Mulheres poderão descer dos ônibus intermunicipais fora do ponto à noite

Desembarque especial será permitido às passageiras das 22h às 5h a partir de segunda-feira

por Gabriel Oliveira no A Tribuna

À noite, mulheres poderão desembarcar fora do ponto no transporte intermunicipal (Foto: Luigi Bongiovanni/AT)

Mulheres que utilizam os ônibus intermunicipais na Baixada Santista passarão a poder desembarcar fora do ponto entre 22 horas e 5 horas a partir da próxima segunda-feira (11).

Operado pelo consórcio BR Mobilidade, o transporte metropolitano será o último a adotar o desembarque especial à noite. Foi um pedido da vereadora de Santos Audrey Kleys (PP). Tal medida já é adotada nos coletivos municipais das nove cidades da região (confira abaixo os detalhes por município).

A passageira mulher que quiser desembarcar fora do ponto, desde que no trajeto da linha, deverá pedir ao motorista com antecedência.

De acordo com comunicado do BR Mobilidade, o desembarque “só será permitido em locais que apresentem segurança necessária”.

Nas rodovias, por exemplo, considerando a maior velocidade dos ônibus e a iluminação mais precária, a descida apenas será liberada “onde houver pista de aceleração e desaceleração, para segurança das passageiras”, segundo nota da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU).

Já o embarque seguirá sendo obrigatório nos locais de parada dos ônibus.

Confira como é no transporte municipal de cada cidade da Baixada Santista:

Bertioga

> Qualquer passageiro pode pedir para desembarcar em qualquer local do trajeto da linha após as 22h e até o horário do último ônibus em circulação da noite.

Cubatão

> Tanto no transporte coletivo quanto no alternativo, passageiros homens e mulheres podem descer fora do ponto entre 22h e 5h.
> Para pessoas com deficiência, embarque e desembarque são permitidos fora do ponto em qualquer horário.

Guarujá

> Embarque e desembarque das mulheres nos coletivos podem ocorrer fora do ponto entre 22h e 5h, em áreas consideradas de risco para elas.

Itanhaém

> Mulheres são liberadas para descer dos ônibus em qualquer local do trajeto regular da linha, mesmo que não haja ponto, entre 22h e 5h.

Mongaguá

> Independentemente do sexo, usuários podem desembarcar fora do ponto entre 22h e o fim da operação à noite, seja dos ônibus ou das vans.

Peruíbe

> Mulheres podem descer fora do ponto entre 22h e 6h.

> Motoristas normalmente atendem aos pedidos para que idosos e gestantes também desembarquem em local onde não haja ponto regulamentado.

Praia Grande

> Embarque e desembarque de mulheres são permitidos em qualquer parte do percurso da linha das 22 às 5h.

> Passageiros com deficiência ou mobilidade reduzida podem descer do ônibus fora do ponto em qualquer horário.

Santos

>Mulheres podem descer dos ônibus fora do ponto entre 22h e 5h.

>Os motoristas devem analisar a adequação da parada, informando à usuária se a solicitação pode ser atendida e oferecendo uma alternativa caso não seja possível parar no local pedido.

>Eventuais acompanhantes da mulher podem descer junto, no mesmo local previamente solicitado ao motorista.

São Vicente

>Mulheres, idosos e pessoas com deficiência podem embarcar e desembarcar das lotações fora do ponto entre 22h e 5h.

+ sobre o tema

‘Partidos precisam ouvir movimentos sociais’, diz filósofa Djamila Ribeiro; leia entrevista

Mestre em filosofia faz palestra gratuita em Brasília nesta...

“Um jornalista acha que ser gay é notícia”, diz Fernando Grostein

O cineasta Fernando Grostein Andrade, de 35 anos, publicou em sua...

Pelo direito de sair sozinha e tomar uma cerveja sem julgamentos

Eu quero que o feminismo seja tão forte e...

para lembrar

No Tribunal de Justiça, casal gay vence disputa com clube

O Tribunal de Justiça de São Paulo acaba de...

Feminicídio: o que eu tenho a ver com isso?

Todos os dias mulheres são mortas por homens que,...

Grupo usa mitologia dos orixás para criar coreografias e oficinas de dança

Balé das Yabás debate o feminismo e o transforma...
spot_imgspot_img

ONGs LGBTQIA+ enfrentam perseguição e violência política no Brasil, diz relatório

ONGs de apoio à causa LGBTQIA+ enfrentam perseguição e violência política para realizar seu trabalho no Brasil, mostra um relatório produzido pela Abong (Organizações Brasileira de ONGs) em...

Menstruação segura ainda é desafio no Brasil, indica Unicef

Uma enquete do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), concluiu “que o direito de menstruar de maneira digna, segura e com acesso...

Mulher tem aborto legal negado em três hospitais e é obrigada a ouvir batimento do feto, diz Defensoria

A Defensoria Pública de São Paulo atendeu ao menos duas mulheres vítimas de violência sexual que tiveram o acesso ao aborto legal negado após o Conselho...
-+=