Mulheres negras trabalham mais que os homens em funções não remuneradas em AL, diz IBGE

Enviado por / FonteG1

Um estudo divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE), nesta quinta-feira (4), mostra que as mulheres negras alagoanas dedicam uma média de 21,7 horas semanais ao trabalho não remunerado, enquanto que os homens brancos e os negros dedicam quase metade desse tempo: 11,6 horas.

O IBGE entende como trabalho não remunerado aquele representado no estudo pelos cuidados de pessoas e/ou afazeres domésticos. O levantamento feito em 2019 faz parte da pesquisa “Estatísticas de Gênero: indicadores sociais das mulheres no Brasil”, com dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC) e outros levantamentos.

O resultado revela ainda que Alagoas segue a tendência observada para a média Brasil, segundo a qual as mulheres pretas ou pardas dedicavam 22 horas semanais contra as 10,9 horas semanais dos homens brancos.

Na análise com os demais estados do país, os homens brancos alagoanos, ao lado dos fluminenses, eram os que mais destinavam o tempo ao trabalho não remunerado. De um modo geral, a diferença entre homens e mulheres alagoanos era a 12ª maior do Brasil.

Participação das mulheres nos cargos gerenciais
A pesquisa mostrou também que as mulheres de Alagoas ocupam a 7ª maior posição em cargos gerenciais. Em 2019, 42% das pessoas ocupadas em cargos gerenciais em Alagoas eram mulheres, proporção que posiciona o estado alagoano acima da média observada para o Nordeste (40,9%) e para o Brasil (37,4%).

Na comparação com as demais unidades da federação, o estado aparece atrás somente do Piauí (53%), Roraima (47,3%), Acre (46%), Pernambuco (45,1%), Sergipe (43,5%) e Rio de Janeiro (43%).

Participação das mulheres nas forças de segurança
Dos 6.561 policiais no efetivo ativo da Polícia Militar de Alagoas em 2019, 567 (8,6%) eram mulheres, o que coloca o estado com uma das menores proporções do Brasil nesse indicador.

Já a Polícia Civil de Alagoas contava com 400 mulheres (20,4%) no efetivo ativo de 1.963 policiais. Essa proporção era a terceira mais baixa do país em 2019, à frente somente do Maranhão (19,4%) e do Piauí (15,8%).

Em 2014, o outro ano tomado como base de comparação para esses indicadores, o estudo aponta que as mulheres eram 11% do efetivo ativo da Polícia Militar em Alagoas e 19,2% do efetivo da Polícia Civil.

+ sobre o tema

Estaremos Lá: coletivo de mulheres negras fala sobre racismo em vídeos bem-humorados, mas provocativos

Beatrice Oliveira, Carol Silvano, Samantha Cristina e Stella Yeshua,...

Mulheres negras: Um duplo desafio para o sistema de Justiça

Mary Aguiar foi a primeira juíza negra do nossos...

Diversidade X Eurocentrismo e Patriarcado

Quem seriam os Outros ? O desenrolar das histórias...

para lembrar

Stop blaming the victim! Parem de culpar a vítima

A pesquisa do IPEA desnudou uma triste realidade, mas...

Sobre como minha mãe me ensinou consciência racial – Por: Dulci Lima

Não me lembro de nenhum momento da vida em...

A nova propaganda machista e manipuladora da Avon – Por Jarid Arraes

Muito se fala sobre como as propagandas manipulam a...

Toni Morrison

- Nascida em: 18 de fevereiro de 1931 (78 anos),...
spot_imgspot_img

O mapa da LGBTfobia em São Paulo

970%: este foi o aumento da violência contra pessoas LGBTQIA+ na cidade de São Paulo entre 2015 e 2023, segundo os registros dos serviços de saúde. Trata-se de...

Grupos LGBT do Peru criticam decreto que classifica transexualidade como doença

A comunidade LGBTQIA+ no Peru criticou um decreto do Ministério da Saúde do país sul-americano que qualifica a transexualidade e outras categorias de identidade de gênero...

TSE realiza primeira sessão na história com duas ministras negras

O TSE realizou nesta quinta (9) a primeira sessão de sua história com participação de duas ministras negras e a quarta com mais ministras...
-+=