-los com boa fé, profissionalismo e respeito.

Uma equipe especializada foi mobilizada para apurar o caso de Joyce e está buscando contato com a passageira para lhe dar apoio e acolhimento. Enquanto isso, o motorista foi bloqueado. A 99 está disponível para colaborar com a investigação da polícia.

A 99 reitera que investe continuamente para prevenir esse tipo de situação. A empresa realiza periodicamente rodas de conversas para orientar motoristas parceiros a terem uma postura de respeito e gentileza com todos. Além disso, uma nova plataforma de cursos para 100% dos motoristas com foco em diversidade e cidadania foi lançada e está disponível presencialmente e online. O primeiro módulo é sobre o combate à LGBTQfobia. Os próximos, sobre assédio e racismo, estarão disponíveis neste mês.

Passageiros e motoristas que tenham sofrido qualquer forma de discriminação devem reportar imediatamente para a empresa, por meio de seu app ou pelo telefone 0800-888-8999, para que medidas corretivas sejam adotadas. Trabalhamos 24 horas por dia, 7 dias por semana, para cuidar exclusivamente da proteção dos usuários. A 99 continua à disposição para qualquer esclarecimento.

 

 

Leia Também:

Gordofobia está presente na rotina de 92% dos cidadãos brasileiros, mostra estudo

Gordofobia: um assunto sério – por: Jarid Arraes

+ sobre o tema

A ditadura do corpo ideal e o preconceito velado – Por: Amanda Nunes

“Com a estética, o sujeito entra em uma relação...

Justiça manda quebrar sigilo de internautas por comentários racistas

Internautas fizeram comentários em matérias jornalística de acidente no...

Vai mesmo, gordinha!

Texto de Patrícia Sebastiany Pinheiro. Lendo o texto que Mariliz...

para lembrar

Mude o mundo, não seu corpo

Quando eu era considerada gorda para a sociedade, a...

Ana Paula Valadão pede perdão por comentário sobre gordos

Depois de fazer um comentário polêmico sobre pastor “gordo”...

Após vencer racismo e gordofobia com arte, ela transformou poemas em disco

Então o poema começa, meus amigos e amigas. Sim,...

“O preconceito com o nordestino existe”, desabafa Mariene de Castro

A baianíssima Mariene de Castro, radicada atualmente no Rio...
spot_imgspot_img

Justiça manda Governo do RJ pagar R$ 80 mil a Cacau Protásio por ataques em gravação em quartel dos bombeiros

A Justiça do Rio de Janeiro determinou, em segunda instância, que a atriz Cacau Protásio seja indenizada em R$ 80 mil por ataques e...

Racismo, gordofobia, transfobia. Já se sentiu discriminado ao fazer compras?

Em uma loja de grife vazia, em Goiânia, a única pessoa a perceber a presença da estudante de Medicina Lara Borges, de 20 anos,...

‘Absolutamente fora do padrão’: representante do setor funerário condena caixão com lixo de jovem morto sem atendimento em SP

O presidente da Associação Brasileira de Empresas e Diretores do Setor Funerário (ABREDIF), Lourival Panhozzi, afirmou ao g1 que os protocolos adotados pela funerária responsável pelo...
-+=