Mulheres taxistas se organizam nas ruas e em aplicativo para atrair passageiras

Um adesivo rosa em formato circular na traseira do carro: é esse o símbolo que taxistas estão utilizando, na cidade do Rio, para avisar que quem está no comando do volante é uma mulher. Organizadas no movimento Táxi Rosa Carioca, que nasceu em janeiro deste ano, elas já são cerca de cem profissionais. E, além da visibilidade nas ruas, buscam destaque nas redes. É por isso que, nesta sexta-feira, será lançado um aplicativo, com o mesmo nome do grupo, para recebimento de chamadas de passageiras e passageiros, conforme adiantou o colunista do O Globo, Ancelmo Gois.

Do Extra 

— Estamos na fase de recrutamento das motoristas. A meta é atingir mil profissionais — conta Dora Santos, de 57 anos, uma das fundadoras do movimento, que explica como surgiu a ideia de entrar no mundo virtual: — Foi da demanda das pessoas. Desde janeiro, nos organizávamos já por Facebook e Whatsapp. Quando alguém ligava pedindo uma corrida e eu não podia atender, passava para outra motorista do Táxi Rosa. E, ao saberem do movimento, as mulheres pediam um aplicativo também.

Nas ruas do Rio, a aprovação das passageiras é rapidamente comprovada. Ao conhecer o projeto, a engenheira Debora Barreto, de 24 anos, é uma das que comemoraram:

— Dá mais segurança às mulheres que usam táxi durante a noite. Diminui o risco de sofrer algum abuso, passa mais confiança.

A taxista Denise Azevedo, de 49 anos, conta que as reações delas, ao se depararem com uma mulher dirigindo, são sempre positivas.

— Já teve mulher que entrou, me viu no volante e falou: ‘Que bom que é uma mulher. Estou atrasada para um compromisso! Vou trocar de roupa aqui então’. Se sentem mais à vontade para se maquear, conversar — conta ela, que também ajudou a fundar o movimento.

Projeto de lei quer reservar 10% das autonomias para mulheres

O movimento ainda têm pretensões de mudanças políticas a fim de melhorar o cenário para as taxistas mulheres. Desde janeiro, elas pedem, por meio de uma petição virtual, que sejam reservadas 10% das autonomias de táxi para motoristas do sexo feminino. A proposta virou um projeto de lei do vereador Reimont (PT), que determina que o percentual seja alcançado em até cinco anos.

— Não será só uma oportunidade de vagas para motoristas. Mas há também uma questão muito ligada à segurança de passageiras, que preferem quando a condutora é uma mulher. Em segundo lugar, não achamos justo que esse ambiente seja tão masculino — justifica.

O texto ainda não tem data para ser votado na Câmara Municipal.

+ sobre o tema

‘Homofobia se combate com denúncias e respeito’, diz ativista

De evangelista biônico, 'caçador de hereges' e conversor de...

O lugar das mulheres na esquerda

Há um assunto incômodo que ainda precisa ser discutido...

para lembrar

Caminhada no Rio pede liberdade religiosa e Estado Laico

Milhares de pessoas se reuniram dia 8 na...

A festa de São João na ilha de São Luís é ópera de rua

Parafraseando o saudoso artista maranhense Joãosinho Trinta, que disse...

Laura Capriglione: é essa gente sem educação que quer assumir o poder?

‘Em pleno Dia Internacional da Mulher, os ricos resolveram...

Por que o machismo mata mais as negras

Enquanto as taxas de homicídios entre as brancas diminuem,...
spot_imgspot_img

Elogio ao estupro e ódio às mulheres

Nem sempre é fácil dizer o óbvio. Mesmo porque, quando essa necessidade se impõe é fundamental entender as razões que estão por trás dela. Mas...

Angela Davis: “O desafio é manter a esperança quando não vemos sinais”

Angela Davis, filósofa professora americana, é como uma estrela de rock do ativismo pelos direitos humanos e do movimento negro. Sua popularidade atravessa gerações...

IBGE: mulheres assalariadas recebem 17% menos que os homens

Dados divulgados nesta quinta-feira (20/06) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revelam que a disparidade salarial entre os gêneros no Brasil se mantém em...
-+=