Mulheres quilombolas criam biojoias e digitalizam vendas: ‘Trabalho de base’

O projeto Arte Solidária, parceria da designer Maria Oiticica e Michelin, incentiva o empreendedorismo feminismo em quilombos na Bahia. Na 1ª fase, as mulheres criaram uma coleção. Agora, focam na digitalização das vendas

O projeto Arte Solidária Michelin Ouro Verde, parceria da designer amazonense Maria Oiticica e da fabricante de pneus, desenvolve o empreendedorismo de mulheres em três comunidades quilombolas no sul da Bahia. A primeira fase consistiu em oficinas e diálogos online, nos quais Maria e 20 mulheres trocaram conhecimentos e elaboraram a coleção Origens. Com mais de R$ 4 mil em vendas destinados às comunidades locais, o projeto implementa sua segunda fase.

Agora, os grupos têm sido instruídos a vender online as peças – não apenas da coleção – e a manter a geração de renda com autonomia, independente da iniciativa. “A mulher quando parte para o empreendedorismo, ela comumente tem mais garra, pois é historicamente desvalorizada. Ela leva renda para casa e, no caso do projeto, mantém a floresta em pé com uma rede afetiva de outras mulheres”, explica Maria. Ela pontua que as integrantes ainda serão acompanhadas quando o Arte Solidária chegar ao fim.

Jéssica Oliveira do Rosário, artesã do quilombo Jatimane, posa com sua criação (Foto: Imagem retirada do site Marie Claire)

“Com o projeto tivemos oportunidade de trabalhar com outro modelo a partir da semente da seringueira, que por ser uma planta abundante na região, fortaleceu ainda mais o laço de parceria”, revela Danila de Jesus dos Santos, artesã da Associação de Biojoias, Pesca e Agricultura em Ituberá (ABPAGI), uma das comunidades atendidas.

Já para Maria Rosângela Nascimento de Jesus, outra artesã da ABPAGI, a iniciativa lhe ajudou a reconhecer e valorizar seu próprio talento e trabalho. “Em cada peça vemos também a autoestima e visual único de cada mulher na sua expressão natural, na segurança da sua etnia.”

Danila de Jesus dos Santos, artesã da Associação de Biojoias, Pesca e Agricultura em Ituberá (ABPAGI), uma das comunidades atendidas (Foto: Imagem retirada do site Marie Claire)

Dois perfis no Instagram foram criados para comercializar os produtos. São eles: @biojoiasjatimane e @arteabpagi. Além destes, a coleção Origens também está disponível no site de Maria Oiticica.

Raízes

A região do sul da Bahia na qual as comunidades quilombolas estão presentes é a Reserva Ecológica Michelin, onde a marca de pneus investe em reflorestamento, pesquisa ecológica e programas de educação ambiental. A designer foi convidada a visitar o local em 2017 e lá, diz, teve estimulada a sua própria conexão familiar no Amazonas. A seringueira despertou as lembranças.

“Começou a me levar de volta à infância e fiquei muito mexida com isso. Sangrei a seringueira e lembrei do meu pai. Desde que comecei a minha marca, há 20 anos, nunca consegui trabalhar com a semente da seringueira, pois é muito leve e frágil. Quando terminei a visita, ganhei uma caixinha com ela e outras sementes”, relembra Maria.

Colar feito por mulheres quilombolas do projeto com a designer Maria Oiticica e Michelin (Foto: Imagem retirada do site Marie Claire)

A designer diz que chegou ao seu atelier e pensou em desenvolver uma coleção, que se chamaria Origens. Entrou em contato com o pessoal da Michelin e pediu algumas outras sementes. Ao explicar sua ideia, a marca de pneus lhe propôs não apenas uma coleção, mas um projeto. Daí surgiu a parceria com as mulheres quilombolas.

“Houve uma conexão muito grande e naquele momento fui conhecer quem trabalhava com o artesanato local, com as mulheres quilombolas. Fiquei apaixonada pelo trabalho delas”, explica.

Após desenhar o projeto e prestes a iniciá-lo no começo de 2020, a pandemia deu as caras. Impossibilitada de viajar, Maria e o time da Michelin reconceitualizaram a iniciativa e optaram pelo modelo digital.  “A troca que tivemos foi a coisa mais impressionante da história da minha marca”, complementa.

Nossa expectativa é que a gente seja reconhecido pelo nosso trabalho de base e sustentável, declara a artesã Jéssica Oliveira do Rosário (Foto: Imagem retirada do site Marie Claire)

Jéssica Oliveira do Rosário, artesã do quilombo Jatimane, no município de Nilo Peçanha, ressalta que deseja levar a comunidade para o mundo sem precisar sair dela. “Nossa expectativa é que a gente seja reconhecido pelo nosso trabalho de base e sustentável.” O aprimoramento do manuseio das sementes e o desenvolvimento da loja virtual já geraram, segundo a artesã, “resultados excepcionais.”

“Aproveitamos todos os benefícios que a natureza oferece e a comunidade tem um olhar diferenciado sobre a preservação e o cultivo”, finaliza.

+ sobre o tema

‘Não sou mulher só em março, nem preta só em novembro’, diz Rita Batista

A jornalista baiana Rita Batista, 42 anos, é “o...

Preconceito linguístico: como isso afeta o empoderamento feminino

Existe uma regra de ouro da linguística que diz:...

Irmandade da Boa Morte realizou a cerimônia de abertura da Marcha das Mulheres Negras

Marcha das Mulheres Negras| Celebrando a ancestralidade da população...

Mulheres representam quase metade da população rural brasileira

Mais de 14 milhões de brasileiras vivem fora dos...

para lembrar

Nova curadora de moda do MASP: “Roupas podem ser armadura contra o racismo”

"Sempre fui curiosa". É com essa frase que a...

Garotas indígenas são escolhidas por projeto apoiado por Malala

Encarar longas caminhadas para chegar em casa após a...

Mães pela Igualdade – Carta às mães e pais brasileiros

Nós, Mães pela Igualdade, gostaríamos de pedir dois minutos...

Congresso espanhol será o maior da Europa em nº de mulheres

O Parlamento da Espanha formado nas eleições de 28...
spot_imgspot_img

CNJ pede explicações a juízas sobre decisões que negaram aborto legal

O Conselho Nacional de Justiça (CNJ) decidiu nesta sexta-feira (12) intimar duas magistradas do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) a prestarem esclarecimentos sobre...

Instituto Mãe Hilda anuncia o lançamento do livro sobre a vida de matriarca do Ilê Aiyê

O livro sobre a vida da Ialorixá Hilda Jitolu, matriarca do primeiro bloco afro do Brasil, o Ilê Aiyê, e fundadora do terreiro Acé...

Centenário de Tia Tita é marcado pela ancestralidade e louvado no quilombo

Tenho certeza que muitos aqui não conhecem dona Maria Gregória Ventura, também conhecida por Tia Tita. Não culpo ninguém por isso. Tia Tita é...
-+=